Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

As estereotipias estão incluídas nos distúrbios hipercinéticos do movimento, ou seja, devido ao excesso de movimento, que incluem: tiques, tremor, mioclonia, atetose, coreia, distonia e estereotipias.

A estereotipia é atualmente definida como movimentos repetitivos, semi-involuntários, rítmicos (embora nem sempre), coordenados, não intencionais (não realizados com um propósito), estereotipados (sempre repetidos de forma idêntica), suprimíveis com distração ou com início de outra atividade , que não impede a realização de uma atividade motora, mas que, por vezes, pode interferir nas atividades normais se forem muito frequentes ou prejudicar o indivíduo (em casos graves associados a outros déficits neurológicos).

Os tiques mais comuns estão associados aos quadros de Transtornos de Ansiedade, Transtorno Obsessivo Compulsivo – TOC e síndrome de La Tourrete.

Quando as estereotipias aparecem

Eles geralmente começam antes dos 3 anos de idade, são bilaterais e afetam as extremidades superiores.

Têm início e fim bem definidos, embora sua duração seja variável. Frequentemente, são exacerbados ou induzidos pelo sono, estresse, concentração, fadiga, isolamento sensorial, tédio ou ansiedade.

Geralmente estão associados a situações positivas ou agradáveis para a criança.

Estima-se que entre 3% e 9% das crianças entre 5 e 8 anos de idade tenham estereotipias primárias.

Da mesma forma, estima-se que entre 40% e 45% das crianças com transtorno do espectro autista – TEA tenham pelo menos um tipo de estereotipia.

Com o que se pode confundir estereotipias

As estereotipias podem ser confundidas com outros transtornos hipercinéticos do movimento (especialmente os tiques complexos), como compulsões, convulsões epilépticas, com automatismos ou com movimentos como acenar ou balançar a cabeça ou secundários a doença neurológica.

Para diferenciar as estereotipias de tiques, podemos levar em consideração várias características:

  • Início precoce (em crianças menores de 3 anos de idade, os tiques aparecem mais tarde, aos 6-7 anos)
  • Eles não aparecem em um sonho
  • O indivíduo não está ciente do movimento do estereótipo
  • Os movimentos seguem um padrão fixo, são sempre os mesmos (ao contrário dos tiques motores complexos, cujo padrão é errático e varia ao longo do tempo, por exemplo hoje começou a piscar, amanhã balança os ombros e ou a cabeça, faz barulhos vocálicos de tosse, pigarro ou engasgo, fala palavrões de forma disruptiva).
  • Predominam nas extremidades superiores, mas também podem afetar as inferiores e o resto do corpo (os tiques predominam mais na cabeça e nas extremidades superiores, ou tronco).
  • Ritmicidade: aparecem com frequência e intensidade (distinta de tiques que são eventuais)
  • Suprimível com distração (ao contrário de convulsões e outros distúrbios de movimento hipercinéticos, os tiques também são menos suprimíveis do que estereotipias)
  • As estereotipias são mais duradouras do que tiques
  • Eles não associam nível alterado de consciência
  • Ausência de sensação premonitória anormal ou urgência em sua realização (diferença com tiques ou compulsões)
  • Pode ser agradável para o indivíduo (diferente de compulsões ou tiques)
  • Quando suprimidos, não geram ansiedade na criança

Como as estereotipias são classificadas

Motoras (movimentos) ou fônica (emissão de sons ou vocalizações).

Simples (movimentos simples e únicos, sons guturais) ou complexos (mais complexos, movimentos coordenados, envolvendo mais de uma ação, vocalizações).

Estereotipias podem ser primárias e ou secundárias.

1.Estereotipia Primária

Os estereótipos primários têm melhor prognóstico e tendem a desaparecer com o tempo, enquanto os estereótipos secundários tendem a persistir. 

Os estereótipos primários geralmente começam nos primeiros 3 anos de vida. Cada criança tem seu próprio repertório de estereótipos que geralmente evoluem com a idade. É comum encontrar pais, tios ou avós que sofreram ou sofrem de estereótipos primários (25% dos casos).

