GUIA TREINO DO BANHEIRO PARA CRIANÇAS COM AUTISMO

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Muitas crianças autistas ou Transtorno do Espectro Autístico – TEA têm dificuldades em aprender a usar o vaso sanitário. O que pode funcionar para uma criança pode não funcionar para outras.

Um dos elementos do Programa TEACCH – Treatment and Education of Autistic and related Communication handicapped Children, é o ensino estruturado “Structure Teaching” que são as ferramentas usadas pelo programa para dar o suporte necessário para que a criança com autismo ou Transtorno do Espectro Autístico – TEA  aprenda novas habilidades explorando seu lado forte de aprendizagem visual, motricidade e rotina, com isso ganhando mais independência.

  • Primeiro sempre se deve levar em consideração a perspectiva da criança, de que maneira as características do autismo contribuem para a dificuldade de aprender a usar o vaso sanitário.
  • A dificuldade de compreender e manter uma relação social interfere neste processo. A criança normotípica, de dois a três anos, quer agradar e fica orgulhosa de estarem crescendo e começando a usar cuequinhas, calcinhas. A criança autista ou com Transtorno do Espectro Autístico – TEA não tem esta motivação.
  • A criança autista ou com Transtorno do Espectro Autístico – TEA  tem dificuldade em organizar informações e manter uma sequência.

Por isso seguir a rotina necessária para o processo de usar o vaso sanitário e manter o foco que é necessário neste processo torna-se um desafio.

  •  A dificuldade em compreender a linguagem e imitar modelos.
  • Eles podem não compreender o que se espera deles.
  • A dificuldade em aceitar a mudança na rotina.
  • A criança já tem o costume de usar fraldas e está familiarizado com esta rotina, pode não compreender a necessidade desta mudança.
  • Dificuldade em organizar informações sensoriais.
  • Estabelecer a relação entre a sensação que o corpo transmite pedindo para ir ao banheiro e as atividades do dia a dia.
  • Com isso não reconhecem os sinais que o corpo oferece.
  • Para muitos, o banheiro pode ser insuportável, o barulho da descarga, ecos, barulho da água correndo e o vaso sanitário que para eles e uma cadeira com um furo no meio com água dentro.
  • No processo de remover a roupa, a temperatura pode afetá-los e a sensação do pano da roupa pelo corpo pode fazer com que a criança não se sinta bem.

Começando:

  • No processo de ensinar a usar o vaso sanitário deve-se definir um objetivo realista compreendendo que será um processo lento.
  • Observe a criança para escolher a melhor maneira de começar.
  • De início estabeleça uma rotina incluindo o horário de ir ao vaso sanitário e colete informações sobre a performance da criança.
  • Leve-a ao banheiro a cada meia hora para tentar usar o vaso sanitário.
  • Depois de duas semanas compare os dados das informações coletadas.
  • A criança se mantém seca por um bom período?
  • Pode-se notar alguma regularidade quando ela esta molhada ou com fezes?
  • Ela faz uma pausa nas atividades quando está molhada ou com fezes?

Para as crianças que todas as respostas foram “Não”, isso significa que elas ainda não estão preparadas para realizar esta meta. Mas recomenda-se que inclua em sua rotina algumas idas ao vaso sanitário para se familiarizar.

Outras informações importantes que se deve coletar:

  • A criança está compreendendo esta rotina?
  • Como é sua habilidade para vestir-se?
  • A criança demonstra medo ou interesse relacionado ao processo de ir ao banheiro (reação à descarga, água, papel higiênico e outros)?
  • Qual o seu nível de atenção neste processo?
  • Como entra ao banheiro (não entra/entra rápido)?
  • Ao tirar a roupa (aceita ajuda, como tirar até o joelho, coxa)?
  • Senta-se no vaso sanitário?
  • Pega o papel higiênico?
  • Usa o papel higiênico?
  • Levanta a tampa do vaso sanitário?
  • Veste sua roupa?
  • Dá descarga?

No final deste processo terá informações suficientes para estabelecer um objetivo apropriado para introduzir o treinamento de usar o vaso sanitário.

Estrutura física:

  • Ao começar o processo de ensinar o uso do banheiro queremos que a criança compreenda que este comportamento (fazer xixi, cocô) deve ser feito no vaso sanitário.
  • Com isso inclua o processo de tirar fralda, limpar, colocar a roupa (relacionada com o processo de usar o vaso sanitário) sempre no banheiro (não tire a roupa da criança e nem troque suas fraldas no quarto) para estabelecer a compreensão para que, para isso, usa-se o banheiro.
  • Crie um ambiente seguro para ela sem muita estimulação.
  • A criança ficará mais calma e responderá melhor.
  • Pense também nas necessidades físicas (para as crianças que têm dificuldades de locomoção): se necessitam de uma barra de ferro que as ajudem a apoiar seu peso para usar o vaso sanitário.
  • O barulho da descarga, eco do banheiro pode incomodar alguns.
  • Muitas crianças respondem bem a músicas suaves e outros sons que tirem ou diminuam os ruídos naturais do sanitário.

Estabelecer suporte visual:

  • Depois de estabelecer um objetivo apropriado para introduzir o vaso sanitário é importante implementar o suporte visual que demonstre as sequências de cada ação deste processo.
  • Deve usar um objeto ou foto (PECS) que represente a transição de ir ao banheiro e iniciar uma rotina. Depois de estabelecer esta rotina é importante que suporte estas ações visualmente com objetos, fotos (PECS), escrever as sequências cada passo (se a criança lê).
  • Descrever as sequências das ações é importante para que a criança reconheça e faça a conexão dos passos que ele deve fazer. Inclua na sequência o que ela vai fazer depois de ir ao banheiro (como brincar, assistir TV).

