Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

A dupla excepcionalidade refere-se à presença de superdotação/altas habilidades e mais alguma forma de incapacidade ou dificuldade de aprendizado.

Essa não é uma situação incomum e estima-se que até uma em cada dez crianças com altas habilidades possa ter alguma forma de deficiência ou dificuldade de aprendizado. Por exemplo, algumas crianças com dislexia costumam ter capacidade intelectual acima da média, algumas crianças com autismo podem ter inteligência acima da média.

A dupla excepcionalidade pode dificultar a identificação de superdotação e talento em crianças pequenas e em jovens. Muitos profissionais podem não estar qualificados para identificar e fazer um diagnóstico correto e acabam fazendo diagnósticos equivocados prejudicando o desenvolvimento escolar e psíquico.

A superdotação de uma criança pode compensar sua deficiência ou dificuldade de aprendizado e, portanto, mascará-la por muito tempo, desenvolvendo comportamentos de ansiedade, depressão, irritabilidade e isolamento social.

A identificação precisa é essencial para que a criança ou o jovem receba o apoio necessário para realizar seu potencial. Os apoios são geralmente psicopedagógicos e acompanhamento psicoterápico. Algumas vezes é necessário avaliação e acompanhamento de Neurologista e Psiquiatra Infantil.

Embora deficiências físicas ou sensoriais, como paralisia cerebral ou cegueira, sejam aparentes, outras – como deficiências sutis de audição ou visão, ou dificuldades específicas de aprendizado ou processamento – são mais difíceis de detectar, principalmente em crianças com altas habilidades.

Os possíveis indicadores de dupla excepcionalidade incluem:

  • Discrepâncias nas habilidades, como uma criança que apresenta níveis avançados de raciocínio, mas que luta para ler ou escrever.
  • Uma criança que parece frustrada com seu próprio desempenho em tarefas acadêmicas.
  • Falta de confiança e evitação de certas tarefas, juntamente com sinais de habilidade avançada em outras áreas.
  • Discrepâncias significativas nas pontuações do sub-teste nos testes de inteligência.

A dupla excepcionalidade geralmente não se torna um problema para crianças e famílias até que a criança comece a estudar. No entanto, muitas vezes há sinais nos anos pré-escolares.

É importante tentar identificar a dupla excepcionalidade o mais cedo possível, preferencialmente antes do período de transição para a escola.

Isso ajuda a evitar que a criança sofra frustração e uma sensação de fracasso em suas primeiras experiências de educação formal e ajuda a apoiar seu conceito positivo de si mesma como aprendiz.

Também está de acordo com o princípio básico da intervenção precoce: o diagnóstico precoce que atenda e apoie tanto a superdotação quanto a incapacidade levará a melhores resultados.

Aqui no Instituto Inclusão Brasil realizo avaliação para identificar Altas Habilidades e superdotação em crianças e jovens e avaliação de dupla excepcionalidade. Ente em contato pelo WhatsApp (13) 991773793.

FONTE: https://www.education.vic.gov.au/childhood/professionals/learning/Pages/idgiftedchildren.aspx

Agendamento para consultas: presencial ou consulta on-line (psicoterapia on-line):

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

 

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

 

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

CONVERSANDO SOBRE ESCOLA INCLUSIVA

Foi somente no fim do século XIX quando, diante das radicais mudanças sociais rumo à modernidade instaura-se a escolaridade obrigatória. De fato, o desenvolvimento humano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora