COMO APRENDER A NAMORAR SE SOU UM ADULTO AUTISTA, SÍNDROME DE ASPERGER OU TEA

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Estar na cena dos solteiros não é fácil para ninguém, esteja você no espectro do autismo ou não. No entanto, os adolescentes, jovens e adultos autistas podem precisar superar muito mais obstáculos do que seus pares neurotípicos para prosperar em um mundo de namoro e relacionamentos amorosos, românticos. 

Alguns adultos autistas passam por toda a vida adulta sem ter muito interesse em romance ou namoro, enquanto outros são muito interessados e buscam ativamente relacionamentos românticos. 

Se você estiver interessado, este artigo contém algumas dicas para começar.

Se você é da família, namorada(o)(x) ou amigo(a)(x) de um adulto autista, seu trabalho é garantir que a pessoa saiba que você está aberto e disponível para apoiá-lo(a) (x).

Onde encontrar pessoas?

Algumas pessoas (incluindo pessoas neurotípicos) dizem que conhecer pessoas é a parte mais difícil do namoro. Os solteiros costumam ir a bares para se encontrar, mas, na realidade, muito poucos casais se encontram em um bar “cena de solteiros”. Se você é autista, procurar alguém novo em um bar e iniciar uma conversa pode parecer particularmente difícil ou ineficaz. Fique tranquilo, há muitas outras maneiras de conhecer alguém.

O melhor lugar para começar é observar o que você faz a cada dia. 

Onde você vai? Como se chega lá? 

Reserve um tempo para realmente observar as pessoas que você encontra no transporte público e em seus lugares favoritos para visitar. No entanto, tome cuidado com seu local de trabalho, pois os relacionamentos românticos no trabalho costumam ser desencorajados e às vezes até proibidos. Uma razão para isso é que pode criar um ambiente de trabalho estranho se uma pessoa não estiver romanticamente interessada na outra ou se o relacionamento não der certo por outro motivo.

Não se desespere se você não encontrar nenhuma perspectiva de namoro durante suas rotinas diárias. No entanto, você pode precisar sair da sua zona de conforto para conhecer alguém novo. Namorar online e ingressar em um novo grupo social podem ser as melhores opções para você.

Sites de namoro online podem tornar mais fácil se familiarizar com uma pessoa antes de conhecê-la. Informações sobre os gostos e desgostos de outra pessoa estão disponíveis para que você possa planejar com antecedência o que fazer com essa pessoa ou o que falar. 

Alguns sites afirmam combinar pessoas com base em características de personalidade e comportamento, incluindo quanto tempo o indivíduo deseja passar sozinho e a importância de um relacionamento físico. Embora existam alguns grandes benefícios para sites de namoro online, sempre tenha cuidado e segurança ao planejar encontrar alguém pessoalmente. Embora seja razoável supor que a maioria das pessoas que postam um perfil em um site de namoro estão lá para encontrar alguém até o momento, nem todas as pessoas estão interessadas em um relacionamento sério e, infelizmente, às vezes as pessoas usam esses sites para fins enganosos (por exemplo, predadores sexuais, pessoas abusivas e tóxicas).

Se encontrar alguém individualmente parece um grande primeiro passo, a participação em um grupo social ou atividades de clube é uma ótima maneira de conhecer pessoas com interesses semelhantes. 

As atividades em grupo costumam ser menos estressantes do que as situações individuais porque o foco está na atividade, não em conversar sobre amenidades. 

Os grupos sociais também fornecem a oportunidade de observar a socialização típica entre outros. 

Você também pode considerar assistir a eventos em um museu ou restaurante local. 

Dependendo dos seus interesses, você pode encontrar algo certo para você (karaokê, curiosidades sobre esportes, por exemplo). 

O Diretório de Recursos do CAR Autism Roadmap ™ contém uma lista de grupos sociais para pessoas no espectro do autismo. No Brasil temos alguns grupos no Facebook e Instagram.

Quer sair comigo?

Convidar alguém para sair é muito mais do que encontrar uma pessoa e convidá-la para sair com você. Em particular, antes de convidar alguém para um encontro, é uma boa ideia tentar descobrir se essa pessoa tem algum interesse em sair com você. Também é uma boa ideia pensar em boas atividades para fazer no encontro – aquelas que você e seu parceiro em potencial irão desfrutar.

A detecção de interesse depende da leitura de dicas verbais e não verbais, o que pode ser difícil para um indivíduo autista. 

A linguagem corporal é uma forma importante de julgar o interesse, seja por meio do contato visual, orientação corporal ou um toque no ombro. É tão importante para ser capaz de detectar dis interesse, pois é para o interesse sentido, mas pegando um tom sarcástico da voz ou evitação é muitas vezes um desafio.

Da mesma forma, é importante que você saiba como mostrar apropriadamente seu interesse por alguém. Você pode usar as dicas para detectar interesse para mostrar interesse também. É muito importante entender o que é e o que não é apropriado. Por exemplo, se for difícil distinguir entre fazer uma piada sedutora inofensiva e uma piada ofensiva ou ofensiva, tente outra estratégia para mostrar interesse, como perguntar sobre coisas nas quais a pessoa está interessada ou até mesmo se oferecer para ajudar a pessoa em um projeto.

Assistir a programas de televisão repletos de relacionamentos românticos pode ser uma ótima ferramenta educacional. Filmes que incluem relacionamentos românticos também funcionam. Assista a estes com um amigo ou familiar de confiança para que você possa discutir o que está acontecendo e certifique-se de que está interpretando todas as pistas. 

Além do comportamento, as aparências contam! 

É importante estar atento à higiene pessoal, por exemplo, lembrando-se de tomar banho e usar desodorante e roupas limpas todos os dias.

Depois de encontrar alguém com quem você gosta de passar o tempo e por quem se sente atraído, há muito que você pode aprender com a linguagem corporal e dicas verbais. Para testar se os sentimentos são mútuos, você terá que convidar alguém especial para um encontro. Isso não é fácil para ninguém, seja autista ou não! Respire fundo e tente relaxar. A confiança é a chave, então lembre-se de que todos são especiais e possuem qualidades únicas que os outros acharão atraentes.

Procure exemplos de “convidar pessoas para sair” em filmes ou programas de TV relacionados à idade. Considere encenar com um amigo. Se você não se sentir confortável em convidar alguém para sair pessoalmente, saiba que existem alternativas, como e-mail, mensagens instantâneas, mensagens de texto ou escrever um bilhete antiquado. Na era da comunicação eletrônica, no entanto, torna-se ainda mais importante avaliar o interesse e o caráter antes de enviar uma mensagem eletrônica. E-mails e mensagens de texto são facilmente disseminados em massa, o que pode causar constrangimento quando enviados ou encaminhados para destinatários indesejados.

Encontro

Ao escolher o que fazer em um encontro, não se esqueça de considerar no que a outra pessoa está interessada. Escolha algo que vocês dois se divirtam fazendo. As atividades tradicionais podem incluir sair para jantar, ir ao cinema ou a um concerto. Mas certifique-se de que tudo o que você escolher funcione para você. Por exemplo, se você tem sensibilidade a ruídos altos ou lugares lotados, uma sala de concertos típica pode não ser a melhor escolha. Se vocês dois gostam muito de música ao vivo, talvez um café com violão seja a melhor opção. Para um primeiro encontro, você pode querer mantê-lo curto ou pelo menos ter um tempo definido para isso. Isso ajuda a reduzir a ansiedade sobre a hora de encerrar o encontro.

Preocupações com relacionamentos específicos para indivíduos autistas

Problemas sensoriais podem ser uma preocupação para um adulto autista, especialmente quando o namoro pode envolver contato físico. Se abraçar é demais, considere segurar as mãos como alternativa. Se o encontro acontecer em algum lugar sujeito a ruídos altos e / ou estimulação visual, planeje antecipadamente como você fará os intervalos com o seu encontro. Saber algumas coisas sobre a autorrepresentação pode ser um grande benefício nessas circunstâncias.

Conversa fiada (small talk)

Pode cobrir uma ampla variedade de tópicos, como filmes, programas de TV, música, esportes, teatro ou outras atividades extracurriculares. 

Pratique como expressar envolvimento com o que a outra pessoa está dizendo e como saber se outra pessoa está entediada ou esperando por uma chance de intervir.

Esteja ciente também de tópicos delicados e casuais. Por exemplo, conversas informais sobre gostos e desgostos costumam ser despreocupadas, enquanto tópicos como política e religião podem ser problemáticos. Embora esses assuntos sejam aceitáveis para serem discutidos, certifique-se de não perseverar em uma crença ou opinião pessoal. 

Concentre-se em fazer perguntas sobre a outra pessoa, pensando sobre o que o torna quem você é. 

Alguns exemplos incluem:

  • O que você faz no trabalho? 
  • Que tipo de férias você gosta de ir? 
  • Gosta ou faz algum desporto ou participa em algum grupo social? 

A intimidade anda de mãos dadas com o namoro, e é essencial ter cuidado com o contato físico ao conhecer alguém novo. Antes de iniciar um relacionamento físico, certifique-se de que ambas as pessoas envolvidas expressaram explicitamente que se sentem confortáveis com esse tipo de interação e que é o que ambas desejam.

Cuidado com as fixações de amor

Os indivíduos autistas às vezes podem ficar facilmente preocupados com um assunto de interesse. Este atributo, combinado com uma tendência a ser firmemente leal, pode tornar alguns indivíduos autistas mais propensos a se tornarem fixados em um interesse amoroso em particular. Pense em como suas ações podem ser percebidas pela parte receptora e certifique-se de que seus avanços não sejam opressores. Às vezes, boas intenções e interesses podem ser interpretados erroneamente como perseguição.

Amor não correspondido … Como lidar com a rejeição?

Encarar a rejeição pode ser constrangedor e doloroso, independentemente de você ser neurotípico ou não. 

É por isso que é importante perceber a possibilidade de rejeição ao convidar alguém para sair. Se você estiver perguntando a alguém cara a cara, pense no que você poderia dizer em reação a uma resposta negativa, como “Tudo bem, sem problemas. Talvez eu te veja por aí”.

Não importa o que aconteça, nunca se rebaixe, não leve para o lado pessoal e sempre se lembre: “Existem centenas de outras oportunidades!”

Segurança

Sempre que conhecer alguém novo, a segurança deve ser uma prioridade. Reunir-se em espaços públicos, como um restaurante ou museu, é uma boa ideia para conhecer alguém e desenvolver um vínculo de confiança. 

Dado que a sexualidade é um componente pertinente dos relacionamentos românticos na idade adulta, a segurança física e emocional deve ser considerada. Para obter mais informações sobre sexualidade e como ficar protegido quando o assunto do sexo surgir, leia meu outro artigo aqui no Blog: “Desenvolvimento da Sexualidade em Pessoas Autistas”.

Casado

Muitos indivíduos autistas se casam e têm filhos, sejam seus parceiros autistas ou neurotípicos. Muitas pessoas neurotípicas e autistas também optam por não se casar. 

Lembre-se de que o casamento é uma preferência pessoal, não uma regra. Como qualquer relacionamento, requer muito trabalho, honestidade e franqueza. Expectativas, estilos de vida e necessidades semelhantes contribuem para um relacionamento bem-sucedido, independentemente da neurologia.

O Namoro

O namoro deve ser algo que contribua para a felicidade em sua vida. Embora possa ser muito desafiador e confuso às vezes, tente usar todas as experiências com namoro como oportunidades para crescer e aprender sobre você e as pessoas em que está interessado.

Seja você mesmo, divirta-se e fique seguro!

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial e diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos online ou presencial.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

DIAGNÓSTICO DE DEPENDÊNCIA A INTERNET

O diagnóstico de dependência a internet está ganhando força no campo da saúde mental – e recentemente adicionado ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×