O QUE É DEPRESSÃO PÓS-PARTO

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Muitas mulheres experimentam por algumas semanas após o parto um sentimento de depressão, tristeza que também é chamado de “baby blues”.

“Baby blues” é uma forma menos grave de depressão pós-parto, mas é importante não ignorar as mudanças que estão acontecendo em seu corpo. Muitas mulheres se sentem confusas, lutando com a tristeza após um momento tão alegre do nascimento de um novo bebê para a família e, muitas vezes, não falam sobre isso.

A depressão pós-parto é uma condição séria de saúde mental que afeta principalmente as mulheres, mas também pode afetar seus parceiros. Este tipo de depressão ocorre durante a gravidez ou após o parto. Sentimentos de extrema tristeza, ansiedade e exaustão podem dificultar que essas novas mães realizem atividades de cuidados diários para si ou para seus bebês.

Embora a lista abaixo não seja exaustiva, alguns dos sintomas comuns da depressão pós-parto incluem:

  • sensação persistente de tristeza ou de baixo-astral
  • Perda de interesse no mundo ao seu redor e não mais apreciando coisas
  • Falta de energia e sentindo-se cansado o tempo todo
  • Sentir que você é incapaz de cuidar do seu bebê
  • problemas de concentração e tomar decisões
  • Perda de apetite ou aumento do apetite
  • Sentimentos de culpa, desespero e auto-culpa
  • Dificuldade de se relacionar com seu bebê com um sentimento de indiferença e nenhum sentimento de prazer em sua companhia
  • Pensamentos assustadores, como querer machucar seu bebê, podem ser muito assustador e perturbador, mas raramente são postas em prática
  • Pensando em autoflagelação e suicídio

Se você acha que o item acima se aplica a você, é importante procurar ajuda o mais rápido possível, pois os sintomas podem ter um impacto significativo sobre você e seu bebê.

Com a terapia apropriada, a maioria das mulheres recupera totalmente.

Quais terapias podem ajudar?

  • Terapia Comportamental Cognitiva
  • Psicanálise Psicodinâmica

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça o E-Book: Coleção Escola Inclusiva

Plano de Ensino Individualizado

Veja mais

SEXUALIDADE DA PESSOA COM SÍNDROME DE DOWN

A ideia fundamental do artigo é afirmar que uma pessoa com deficiência intelectual tem direito a uma educação que englobe todos os vértices de sua personalidade, incluindo sua vida afetiva e sexual desde sua infância até senilidade.
Defendemos a visão sócio antropológica da pessoa com síndrome de Down, aquela que precisa ser acolhida ao nascer, tenha um papel na família e na sociedade, tenha um projeto de vida e tenha uma educação de apoio.

CURRÍCULO ADAPTADO PARA ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

O currículo adaptado para alunos com necessidades educativas especiais, ao contrário de um currículo funcional, é aquele que visa adaptar o currículo acadêmico para os alunos que, por suas condições cognitivas, físicas e sensoriais, não demonstram condições de acompanhar o currículo regular.

× Conversar Agora
Skip to content