TRANSTORNO DO ESTRESSE PÓS-TRAUMÁTICO E AUTISMO

Compartilhe

Pessoas autistas são muito mais propensas a experimentar Transtorno do Estresse Pós-traumático – TEPT do que a população em geral, especialmente mulheres autistas, transgêneros, autistas de gênero e pessoas LGBTQIA+.

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático – TEPT é um tipo de transtorno de ansiedade que pode se desenvolver em pessoas que vivenciaram um evento traumático. Essa condição causa sofrimento intenso e prejuízos a vários aspectos da vida, como trabalho e relacionamentos. Os sintomas do TEPT incluem reviver o evento traumático, evitar gatilhos relacionados ao evento, mudanças negativas no humor e no pensamento e hiperexcitação e reatividade (DSM-5, APA, 2013).

O Transtorno de Estresse Pós-Traumático se caracteriza por sintomas persistentes de revivência, evitação e entorpecimento, e excitabilidade aumentada, após a exposição a um evento traumático.

Estudos epidemiológicos mostram que, entre os transtornos de ansiedade, o TEPT é o terceiro mais prevalente. Desde 1980, quando foi reconhecido como um diagnóstico válido, mudanças conceituais importantes ocorreram.

Os eventos estressores apontados como mais favoráveis para o desenvolvimento de situações traumáticas podem ser categorizados em três grandes grupos: eventos intencionais provocados pelo homem, eventos não-intencionais provocados pelo homem e eventos provocados pela natureza (Schiraldi, 1999).

No primeiro grupo, entre os eventos intencionais provocados pelo homem, podemos citar: guerra civil, incesto, estupro, sedução, tortura física ou emocional, assalto, crime violento sofrido pela própria pessoa ou por pessoas afetivamente significativas, terrorismo, participação em atrocidades violentas, alcoolismo e uso de drogas, suicídio, mutilação por acidente ou provocada por outro indivíduo.

No segundo grupo, com relação aos eventos não intencionais provocados pelo homem, podemos citar encontram-se incêndios, explosões, queda de pontes e viadutos, acidentes automobilísticos, aéreos e aquáticos e perda de parte do corpo em ambiente de trabalho. No terceiro grupo, entre os desastres naturais, incluem-se tornado, avalanche, erupção vulcânica, ataques de animais, terremoto, furacão, enchentes e epidemias (Schiraldi, 1999).

Pesquisas mostram que as mulheres autistas têm uma dupla vulnerabilidade – mais vulneráveis à vitimização e mais vulneráveis ao desenvolvimento de TEPT após um evento traumático. Outras pesquisas indicam que pessoas autistas são mais propensas a relatar sintomas de TEPT. Embora a pesquisa ainda não tenha estabelecido taxas de prevalência claras, as taxas de provável TEPT em pessoas autistas (32-45%) são mais altas do que na população em geral (4-4,5%) (Rumball et al. 2020; Rumball et al. 2021; Haruvi-Lamdan et al. 2020).

Pesquisas indicam que pessoas autistas podem ser mais propensas a experimentar eventos traumáticos na vida, particularmente traumas interpessoais, como bullying e abuso físico e sexual. 

Na população geral, a exposição a traumas interpessoais e a falta de apoio social aumentam o risco de TEPT (Brewin et al. 2000).

Na pesquisa (Rumball et al. 2020) e Kerns et al. (2022) sugerem uma série de outros eventos que os autistas acharam traumáticos: 

  • abandono/perda de um ente querido (por exemplo, um membro da família, animal de estimação ou equipe de apoio)
  • experiências sensoriais (por exemplo, alarmes de incêndio)
  • transições e mudanças (por exemplo, transições escolares, mudanças de rotina com as estações, imprevisibilidade no dia a dia)
  • dificuldades sociais e confusão (por exemplo, dificuldades em interpretar pistas sociais, mal-entendidos e conflitos) 
  • eventos relacionados com as próprias dificuldades de saúde mental (por exemplo, experiências psicóticas).

As pessoas autistas também podem ser mais propensas a achar essas experiências traumáticas devido a características autistas, como:

  • sensibilidades sensoriais
  • diferenças de comunicação e interação social
  • angústia em torno de mudanças nas rotinas
  • angústia se impedidos de participar de comportamentos repetitivos e restritos, como stiming. 

Algumas teorias sugerem que outros fatores associados ao autismo podem significar um risco aumentado de desenvolver ou manter sintomas de TEPT (Kerns et al 2015; Hoover 2015; Haruvi-Lamdan et al 2018), como: 

  • Fatores neurológicos e genéticos
  • processamento focado detalhado (em outras palavras, uma tendência a se concentrar nos detalhes de uma situação)
  • ruminação aumentada (incapaz de parar de pensar em sentimentos e pensamentos negativos), pensamento inflexível e evitação
  • dificuldades de regulação emocional.

Mulheres autistas são 1,5 vezes mais propensas a serem vitimizadas do que seus pares neurotípicos. Além de sermos mais vulneráveis à vitimização, também somos mais vulneráveis ao desenvolvimento de TEPT após uma experiência traumática.

Existem várias teorias sobre o porquê disso: amígdala mais ativa, sistemas nervosos inflexíveis, mais dificuldade em regular as emoções e nossa tendência a absorver a experiência sensorial com mais intensidade. De fato, Rumball et al. (2020) descobriram que desenvolvemos TEPT em taxas mais altas, mesmo quando o critério A não é atendido (para não clínicos, isso significa essencialmente um trauma menos intenso).

AQUI ESTÃO ALGUNS FATOS PREOCUPANTES SOBRE A INTERSECÇÃO DO AUTISMO E DO TRAUMA:

  • Rumball et al. (2020) estudo descobriu que aproximadamente 60% dos autistas relataram provavelmente TEPT em sua vida (compare isso com 4,5% da população geral) (Rumball, 2020).
  • Haruvi-Lamdan et al., estudo de 2020 descobriu que 32% de seus participantes autistas tinham TEPT provável em comparação com 4% da população não autista
  • Fenning et al,  pesquisa de 2019 demonstrou que crianças autistas tinham sistemas nervosos mais reativos. Isso se alinha com pesquisas semelhantes que identificaram o sistema nervoso autista como menos flexível ( Thapa e Alvares, 2019 ). Sistemas nervosos menos flexíveis têm mais dificuldade em lidar com estressores agudos e podem contribuir para o aumento da hiperativação do sistema nervoso após o trauma.
  • A neurobiologia neurodivergente (TDAH/Autismo) é mais vulnerável e reativa: ( Beauchaine et al., 2013 )
  • Pessoas autistas estão mais vulneráveis à vitimização e marginalização social. No Haruvi-Lamdan et al., 2020 mulheres com autismo (mas não homens) relataram mais eventos negativos da vida, particularmente eventos sociais do que adultos neurotípicos.
  • Relatos de pessoas autistas afirmam que a sensibilidade sensorial faz com que absorvam as experiências traumáticas com mais intensidade. As memórias e sensações codificam na mente e no corpo com mais intensidade.

Essa dupla vulnerabilidade raramente é mencionada como parte da Consciência Autista ou na literatura clínica sobre trauma. A falta de consciência em torno disso é lamentável, pois qualquer bom tratamento de trauma deve considerar a pessoa autista que está vivenciando o trauma de uma forma diferente.

Descobertas recentes do nosso grupo de pesquisa ReSpect Lab , de um estudo qualitativo liderado pela Dra. Anneka Kumar (King’s College London), explorou a experiência de trauma e sintomas de TEPT em adultos autistas. Muitos dos sintomas eram semelhantes aos da população em geral, mas surgiram alguns outros temas que podem ter impacto no tratamento.

  • Os indivíduos descreveram dificuldades em separar quais partes de sua identidade estavam relacionadas à neurodiversidade subjacente e quais estavam relacionadas às suas experiências posteriores de trauma. Muitos indivíduos desenvolveram interesse em tentar entender sua experiência traumática e, para muitos, isso se transformou em um interesse intenso.
  • Alguns indivíduos compartilharam que acharam difícil entender ou explicar seus sentimentos, o que tornou difícil se comunicar e falar sobre suas experiências. Outros compartilharam que, quando discutiam o impacto do trauma com outras pessoas, ele era minimizado ou não levado a sério.
  • Preocupantemente, muitas pessoas autistas nesta pesquisa descreveram não serem capazes de acessar terapia psicológica apropriada dentro do NHS ou setores de caridade. Em vez disso, eles tiveram que contar com ajuda paga do setor privado. Houve tendência de oferecer apenas medicamentos em vez de intervenções terapêuticas para pessoas autistas com TEPT, com desinformação clínica de que a terapia não poderia ser eficaz. 

Fontes:

American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). Washington Dc.

Brewin et ai. (2000). Meta-analysis of risk factors for posttraumatic stress disorder in adults exposed to trauma. Journal of consulting and clinical psychology, 68(5), 748.

Gerhardt & Smith (2020). The use of Minecraft in trauma treatment for a child with Autism Spectrum Disorder. Journal of Family Therapy, 42(3), 365-384.

Haruvi-Lamdan et al. (2018). PTSD and autism spectrum disorder: comorbidity, gaps in research and possible shared mechanisms. Psychological trauma: theory, research, practice and politics, 10(3), 290 .

Haruvi-Lamdanet ai. (2020). Autism spectrum disorder and posttraumatic stress disorder: an unexplored co-occurrence of conditions. Autism, 24(4), 884-898.

Hoover (2015). The effects of psychological trauma in children with autism spectrum disorders: a research review. Review Journal of Autism and Developmental Disorders, 2(3), 287-299.

Kerns, CM, Lankenau, S., Shattuck, PT, Robins, DL, Newschaffer, CJ and Berkowitz, SJ (2022). Exploring potential sources of childhood trauma: a qualitative study with autistic adults and caregivers. Autism, 13623613211070637.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

PERFIL PSICOEDUCACIONAL REVISADO PEP-R E PEP-3

Os instrumentos PEP-R Perfil Psicoeducacional Revisado e PEP-3 são utilizados para medir a idade de desenvolvimento da criança com Autismo ou com algum déficit de comunicação. São

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×