MODELOS DE AVALIAÇÕES NUMA ESCOLA INCLUSIVA

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

A avaliação classificatória ou burocrática, tanto institucional como individual nada transforma.

Para não ser autoritária e conservadora, a avaliação terá de ser diagnóstica, ou seja, deverá ser o instrumento dialético do avanço, terá de ser o instrumento de identificação de novos rumos.

“Deve ser o instrumento do reconhecimento dos caminhos percorridos e da identificação dos caminhos a serem perseguidos” (Luckesi, 1995).

A avaliação da aprendizagem, “deverá ser assumida como um instrumento de compreensão do estágio de aprendizagem em que se encontra o aluno, tendo em vista tomar decisões suficientes e satisfatórias para que se possa avançar no seu processo de aprendizagem” (Vygotsky,1987)

  • Concepção Emancipadora (dialógica – Paulo Freire) – paradigma dialógico (comunicativo, intersubjetivo – Habermas) – Escolas Inclusivas
  • Concepção Burocrática/Classificatória (punitiva e formal) – paradigma instrumental (de dominação) Escolas Tradicionais

O objetivo final da avaliação é o de identificar cada vez mais a escola e a universidade com a sociedade brasileira a fim de que a cultura e o conhecimento técnico-científico tornem-se bens de qualidade possuídos por todos e para que tenhamos, de fato, escolas comprometidas com a formação de cidadãos e cidadãs.

A avaliação institucional não pode reduzir-se a um processo técnico por que ela deve estar inserida num projeto de educação e de sociedade, um Projeto Político Pedagógico. Na perspectiva de uma “práxis transformadora” a  avaliação deve ser considerada como um “compromisso com a aprendizagem de todos” e “compromisso com a mudança institucional”.(Paulo Freire 1980)

A avaliação institucional e individual coloca em evidência o projeto institucional, os fins da educação e as concepções pedagógicas, ela se constitui num momento privilegiado de discussão do Projeto Político Pedagógico da escola.

Habermas cita dois tipos de racionalidade que fundamentam o paradigma do Projeto Político Pedagógico da escola:

Racionalidade instrumental (de dominação): conduz  a escola burocrática, rotineira, autoritária, inibe qualquer criatividade ou diferença individual, não há valorização profissional, e não se fomenta projetos coletivos mas a isolamentos e cisões constantes, para manter a dominação.

Racionalidade Comunicativa (intersubjetiva): constrói um projeto coletivo, pautada na intersubjetividade (Habermas) e no diálogo (Paulo Freire), valoriza a todos, promove união coletiva, criatividade, autonomia, essenciais para o entendimento entre as pessoas, e cumprimento dos objetivos da escola. Respeita seus alunos nas mais diversas dimensões, bem como a TODOS os que estão envolvidos no processo de ensino-aprendizagem como um ciclo que se realimenta.

Numa Escola Inclusiva

 A Avaliação é Emancipadora dentro do paradigma da racionalidade comunicativa busca o entendimento pelo diálogo, como forma de se chegar a verdade, coletivamente, não elimina os conflitos.

  • A busca de consensos não elimina o dissenso.
  • A finalidade do diálogo e da integração social não é se chegar a uma estabilidade sem vida. A instabilidade faz parte da ação comunicativa e pedagógica.
  • A escola é um sistema, mas é também um mundo vivo.
  • Pode inicialmente estar vinculada ao paradigma burocrático, patológico – ou pode descolonizar-se desse vivido e viver plenamente os conflitos, compondo uma harmoniosa sinfonia de vozes, sons, gestos, palavras, ações…
  • Enfim, a avaliação institucional ou individual pode e deve definir os rumos, promover o respeito, a individualidade, a criatividade, as competências, a autonomia e cidadania.

Todos os alunos deveriam ser avaliados pelos progressos que alcançaram nas diferentes áreas do conhecimento e a partir de seus talentos e potencialidades, habilidades naturais e construção de todo tipo de conhecimento escolar. A LDBEN dá ampla liberdade às escolas quanto à forma de avaliação, não havendo a menor necessidade de serem mantidos os métodos usuais.

“A prática avaliativa deve ser capaz de ir além de avaliar a aprendizagem, mas entender o valor individual de cada aluno, propiciando o seu crescimento como indivíduo e como integrante de uma sociedade. E que acima de tudo, seja uma avaliação envolvida com uma prática pedagógica real, inovadora, não excludente e muito amorosa”. (Luckesi, 1987)

Bibliografia:

BRASIL, MEC/SEESP. Política Nacional de Educação Especial. Brasília. 1994.

BRASIL, MEC/SEESP O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular / Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (organizadores) / 2ª ed. rev. e atualiz. . Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

GOFFMAN. E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

UNESCO, Declaração de Salamanca e linha de Ação sobre necessidades educativas especiais. Salamanca: Espanha, 1997.

BITAR, Hélia de Freitas e outros. Sistemas de avaliação educacional. São Paulo, FDE, 1998 (Série “Idéias”, no. 30).

LUCKESI, Cipriano.Avaliaçãoda aprendizagem escolar. São Paulo, Cortez, 1998.

ROMÃO, José Eustáquio. Avaliação dialógica: desafios e perspectivas. São Paulo, IPF/Cortez, 1998.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Avaliação da aprendizagem: práticas de mudança. São Paulo, Libertad, 1998.

Sites consultados:

www.jussarahoffmann.com.br

www.luckesi.com.br

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

DIFICULDADES DE RELACIONAMENTO

Ter relacionamentos saudáveis com os outros sejam amigos, familiares, colegas ou outras pessoas importantes nos proporciona tantos benefícios e é tão importante para nossa saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×