Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

A Psicanálise contemporânea está ocupada em como pensamos nossos afetos, tenta compreender nosso movimento no mundo, como construímos laços afetivos, nossas pulsões amorosas e destrutivas, seus significados, bem como aquilo que fugimos, evitamos, recalcamos, negamos e adoecemos, fazendo sintoma neurótico. As neuroses podem aparecer em três tipos de funcionamento de personalidade: a histeria, a fobia e a obsessão.

O transtorno narcisista, borderline, psicoses e perversões são caracterizados como outros tipos de funcionamentos de personalidade, que não farão parte deste artigo, são formas de adoecimentos mais graves. Nosso foco é conversarmos sobre a clínica da neurose.

Na neurose histérica, o sintoma do sofrimento psíquico será expresso/convertido no corpo, através de adoecimentos psicossomáticos dentre outras formas de dor, como por exemplo, fibromialgias, enxaquecas, doenças autoimunes, paralisias, convulsões epiléticas sem complicações neurológicas, dermatites atópicas, alergias (urticária crônica), psoríase, frigidez, dentre tantos quadros.

Na neurose fóbica, o sintoma será deslocado para um objeto, situação aparentemente muito distante da origem do trauma, como por exemplo, fobias de lugares abertos, de insetos, de animais, do escuro, de pessoas, da morte, medo de sentir medo, social, dentre outras condições.

Na neurose obsessiva, o sintoma será deslocado para alteração do pensamento, as rotinas rígidas cotidianas e se caso eu não fizer a rotina algo ruim vai acontecer. Temos alguns exemplos, rituais religiosos, lavagem das mãos, verificação e checagem se tudo está trancado, manias de organização/simetria/cores/tamanhos, limpeza, sentimentos de nojo/asco, alterações da sensibilidade olfativa e gustativa, workaholic, perfeccionismo, não suportar erros, dentre outros comportamentos. Pode aparecer concomitante as compulsões, como por exemplo, alimentar, gastar dinheiro, consumo de álcool/drogas, adições à internet, a sexo, a jogos de vídeo game, etc.

A Psicanálise não é uma compreensão cognitiva, intelectual do sofrimento psíquico, com regras e ou tarefas racionalizadas, mas nos remete a interrogar os nossos enigmas da repetição neurótica, nos leva aos nossos sofrimentos psíquicos, nos envolve a investigação do nosso sintoma como expressão da dor psíquica.

A Psicanálise como técnica é um método catártico, é a escuta daquilo que não sabemos, é a escuta do nosso inconsciente, do nosso sintoma, através dos nossos atos falhos, esquecimentos, repetição, sonhos, associações livres, portanto libertação pela palavra dita, a cura está na decodificação da linguagem.

Como nossos sentimentos estão processados em nossos pensamentos, buscamos a integração entre pensar, sentir e perceber a emoção envolvida, são nossas angústias.

A Psicanálise não é uma coletora de fatos, mas é a arte de processar o que foi vivido, dano novo significado, dar ressignificação ao sintoma. Aprender a mergulhar nesta jornada psíquica introspectiva é nosso desafio, quando entramos em uma análise psicanalítica.

A posição do psicanalista é como um companheiro de viagem, que será convidado pelo cliente, a caminhar com ele em seus recônditos lugares, do passado, presente e sonhar com a esperança de um futuro melhor.

O trabalho psicanalítico do paciente será transformar suas experiências pulsionais. Nossos pensamentos são criados por sensações, imagens, comunicação afetiva. Precisamos desenvolver a capacidade de simbolização para avançar nos afetos e construirmos a representação mental, que por consequência será o que nos moverá a desenvolver nossa capacidade de pensar as angústias, frustrações, impulsos, medos, desafios, suportar a dúvida e o não saber. Quando falhamos neste processo, adoecemos, negamos, fugimos de nós mesmos, nos perdemos em nosso próprio caos interno e projetamos no mundo, em nosso corpo, em nosso pensamento, nos outros, nas coisas e objetos.

A afirmativa, o inferno são os outros, cabe nesta situação, mas nunca o inferno está em mim; então é melhor examinar o que está acontecendo.

A posição de buscar ajuda é uma posição de humildade frente a constatação da minha própria limitação, tragédia e dor. Reconhecer a necessidade de análise e o ato de procurar ajuda, é se permitir estender a mão a investigação psicanalítica, que não é um ato de se fazer só, mas um ato conjunto com o outro na função de psicanalista. O sujeito que busca psicanálise tem em si a capacidade amorosa, há esperança nos impulsos a vida, da mudança e da reparação.

Quem busca ajuda psicoterapêutica, é aquele que tem recursos amorosos para o enfrentamento, quem se submete a análise é o sujeito que tem recursos, que colocará sua cara a tapa, para o enfrentamento acompanhado de seu psicanalista como testemunha.

Somente na relação com o outro posso me modificar, obviamente se este desejo existir, pois poderei ficar submisso aos meus impulsos destrutivos, capturado em minha própria pulsão de morte em vida.

Posso passar a vida inteira repetindo os mesmos sintomas, piorando os sintomas, mudando de sintomas, medicando sintomas, tendo uma lista de diagnósticos, dor, erros, sem mudar nada, não aprender com a experiência e ainda entender que estou bem, sou o dono da verdade, sou onipotente, que vai nos levar a famosa síndrome da Gabriela: “Eu nasci assim, eu cresci assim e eu vou morrer assim.”

A regressão, a repressão, as resistências são forças destrutivas, estágios de não pensar, como a forma clássica de racionalização, como os mecanismos de alucinações e ilusões, pensamentos mágicos e ou idealizados, paralisam a capacidade de elaboração e pensamentos das funções transformadoras.

O tratamento da psicanálise é uma amostra da vida, se repetindo no consultório, quando é uma análise real, este é o convívio com o analista, é tornar-se quem eu realmente sou.

Referências bibliográficas:

Aulagnier, P. (1979a). Os destinos do prazer. Rio de Janeiro: Imago.

Aulagnier, P. (1979b). A violência da interpretação: do pictograma ao enunciado. Rio de Janeiro: Imago.

Barthes, R. (1984). A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Bleichmar, S. (2005). Clínica psicanalítica e neogênese. São Paulo: Annablume.

Bollas, C. (1992). A sombra do objeto: psicanálise do conhecido não-pensado. Rio de Janeiro: Imago.

Bollas, C. (1994). O objeto transformacional. In G. Kohon (Org.), A escola britânica de psicanálise: The Middle Group, a tradição independente (pp. 63-75). Porto Alegre: Artes Médicas.

Cintra, E.M.U. & Figueiredo, L.C. (2004). Melanie Klein: estilo e pensamento. São Paulo: Escuta.

Civitarese, G. (2008). Caesura as Bion’s discourse on method. International Journal of Psychoanalysis, 89 (6), 1123-1143.

Fédida, P. (1992a). O sítio do estrangeiro. In P. Fédida, Nome, figura, memória. São Paulo: Escuta.

Fédida, P. (1992b). Do sonho à linguagem. In P. Fédida, Nome, figura e memória (pp. 16-59). São Paulo: Escuta.

Fiumara, G.C. (2009). Spontaneity: A psychoanalytic inquiry. New York: Routledge.

Freud, S. (1962a). Jokes and their relation to the unconscious. In S. Freud, The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud (Vol. 8). London: Hogarth Press. (Trabalho original publicado em 1905)

Freud, S. (1962b). The uncanny. In S. Freud, The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud (Vol. 17, pp. 217-252). London: Hogarth Press. (Trabalho original publicado em 1919)

Joseph, B. (1992a). Transferência: situação total. In M. Feldman & E. Spillius (Orgs), Equilíbrio psíquico e mudança psíquica: artigos selecionados de Betty Joseph (pp. 161-172). Rio de Janeiro: Imago.

Joseph, B. (1992b). O vício pela quase-morte. In M. Feldman & E. B. Spillius (Orgs.), Equilíbrio psíquico e mudança psíquica: artigos selecionados de Betty Joseph (pp. 133-143). Rio de Janeiro: Imago.

King, P. & Steiner, R. (Eds.) (1991). The Freud-Klein controversies: 1941-45. London: Tavistock.

Lacan, J. (1998). Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Laplanche, J. (1987). Problemáticas 1: a angústia. São Paulo: Martins Fontes.

Laplanche, J. (1988). Problemáticas 2: castração, simbolizações. São Paulo: Martins Fontes.

Laplanche, J. (1989). Problemáticas 3: a sublimação. São Paulo: Martins Fontes.

Laplanche, J. (1992a). Novos fundamentos para a psicanálise. São Paulo: Martins Fontes

Laplanche, J. (1992b). Problemáticas 4: O inconsciente e o id. O inconsciente: um estudo psicanalítico, por Jean Laplanche e Serge Leclaire. São Paulo: Martins Fontes.

Laplanche, J. (1993). Problemáticas 5: a tina – a transcendência da transferência. São Paulo: Martins Fontes.

Malcolm, R.R. (1989). Interpretação: o passado no presente. In E.M. da Rocha Barros (Org.), Melanie Klein: evoluções (pp. 101-123). São Paulo: Escuta. (também publicado em: Spillius, Elizabeth Bott, ed. Melanie Klein hoje, desenvolvimentos da teoria e da técnica. Vol. 2: Artigos predominanemente técnicos (Vol. 2, pp. 89-105). Rio de Janeiro: Imago, 1990. (E Jornal de Psicanálise, 19, (40), 39-54, 1987)

Meltzer, D. (1978). The kleinian development. Pertshire: Clunie Press.

Ogden, T.H. (1989). La matriz de la mente: las relaciones de objeto y el diálogo psicoanalítico. Madrid: Tecnipublicaciones. (Trabalho original publicado em 1986).

Ogden, T.H. (1991). Analysing the matrix of transference. International Journal of Psychoanalysis, 72, 593-605.

Pontalis, J.-B. (2005). Entre o sonho e a dor. Aparecida, SP: Idéias e Letras.

Pontalis, J-B. (2003). O laboratório central. In Green, A. (Org.), Psicanálise contemporânea (pp. 371-378). Rio de Janeiro: Imago, 2003.

Rosenfeld, H. (1988). Narcisismo destrutivo e a pulsão de morte. In H. Rosenfeld, Impasse e interpretação: fatores terapêuticos no tratamento psicanalítico de pacientes neuróticos, psicóticos e fronteiriços (pp. 139-166). Rio de Janeiro: Imago.

Sontag, S. (2006). Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letras.

Steiner, J. (1991). O interjogo entre organizações patológicas e as posições esquizoparanoide e depressiva. In E. B. Spillius (Ed.), Melanie Klein hoje, desenvolvimentos da teoria e da técnica. Vol. 1: Artigos predominantemente teóricos (pp. 329-347). Rio de Janeiro: Imago.

Williams, M.H. (2010a). The aesthetic development: The poetic spirit of psychoanalysis: Essays on Bion, Meltzer, Keats. London: Karnac. Williams, M.H. (2010b). Bion’s dream: A reading of the autobiographies. London: Karnac.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

PSICÓLOGA CLÍNICA MARINA ALMEIDA

A psicologia clínica é um campo de carreira que se concentra na identificação e tratamento de várias questões de saúde mental, emocional, social e comportamental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora