TRATAMENTO DE TRAUMA EM PESSOAS AUTISTAS E NEURODIVERGENTES

Compartilhe

Como as estatísticas mostram, o Transtorno do Espectro Autista – TEA e Transtorno do Estresse Pós-traumático – TEPT coocorrem em taxas insondáveis. Quando o TEA é perdido, o tratamento do trauma é impactado negativamente.

É fundamental tratar o trauma autista com uma abordagem adaptada neurodivergente. Assim como o caminho para o trauma não é o caminho neurotípico, o tratamento também não pode ser o mesmo que o tratamento para uma pessoa neurotípica.

Pessoas autistas são muito mais propensas a experimentar Transtorno do Estresse Pós-traumático – TEPT do que a população em geral, especialmente mulheres autistas, transgêneros e autistas de gênero.

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático – TEPT é um tipo de transtorno de ansiedade que pode se desenvolver em pessoas que vivenciaram um evento traumático. Essa condição causa sofrimento intenso e prejuízos a vários aspectos da vida, como trabalho e relacionamentos.

Os sintomas do TEPT incluem reviver o evento traumático, evitar gatilhos relacionados ao evento, mudanças negativas no humor e no pensamento e hiperexcitação e reatividade (DSM-5, APA, 2013).

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático se caracteriza por sintomas persistentes de revivência, evitação e entorpecimento, e excitabilidade aumentada, após a exposição a um evento traumático.

As estratégias terapêticas para manter o foco no presente e relaxamento são os blocos fundamentais de qualquer bom tratamento de trauma para pessoas autistas. É necessário que a pessoa tenha ferramentas e práticas que a ajudem a se re-ancorar quando o trauma invadir o corpo. Como os sistemas nervosos de pessoas autistas são menos flexíveis do que um neurotípico, é mais difícil para pessoas autistas voltar à linha de base uma vez desencadeado as imagens do trauma ou as sensações ruins do trauma.

A falta de pesquisas significa que não sabemos quão eficazes são os tratamentos atuais de TEPT para pessoas autistas. Enquanto isso, a prática comum é seguir as recomendações da população em geral para TEPT (NICE, 2018). Esses tratamentos recomendados devem ser adaptados adequadamente para pessoas autistas e suas necessidades individuais em áreas como comunicação, linguagem, processamento, interesses sensoriais e intensos (consulte Peterson et al. 2019 para obter mais informações).

Pessoas autistas podem exigir:

  • um maior número de sessões 
  • uma duração maior ou menor para cada sessão 
  • pausas regulares

TERAPIAS SOMÁTICAS E SENSORIAIS

Pessoas autistas precisam de mais atenção no perfil sensorial. ⁠A experiência somática, sensoriais e outras abordagens do trauma baseadas no corpo devem ser consideradas com cuidado. No entanto, dada a intensidade da experiência corporal, deve-se considerar a autonomia e o empoderamento para que o cliente se mova no seu ritmo.

TERAPIA DE EXPOSIÇÃO (SE USADA)

A terapia de exposição é frequentemente tratada como o padrão-ouro para o tratamento de TEPT. No entanto, isso pode ser bastante desregulador para a pessoa autista ou neurodivergente se não for adaptado. Se usado, é fundamental que seja adaptado e liderado pelo cliente. Experiências sensoriais fora do controle são desreguladoras para pessoas autistas; devemos controlar a experiência sensorial. A atenção adequada ao ritmo e à recuperação é essencial.

O tratamento inicial deve se concentrar no aumento das habilidades de interocepção e regulação antes de trabalhar com a exposição. Portanto, a palavra-chave é sensibilidade com o cliente autista.

TERAPIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL – TCC

A Terapia Cognitiva Comportamental – TCC, mindfulness e Yoga, funcionam muito bem e visa confrontar crenças inúteis sobre o mundo e o eu. O clínico deve perceber que esses “esquemas desadaptativos” não foram apenas desenvolvidos no trauma, mas também derivados de anos de marginalização pela sociedade (muitas vezes em nível inconsciente). Assim, é possível que a tentativa de reformular algumas dessas crenças negativas tenha um efeito rebote de aumentar a vergonha e a confiança nas crenças. A insistência na ressignificação também pode resultar em perda de confiança na relação terapêutica.

Também pode ser benéfico usar os interesses intensos de uma pessoa dentro da terapia sempre que possível. 

Antes de iniciar a terapia focada no trauma, é importante estabilizar o indivíduo com estratégias de enfrentamento emocional e criar sentimentos de segurança. As estratégias de apoio que foram consideradas úteis na população em geral incluem: 

  • Mindfulness e aterramento no momento presente
  • criar sentimentos de segurança (por exemplo, um objeto/imagem que simboliza segurança)
  • atividades calmantes sensoriais (por exemplo, óleos essenciais, velas)
  • exercícios de relaxamento, como Yoga/Pilates, exercícios ou dança
  • reengajamento com a vida (por exemplo, rotinas, voluntariado, emprego, relacionamentos).

Fontes:

American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Washington Dc.

Brewin et ai. (2000). Meta-analysis of risk factors for posttraumatic stress disorder in adults exposed to trauma. Journal of consulting and clinical psychology, 68(5), 748.

Gerhardt & Smith (2020). The use of Minecraft in trauma treatment for a child with Autism Spectrum Disorder. Journal of Family Therapy, 42(3), 365-384.

Haruvi-Lamdan et al. (2018). PTSD and autism spectrum disorder: comorbidity, gaps in research and possible shared mechanisms. Psychological trauma: theory, research, practice and politics, 10(3), 290 .

Haruvi-Lamdanet ai. (2020). Autism spectrum disorder and posttraumatic stress disorder: an unexplored co-occurrence of conditions. Autism, 24(4), 884-898.

Hoover (2015). The effects of psychological trauma in children with autism spectrum disorders: a research review. Review Journal of Autism and Developmental Disorders, 2(3), 287-299.

Kerns, CM, Lankenau, S., Shattuck, PT, Robins, DL, Newschaffer, CJ and Berkowitz, SJ (2022). Exploring potential sources of childhood trauma: a qualitative study with autistic adults and caregivers. Autism, 13623613211070637.

Kerns, CM, Newschaffer, CJ, & Berkowitz, SJ (2015). Traumatic events in childhood and autism spectrum disorder. Journal of autism and developmentdisorders, 45(11), 3475-3486.

Kumar, A. (2021). An exploration of traumatic life experiences that lead to symptoms related to posttraumatic stress in adults with autism spectrum disorders: systematic literature review and empirical research project (doctoral dissertation, King’s College London).

NICE (2018) Post traumatic stress disorder (NG116)

Peterson et a i. (2019). Trauma and autism spectrum disorder: review, proposed treatment adaptations and future directions. Journal of child & teen trauma, 12(4), 529-547.

Rumball, et a i. (2021). Increased risk of posttraumatic stress disorder in adults with autism spectrum disorder: the role of cumulative trauma and memory deficits. Research in Developmental Disabilities, 110, 103848.

Rumball, F., Happé, F., & Grey, N. (2020). Experience of trauma and PTSD symptoms in autistic adults: risk of developing PTSD after traumatic events of DSM-5 and non-DSM-5. Autism Research, 13(12), 2122-2132.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

TESTE VIA-IS INVENTÁRIO DE CARÁTER

O Teste VIA Character Strength Survey é o único levantamento científico gratuito das forças de caráter no mundo. Faça este teste de caráter simples de 15

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×