Problemas específicos:

  • Resolva os problemas durante o percurso sempre levando em consideração a perspectiva da criança e como se pode ajudar a solucioná-los usando estrutura visual.

Aqui vão algumas ideias de problemas que pais encontram ao começar este treinamento:

  • Resistência a sentar no vaso sanitário.
  • Deixe sentar no vaso sanitário sem remover a roupa.
  • Deixe sentar no vaso sanitário com a tampa fechada.
  • Use pinico (se o vaso sanitário for muito alto).

Demonstre como sentar no vaso sanitário:

  • use um boneco para demonstrar, você senta em seguida e depois, a criança senta.
  • Sente junto.
  • Ofereça ajuda física se necessário.
  • Ajude a compreender por quanto tempo deve permanecer sentado (deixe-a ouvir uma música e, quando ela acabar, poderá sair. Use um relógio despertador por um minuto).
  • Quando ela começar a sentar-se ofereça entretenimento – como livro ou outra coisa.

Medo da descarga:

  • Não use a descarga até ter algo para ser removido.
  • Use a descarga quando a criança estiver longe do vaso sanitário (como na porta).
  • Marque o lugar que acriança deve estar para você usar a descarga e, gradualmente coloque este lugar cada vez mais perto do vaso sanitário.
  • Avise que vai usar a descarga. Exemplo: “está pronto? 1, 2, 3 e já!” (aperte a descarga).
  • Deixe a criança usar a descarga.

Só quer usar a descarga:

  • Cobrir a descarga para a criança não ver.
  • Dê algo para segurar.
  • Use sequências visuais para mostrar quando se usa a descarga.

Brincar com água:

  • Ofereça um brinquedo que tenha água para distrair
  • Use um papelão ou uma toalha para cobrir as pernas da criança enquanto usa o vaso sanitário.
  • Cubra o vaso sanitário até usar.
  • Coloque uma pista visual aonde a criança deve sentar-se.

Brincar com o papel higiênico:

  • Tire do lugar se estiver causando muitos problemas (substitua por lenços de papel).
  • Já deixe a mão a quantidade certa que deve usar.
  • Apresente pistas visuais para quando deve tirar o papel higiênico (use clipes para mostrar até a onde deve tirar ou marque com caneta).

Não quer se limpar:

  • Tente materiais diferentes (lenço de papel, lenços umedecidos, toalhinha, esponja).
  • Considere a temperatura do material.
  • Demonstre este processo usando uma boneca.

 

Não quer fazer xixi em pé (para os meninos):

  • Ofereça um alvo para a criança atingir na água (cereal redondo, por exemplo).
  • Aumente o tamanho do alvo se necessário (use alguns cereais formando um círculo).
  • Use corante para mudar a cor da água e obter a atenção da criança.

Quer manter a fralda:

  • Corte o fundo da fralda aos poucos, e ofereça outra fralda quando sentar no vaso sanitário.
  • Use boneca para demonstrar o procedimento.
  • Aumente a quantidade de fluidos (água, suco) e fibra na dieta.

Comunicação:

É importante estabelecer uma maneira da criança se comunicar e conseguir independência. É necessário que ela consiga comunicar suas necessidades de ir ao banheiro. Por exemplo, se a criança quando quer ir ao banheiro anda de um lado para o outro indicando para as pessoas que a conhecem que necessita ir ao vaso sanitário, use esta oportunidade para ensiná-la a usar a comunicação sistemática como objetos, fotos (PECS), linguagens de sinais, palavras.

Exemplo de como coletar informações:

Nome:                                                                Data que começou:

 

1º Dia 2º Dia 3º Dia 4º Dia 5º Dia 6º Dia
Hora calça toalete calça toalete calça toalete Calça toalete calça toalete calça toalete
7:00
8:00
9:00
10:00
11:00
12:00
13:00
14:00
15:00
16:00
17:00
18:00
19:00
20:00
21:00

Fonte: www.teacch.com/toilet.htm

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

 

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

ESTEREOTIPIAS OU TIQUES E AGORA?

As estereotipias estão incluídas nos distúrbios hipercinéticos do movimento, ou seja, devido ao excesso de movimento, que incluem: tiques, tremor, mioclonia, atetose, coreia, distonia e

6 respostas

    1. Bom dia!
      Muito Obrigada!
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
      https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

  1. muito sensíveis suas informações…entendi que o primeiro passo é estabelecer uma sintonia importante com o autista. Tenho um neto de 6 anos, não fala, mas, tenta se comunicar com o olhar e pede ajuda mostrando o que quer. Ele ainda não aprendeu a ir ao banheiro, usou fralda muito tempo…um dia, pra minha alegria se recusou a usar fralda ou, qualquer calça. Sendo assim, urina e faz coco pela casa. Amanhã vou passar uns dias na casa dele e, pretendo tentar fazer com que ele passe a usar o vaso. Sou da área de saude mental e o Lucas em uma ótima sintonia comigo. Caso vc possa me lembrar de algum mecanismo que possa ajudar, seria muito útil. De qq maneira obrigada.

    1. Bom dia!
      Muito Obrigada!
      Indico esta cartilha:
      http://autismo.institutopensi.org.br/wp-content/uploads/manuais/manual_treinamento_para_usar_o_banheiro.pdf

      Indico histórias sociais:
      http://autismoprojetointegrar.com.br/desenho-utilizando-o-banheiro/

      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
      https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

  2. ah…gostei da sua formação. Mas, o Lucas mora no Rio. Você tem alguma indicação de fono, ou coisa parecida ao seu trabalho, aqui no Rio? Agradecida, aguardo.

    1. Bom dia!
      Indico o Instituto Ann Sullivan no Rio de Janeiro.
      https://www.institutoannsullivan.org.br/
      Muito Obrigada!
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
      https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×