QUESTÕES DA SEXUALIDADE UM PROBLEMA HUMANO ATUAL

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Atualmente na Psicanálise contemporânea o descentramento da Teoria do Complexo de Édipo nos remete a um novo lugar para pensar a sexualidade humana, vemos hoje várias questões sendo debatidas, ligadas a disforia de gênero, transgêneros, dentre outras configurações de identidade de gênero e escolhas objetais libidinais.

Para Winnicott as questões que nos inquietam são as dirigida ao ser ou não ser, portanto, se baseia na tragédia de Hamlet.

A tragédia de Hamlet, escrita em 1601, há quatro séculos, foi objeto de um número incontável de estudos. As interpretações psicanalíticas de seu herói têm uma história tão longa quanto a história da própria psicanálise.

As mudanças na ontologia psicanalítica segundo Winnicott e os novos elementos para compreender os fenômenos do desenvolvimento da sexualidade continuam sendo um dos problemas humanos, tais como:

  • Ser, do não ser, ao ser
  • Sou, eu sou, pessoa inteira
  • Imaturidade do bebê e dependência do ambiente
  • Psique, corpo somático e mente
  • Elaboração imaginativa das funções corporais
  • Integração das pulsões e ciclo benigno
  • Elementos femininos e masculinos e suas funções: materna e paterna
  • Novas constituições familiares contemporâneas
  • Tendência inata a integração
  • Verdadeiro e falso self
  • Privação ambiental
  • Congelamento e descongelamento psíquico
  • Cultura

A mudança da Psicanálise após os estudos de Donald Winnicott, acrescentou a importância da questão centrada na dependência a figura materna e as consequências da falha ambiental. Cada sistema teórico psicanalítico está constituído em uma função de uma determina catástrofe psíquica que leva o ser humano a um determinado sintoma e uma desregulação do seu desenvolvimento durante a vida.

A concepção winnicottiana de uma relação puramente feminina ao seio dá-se no prolongamento da reflexão freudiana sobre o narcisismo primário; já a oposição entre os elementos masculinos puros e femininos puros, mas diz respeito à complementaridade entre dois tipos de relação, em que apenas o primeiro comporta um elemento instintual. Essa oposição nada tem a ver com a oposição entre predicados do sujeito (fálico/castrado) ou entre tipos de comportamento (ativo/passivo).

Winnicott não está falando de gêneros, mas de elementos da personalidade. Elementos puros, diz o autor, só existem na teoria. Na prática clínica, e é isso o que mais lhe interessa, o importante é conhecer o maior ou menor grau de comunicação entre tais elementos.

O elemento masculino puro diz respeito ao erotismo ligado a zonas. Quando fala dele, Winnicott se refere ao “impulso instintivo na relação do bebê com o seio e com o amamentar e, subsequentemente, em relação com todas as experiências que envolvem as principais zonas erógenas e em relação a impulsos e satisfações subsidiárias” (1971, p. 113).

As relações do elemento masculino puro podem ser ativas ou passivas. Ativa e passiva são, portanto, duas faces de uma mesma moeda. Através do elemento masculino, instintual, o indivíduo, em relação, faz (excita, agride, satisfaz ou frustra), e deixa que ajam sobre ele (se deixa excitar, agredir, satisfazer ou frustrar).

A noção de elemento feminino puro é uma aplicação do conceito de objeto subjetivo, desenvolvido por Winnicott a partir dos anos 1960.

Sigmund Freud defendeu as consequências da não castração, Melanie Klein nos apontou as consequências do triunfo da pulsão de morte, Winnicott nos fez pensar sobre a aniquilação do self por falha ambiental.

Freud pensa o homem como um aparelho psíquico regido por forças e energias para uma concepção de natureza humana, impulsionando o ser para continuar vivendo, este ser e não ser tem uma tendência inata. Tanto Freud como Klein, consideram que o homem é ambivalente e impulsionado pelas pulsões nas relações com o objeto de amor e ódio, vivido separado, junto e posteriormente integrado.

Winnicott vai pensar o ser humano no mundo, sendo necessário que primeiro possa ser antes de fazer em termos de comunicação com o mundo, como sinto minha vida real. O ser humano para ele, é dependente do meio, isso implica mudanças na relação com o meio e diversos modos com o ambiente, desde a dependência absoluta, dependência relativa e rumo a independência, sentir-se real.

Para Winnicott, os objetivos do tratamento psicanalítico são agora considerados como a clínica do cuidado com a pessoa e não mais como um tratamento da doença. Ele modificou a concepção de saúde e adoecimento e introduziu o tema de integração e da dependência/interdependência do homem em relação ao ambiente:

  • A integração do ser humano
  • Concern (capacidade de ter consideração, preocupação, interesse)
  • Ajudá-lo a ter uma vida real, pessoal, que vale a pena ser vivida
  • Desenvolver a capacidade de estar só
  • Se relacionar com a cultura
  • Ato criativo, espontaneidade e generosidade
  • Capacidade de deprimir-se, elaborar sentimento de culpa
  • Desenvolver sua riqueza de personalidade
  • Ser no mundo

Em psicanálise e, de modo especial em Winnicott, o valor das teorias está em sua operacionalidade. Segundo ele, seu maior interesse e satisfação era acompanhar os processos de integração do paciente. É aqui que algumas considerações sobre a comunicação entre os elementos masculinos e femininos da personalidade, e sua relação com as patologias do ser, impõem-se.

A falta da mais simples experiência de ser é vivida sob a forma das chamadas angústias inomináveis: a angústia de aniquilamento ou o sentimento de despedaçar-se em queda vertiginosa e infindável, experiências vividas na psicose, nos pesadelos e em momentos psicóticos por que passam pessoas normais. Winnicott nos fala também da perda da integração entre a psique e o soma (corpo), expressa por meio do sentimento de despersonalização (experiência delirante de não habitar seu próprio corpo) ou de distúrbios psicossomáticos.

A ausência da experiência eu sou (sou uma unidade, minhas diversas partes me pertencem, tenho uma membrana que demarca meu interior daquilo que a mim é externo) leva o indivíduo a comunicar-se através de identificações projetivas, que o fazem atribuir a outros intenções, sentimentos ou desejos que são seus.

Temos, finalmente, aqueles cuja dissociação separa um funcionamento mental excessivo das experiências somáticas e afetivas, privando-os da experiência de um si mesmo singular, movido pela espontaneidade do seu próprio gesto; neles predomina o sentimento de vazio, incapazes que são de corresponder a qualquer expectativa; suas realizações, por não estarem baseadas no sentimento de uma identidade pessoal, vêm acompanhadas de sentimentos de futilidade e inutilidade.

A vida de um ser humano não se caracteriza mais, por medos, sentimentos conflitantes, dúvidas, frustrações do que seus aspectos positivos. O essencial é que o homem se sinta vivendo sua própria vida, com responsabilidade por suas ações ou evitações, sinta-se capaz de atribuir o mérito por seu sucesso ou fracasso, mas que tenha uma relação de independência e autonomia.

Para Winnicott, os tipos de organizações psíquicas e de seus sintomas podem ser:

  • Não integrados, recém integrados e integrados com pessoas inteiras
  • Neuróticos, psicóticos e borderline
  • Sintomas psicossomáticos, comportamentos aditivos e antissociais, estão intimamente ligados a falhas dos objetos transicionais, falhas ambientais, o sujeito perdeu a confiabilidade no ambiente continente.

Portanto, para Winnicott, ser a partir de si mesmo, significa saúde mental.

Referências bibliográficas:

Bloom, Harold 2000 [1998]: Shakespeare: a invenção do humano. Rio de Janeiro, Objetiva.

Gay, Peter 1989 [1988]: Freud – Uma vida para o nosso tempo. Rio de Janeiro, Companhia das Letras.

____-1992 [1990]: Lendo Freud – investigações e entretimentos. Rio de Janeiro, Imago.

Khan, Masud 1976 [1974]: “Devenir Psychanalyste”. In: Le soi caché. Paris, Gallimard.

Lacan, Jacques 1989: Shakespeare, Duras, Wedekind, Joyce. Lisboa, Assírio & Alvim.

Phillips, Adam 1996 [1993]: Beijos, cócegas e tédio – O inexplorado à luz da psicanálise. São Paulo, Companhia das Letras.

Shakespeare, William 1999 [1601]: Hamlet /William Shakespeare. Tradução de Millôr Fernandes.Porto Alegre, L&PM Pocket.

Winnicott, Donald W. 1971: “Os elementos masculinos, feminino expelidos (split-off) encontrados em homens e mulheres”In: O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, Imago, 1975.

____- 1987 [1966]: “A mãe dedicada comum”. In: Os bebês e suas mães. Rio de Janeiro, Martins Fontes, 1988.

____-1989a: Explorações psicanalíticas D. W. Winnicott. Porto Alegre, Artes Médicas, 1994.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

O QUE SÃO UTOPIAS?

Pensando em nossas angústias, medos, dificuldades diversas, aos quais todos nós estamos passando neste momento de mudança, propomos este texto para pensarmos em nossas igualdades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora