PESSOAS AUTISTAS E SEUS DILEMAS COM O DIAGNÓSTICO

Compartilhe

Qual a causa do autismo?

R: Sabemos que não existe uma causa única para o autismo. A pesquisa sugere que o autismo se desenvolve a partir de uma combinação de influências genéticas e não genéticas, ou ambientais.

Essas influências parecem aumentar o risco de uma criança desenvolver autismo. No entanto, é importante ter em mente que risco aumentado não é o mesmo que causa. Por exemplo, algumas alterações genéticas associadas ao autismo também podem ser encontradas em pessoas que não têm o transtorno.

Da mesma forma, nem todas as pessoas expostas a um fator de risco ambiental para o autismo desenvolverão o transtorno. Na verdade, a maioria não o fará.

Como diagnosticar o autismo na fase adulta?

R: Existem testes de autismo para adultos, embora a maioria das pessoas com transtorno do espectro autista TEA, seja diagnosticada quando criança.

No entanto, mais adultos estão sendo identificados mais tarde na vida, à medida que o autismo é melhor compreendido.

O diagnóstico de autismo adulto só pode ser feito por um profissional de saúde qualificado, como um psiquiatra, neurologista ou psicólogo especialista em autismo por meio de entrevistas de anamnese, escalas e testes para autismo.

Os sinais comuns de autismo em adultos incluem:

  • Achando difícil entender o que os outros estão pensando ou sentindo
  • Ficando muito ansioso com situações sociais
  • Achando difícil fazer amigos ou preferindo ficar sozinho
  • Parecer rude, rude ou não estar interessado nos outros sem querer
  • Achando difícil dizer como você se sente
  • Interpretar as coisas muito literalmente – por exemplo, você pode não entender o sarcasmo ou frases como “quebrar uma perna”
  • Ter a mesma rotina todos os dias e ficar muito ansioso se isso mudar
  • Não entender as “regras” sociais, como não falar sobre as pessoas
  • Evitando contato visual
  • Ficar muito perto de outras pessoas ou ficar muito chateado se alguém tocar ou chegar muito perto de você
  • Perceber pequenos detalhes, padrões, cheiros ou sons que outros não percebem
  • Ter um grande interesse em certos assuntos ou atividades
  • Gostar de planejar as coisas cuidadosamente antes de fazê-las

Autismo em mulheres e homens pode ser diferente.

Mulheres autistas apresentam:

  • Aprenderam a esconder sinais de autismo para ‘se encaixarem’ – copiando pessoas que não têm autismo – uso de mascaramento ou camuflagem
  • São mais quietas e escondem seus sentimentos
  • Parecem lidar melhor com situações sociais
  • Mostram menos sinais de comportamentos repetitivos
  • Isso significa que pode ser mais difícil identificar uma mulher autista

Por que o autismo adulto é mais difícil de diagnosticar?

R: Muitas pessoas autistas desenvolveram formas de sobrevivência para camuflar seus déficits, fizeram uma adaptação social razoável e ou foram sendo subdiagnosticadas com as comorbidades que apresentavam, como ansiedade social, depressão, TOC, TDAH etc.

Portanto, algumas pessoas autistas são diagnosticadas erroneamente ou parcialmente por suas comorbidades ou recebem um falso negativo (o que significa que são informados de que não são autistas quando na verdade são).

Falsos negativos podem ocorrer em mulheres autistas, porque as avaliações que avaliam o autismo nem sempre levam em conta o mascaramento ou a aparência do autismo em várias populações, bem como a presença de coocorrentes psiquiátricos e neurológicos. Especificamente, pessoas negras, indígenas, hispânicas, e outras pessoas transgêneros que são frequentemente ignoradas nas pesquisas sobre autismo, bem como aqueles que não são meninos ou homens cisgêneros.

Por que os homens são os mais diagnosticados com autismo?

R: Estudos recentes continuam a relatar um preconceito masculino na prevalência de TEA, mas também sugerem que as diferenças sexuais na apresentação fenotípica, incluindo menos comportamentos restritos e repetitivos e externalização de problemas comportamentais nas mulheres, podem contribuir para este preconceito.

Estudos genéticos demonstram que as mulheres estão protegidas dos efeitos de variantes de risco de TEA hereditárias (fenótipo feminino protetor). Trabalhos convincentes sugerem que genes cromossômicos sexuais e/ou hormônios sexuais, especialmente testosterona, podem modular os efeitos da variação genética na apresentação de um fenótipo autista.

Atualmente o TEA afeta as mulheres com menos frequência do que os homens com prevalência de cada 4 homens para 1 mulheres (Loomes et al.,2017), e vários fatores genéticos e hormonais diferenciais entre os sexos podem contribuir.

É essencial realizar trabalhos futuros para determinar os mecanismos pelos quais estes fatores conferem risco e proteção a homens e mulheres.

Qual a melhor forma de lidar com o diagnóstico de autismo no adulto?

R: Todo adulto com TEA tem desafios únicos a superar e forças únicas para aproveitar. No entanto, existem alguns desafios comuns a enfrentar, incluindo dificuldade em construir relacionamentos eróticos-afetivos, relacionamentos sociais, isolamento social, gestão de transtornos de humor,ansiedade, depressão, TDAH, sobrecargas sensoriais e manutenção da organização do cotidiano.

Buscar pela oficialização do diagnóstico de TEA

Mesmo que não tenha recebido um diagnóstico formal, se suspeitar que tem TEA, você pode começar a tomar medidas para melhorar sua vida, procurando por profissionais especializados em autismo.

Buscar os tratamentos terapêuticos

Se já tem o diagnóstico de TEA é importante buscar os tratamentos terapêuticos, como acompanhamento psiquiátrico, neurológico, acompanhamento psicológico e terapia ocupacional com especialistas em autismo em adultos.

Considere divulgar seu diagnóstico de pessoa autista

Falar sobre o seu diagnóstico pode ser difícil e o estigma social associado ao TEA pode fazer com que você evite fazê-lo. Embora a divulgação dependa inteiramente de você e do seu nível de conforto, pode ajudá-lo a melhorar alguns relacionamentos.

Informar amigos próximos e familiares sobre seu diagnóstico pode ajudá-los a entender por que você tem dificuldade em interpretar seus comentários sarcásticos, por exemplo, ou por que fica angustiado com sons que parecem normais para todos os outros. Também oficializar seu diagnóstico no trabalho ou na universidade para obter a garantia de seus direitos como pessoa autista e receber as devidas acomodações necessárias.

Observe quando você está enfrentando sobrecarga sensorial. Talvez você ache difícil acompanhar tudo o que está acontecendo em uma intensa conversa em grupo. Ou talvez, algo tão simples como um trânsito barulhento ou um cachorro latindo esteja incomodando você.

Com intervenções da modulação sensorial através da Terapia Ocupacional a sensibilidade sensorial poderá ser ajustada. Isso pode envolver trocar de sala, usar abafadores de ruídos, ou sair de um grupo maior para um bate-papo individual. Cada ajuste é sempre único e específico para cada pessoa autista.

Procure pontos em comum com a pessoa com quem você está conversando. Estabelecer pontos em comum pode levar a conversas mais descontraídas e agradáveis. Se você tem hobbies semelhantes, isso é, obviamente, uma ótima notícia. Caso contrário, você pode procurar outras coisas de que gosta ou não gosta. Isso pode ser qualquer coisa, desde um interesse comum por carros até uma aversão compartilhada por ruídos altos.

Problemas alimentares também são comuns em pessoas autistas como seletividade alimentar, anorexia, bulimia e alimentação obsessiva. Será importante procurar uma Nutricionista especializada em autismo, para orientar e dessensibilizar esses comportamentos e adotar uma dieta saudável.

Entre em contato com outros adultos autistas em grupos de apoio. Você pode descobrir que conversar com outras pessoas autistas é menos cansativo do que outras interações.

Embora cada pessoa autista seja sempre diferente e única, você compartilha pontos em comum e pode falar sobre suas experiências.

Além disso, nenhum de vocês precisará se concentrar na leitura ou na apresentação de pistas sociais da maneira que uma pessoa neurotípica esperaria.

A Psicóloga e Neuropsicóloga Marina da Silveira Rodrigues Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista.

Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp +55 (13) 991773793.

Marina da Silveira Rodrigues Almeida – CRP 06/41029

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

DIAGNÓSTICO DA DISLEXIA

O diagnóstico da dislexia é realizado por uma equipe de profissionais envolvidos: Psicóloga, Psicopedagoga, Neurologista e Fonoaudióloga. Para ser realizado um diagnóstico da dislexia precisamos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×