Seu prognóstico é geralmente favorável e tendem a diminuir com a idade, embora possam persistir na idade adulta. No entanto, como um grupo têm mais frequentemente do que as crianças sem estereotipias outros distúrbios, tais como TDAH, ansiedade, tiques, tiques do transtorno obsessivo-compulsivo, síndrome de La Tourette, dentre outras.

É muito importante notar que o diagnóstico diferencial entre estereotipias primárias e secundárias não irá ser feita de acordo com o tipo de estereotipia, mas dependerá do contexto em que a estereotipia ocorre (cognitivo, défice sensorial, a ingestão de drogas, transtorno do espectro do autismo).

2.Estereotipia Secundária

Os estereótipos secundários são aqueles que ocorrem no contexto de uma criança com distúrbio neurológico associado, retardo mental, autismo ou déficits neurossensoriais.

A maioria, como os estereótipos primários, geralmente são motores, mas também podem ser vocalizações ou estereótipos visuais (por exemplo, na síndrome de Rett).

Ao contrário dos estereótipos primários, eles tendem a persistir com a idade e até aumentar em frequência, interferir na aquisição de novas habilidades e podem ser autolesivos. Estima-se que 40-45% das crianças com autismo tenham pelo menos um tipo de estereótipo.

Alguns erros inatos do metabolismo causam estereotipias secundárias, como Fenilcetonuria não tratada, a Doença de Lesch-Nyhan, déficit de adenilsuccinatoliasa, síndrome de Smith Lemli-Opitz, etc.

Padrões mais característicos das estereotipias

Face: movimentos de língua ou lábios, abrir boca, fazer careta, chupar, chupar objetos, chupar, franzir os lábios, esticar os lábios, bufar, bruxismo, mordiscar os lábios, apertar a mandíbula, abrir e fechar os olhos, etc.

Cabeça e pescoço: balançar a cabeça, inclinar a cabeça, balançar a cabeça ou ombros, bater a cabeça na parede, esticar o pescoço, torcer o cabelo nos dedos, puxão de cabelo, extensão de pescoço etc.

Tronco: girar, balançar o corpo, flexionar as costas, girar o corpo para os lados, etc.

Ombros: levantar e abaixar os ombros, arquear as costas, etc.

Membros superiores: batendo as mãos, cruzando os braços sobre o peito, acariciando, acenando com as mãos, agitando as mãos, torcendo as mãos ou dedos, chupando o polegar, apontando, mordendo ou chupando as mãos ou dedos, coçar o mãos, agitar as mãos na frente do rosto, colocar as mãos na frente do rosto e olhar para elas, beliscar a pele, torcer a roupa com os dedos, picar / bater (bater) em objetos, na parede, etc.

Mãos com objetos: sacudir um objeto, bater em um objeto, apertar um objeto, bater em superfícies com lápis ou outros objetos, acariciar ou esfregar objetos repetidamente, etc.

Membros inferiores: bater os pés no chão, bater um pé com o outro, andar na ponta dos pés, andar sobre os calcanhares, saltar, correr, correr em círculos, posturas rígidas das pernas, chutar, sentar-se e levantar, etc.

Autodirigido: Tapar as orelhas, cheirar, esfregar os olhos, bater ou tocar o pescoço, tocar os órgãos genitais, automutilar, esfregar na superfície de um objeto, etc

Visuais: semicerrar os olhos, olhar atentamente para um objeto nas mãos, segurar um objeto na frente do rosto e olhar para um objeto distante do campo de visão, etc

Fônica: Vocalizações (frases ou palavras), riso desmotivado, etc

Diagnóstico

O diagnóstico é sempre clínico pelo médico neurologista e os exames complementares não são necessários, a menos que haja suspeita de outra patologia que não estereotipias.

Geralmente são solicitados: vídeo, EEG para fazer o diagnóstico diferencial com epilepsia, ressonância magnética do cérebro em estereotipias de aceno de cabeça, etc.

Podem nos ajudar no diagnóstico

  • Observação direta
  • Análise de vídeo doméstico
  • Uso de questionários padronizados validados como o RBS-R (Repetitive Behavior Scale Revised, 2000 Bodfish et al) e Stereotypy Severity Scale, Stereotypy Linear Analog Scale).

Tratamento

Na maioria dos casos não requerem tratamento e o mais importante é explicar à família a brandura do quadro, a menos que sejam comportamentos auto lesivos, as estereotipias não prejudicam ou deterioram a condição geral ou o desenvolvimento da criança, o maior problema é produzido no funcionamento emocional e aceitação social.

Também é importante salientar que a abordagem farmacológica ou comportamental das estereotipias secundárias costuma ser um pouco mais difícil, mas deve ser tentada para minimizar o sofrimento do paciente e seus familiares.

A decisão de tratar os estereótipos de uma criança dependerá da gravidade clínica, do impacto psicossocial e do impacto no desempenho acadêmico no caso de estereotipias primárias.

No caso de estereotipias secundárias, vai depender do impacto na dinâmica sociofamiliar e se envolvem comportamentos auto lesivos para a criança (por exemplo, estereótipos de hiperventilação em meninas com síndrome de Rett que podem desencadear crises, automutilações, síndrome de La Tourrete que o paciente emite palavrões, pode cuspir, etc e no Transtorno Obsessivo Compulsivo pode piscar os olhos, pigarrear, balançar os ombros, fazer caretas, etc).

Segundo vários estudos, as restrições mecânicas são eficazes para o tratamento de estereótipos e comportamentos auto lesivos, mas devem ser aplicadas em casos selecionados e com indicação supervisionada com médico neurologista, psicólogo, terapeuta ocupacional, psiquiatra e são melhor toleradas de forma intermitente. Para tanto, têm sido utilizadas peças de roupa, dispositivos de contenção ou outros dispositivos (capacetes ou máscaras faciais, dispositivos ou faixas que prendem os pulsos e os imobilizam na cadeira ou nas laterais, roupas de Neoprene (vélcron) e luvas ou outros materiais).

As restrições mecânicas podem ter efeitos indesejáveis: sendo desconfortáveis, podem causar lesões (dermatite, esfregando, etc.), restringindo seus movimentos e fazendo-os substituir um estereótipo por outro que não permita suas restrições, e pode limitar a interação da criança com o ambiente, limitando a interação social. Eles são usados apenas em crianças com retardo mental ou autismo e transtorno de conduta grave. Eles nunca são indicados em crianças saudáveis com estereótipos primários.

O tratamento pode ser de três tipos

1.Tratamento comportamental: É o mais utilizado e o que tem demonstrado maior eficácia. Em geral, baseia-se na promoção de outros movimentos adaptativos que substituem as estereotipias; e no caso de crianças com estereótipos primários, o hábito da reversão é baseado no autorreconhecimento da criança, que posteriormente aprende a inibir a estereotipia.

2.Tratamento farmacológico e terapêutico: geralmente pode ser utilizado para minimizar a ansiedade em conjunto com intervenção psicoterapêutica de terapia comportamental cognitiva.

3.Tratamento farmacológico: geralmente as medicações utilizadas são os benzodiazepínicos, agonistas adrenérgicos, betabloqueadores, antiepilépticos, antipsicóticos (neurolépticos, especialmente os atípicos, como risperidona, aripiprazol) e inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS).

Referência bibliográfica:

Texto adaptado e supervisionado do Protocolo de Estereotipias na infância de Dras. Andrea Sariego Jamardo e Belén Pérez Dueñas. Serviço de Neuropediatria. Hospital Sant Joan de Déu, Barcelona, Espanha, 2014.

Escalas citadas no artigo para avaliar Estereotipias:

https://www.Repetitive Behavior Scale Revisedresearchgate.net/publication/267247780_The_Repetitive_Behavior_Scale-Revised_Independent_Validation_and_the_Effects_of_Subject_Variables

https://www.hopkinsmedicine.org/neurology_neurosurgery/centers_clinics/pediatric-neurology/conditions/motor-stereotypies/behavioral-therapy-treatment.pdf

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

QUAL O MELHOR MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO

O melhor método para a alfabetização é um discussão antiga entre os especialistas no assunto e também entre os pais quando vão escolher um escola

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora