APRENDENDO A SER SOCIÁVEL COMO UM JOVEM OU ADULTO AUTISTA

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Você está sozinho? Entediado? Desejando ter alguém com quem fazer algo? 

Nesse caso, você não é o único. Muitas pessoas se sentem assim uma vez ou outra. Se você está no espectro do autismo, pode se preocupar se ficar sozinho é como vai ser. Mas você não precisa ficar isolado!! 

Pode não ser fácil, mas se você estiver disposto a se esforçar, poderá conhecer novas pessoas e desenvolver novas amizades.

Como Conhecer Pessoas

Muitas pessoas acham mais fácil conhecer pessoas quando as circunstâncias as unem. A experiência compartilhada dá às pessoas algo sobre o que falar. Além disso, se você estiver no mesmo lugar, há uma probabilidade maior de ter algo em comum – talvez seja onde você mora ou trabalha, uma atividade de que gosta ou um lugar favorito para comer (não coma em um lugar isolado, sozinho. Se quiser conhecer alguém; sente-se no bar, lanchonete onde outras pessoas estarão ao seu lado e talvez também por conta própria).

Talvez você esteja sozinho porque está em casa, perseguindo seus próprios interesses solitários. Embora você possa interagir com as pessoas on-line, isso não é o mesmo que interações face a face. Comece identificando as atividades de que você gosta ou está interessado em experimentar. 

Se você é um jogador, vá a uma convenção de jogos ou a uma loja de videogame local. 

Utilize seus talentos

Gosta de ler história? 

Seja voluntário na atração histórica local ou museu. Você tem um talento especial que os outros admiram em você. 

Ofereça-se para ensinar aos outros como fazê-lo – seja como um tutor individual ou em um pequeno grupo. Se “neurotípicos” o deixam desconfiado, considere entrar em um grupo criado para indivíduos autistas ou em uma organização para deficientes em geral. Muitos desses grupos têm passeios sociais planejados pelos próprios membros.

Certifique-se de escolher um ambiente com o qual você possa lidar. Se você é sensorialmente sensível à luz ou não gosta de multidões, certifique-se de que a atividade escolhida leve essas limitações em consideração. 

Se a atividade que você escolher tende a ser lotada, considere chegar cedo ou ficar até tarde. Isso lhe dá a oportunidade de interagir com outras pessoas antes que o evento se torne agitado e opressor.

O importante é que você se envolva. Mas “se envolver” não significa apenas se inscrever e ir embora. Quando você está lá, você precisa interagir. 

Talvez você precise de tempo para se ajustar. Isso é bom. Junte-se a um grupo com reuniões regulares. Isso permitirá que você veja algumas das mesmas pessoas regularmente. Isso dá a você e a eles tempo para se sentirem confortáveis um com o outro. Dessa forma, você terá mais de cinco minutos para causar uma boa impressão.

Não desanime se sua primeira tentativa não for bem-sucedida. Existem milhares de atividades para você escolher. Se um não estiver funcionando, tente algo diferente.

Mostre que você está interessado

Uma boa maneira de iniciar uma conversa é fazer referência a algo óbvio que você e a outra pessoa têm em comum.

Se você estiver participando de uma atividade ou evento sozinho, pode ser assustador abordar um estranho. Relaxe! Você provavelmente não será a única pessoa sozinha.

Sorria ao olhar ao redor da sala e tente encontrar alguém sozinho ou em um pequeno grupo. (As pessoas acham mais fácil abordar alguém sozinha do que um grupo de pessoas.)

Aproxime-se dessa pessoa ou grupo, faça contato visual e apresente-se. Espere que eles respondam e se apresentem.

Pergunte se eles estão lá para o evento e mencione que é sua primeira vez tentando algo assim (ou que você já fez isso antes, mas em uma cidade diferente, local diferente, etc.).

Pergunte o que os fez decidir ir ao evento.

Ouça a resposta e responda apropriadamente.

Se a conversa começar a desmoronar, não há problema em dar uma desculpa como se eu fosse pegar uma bebida antes de as coisas começarem ou vou correr para o banheiro. Siga na direção da sua desculpa e quando voltar, procure outra pessoa ou pequeno grupo para se aproximar. Ou se as coisas parecem estar indo bem, pergunte à pessoa se ela quer ir com você para pegar um pouco de comida antes de as coisas começarem. Isso pode lhe dar algo novo para falar.

Lembre-se de que as pessoas que vão a eventos sociais existem para serem sociais. Todos querem interagir e esperam encontrar alguém novo e interessante.

Observe que no exemplo acima, você faria muitas perguntas à outra pessoa. Isso ajuda a mostrar interesse. Mas não faça apenas uma pergunta após a outra. É fundamental que você ouça o que a outra pessoa tem a dizer e responda de maneira apropriada. 

Além disso, tente não dominar a conversa. Todo mundo gosta de uma chance de falar e ser ouvido. Seu novo conhecido não é exceção. Isso pode significar não entrar em grandes detalhes sobre o seu conhecimento sobre horários de trens ou invertebrados. Tente manter a conversa centrada nas coisas que você provavelmente tem em comum. 

Finalmente, você não precisa concordar com tudo o que a pessoa diz, mas evite entrar em debates acalorados. Discutir tópicos neutros e não controversos é uma boa regra a seguir para um novo conhecido ou para o desenvolvimento de uma amizade.

Não se esqueça de higiene pessoal

A maioria das pessoas não quer estar perto de alguém que cheira mal, usa roupas sujas ou tem os dentes cobertos de placa bacteriana. Isso não é porque eles são superficiais; é porque ser limpo e organizado mostra que uma pessoa é responsável, conscienciosa e tem orgulho de si mesma. 

Certifique-se, quando estiver em público, de tomar banho de chuveiro, usar desodorante e de ter uma aparência geral limpa. Uma coisa é estar suado se você vem da academia; outra é andar assim o dia todo. Além disso, verifique-se após as refeições para ter certeza de que não há molho de churrasco no rosto ou milho preso nos dentes. E quando se trata de comer em público, preste atenção em manter uma boa educação! 

Ser seguro

Além de ser emocionalmente arriscado (todos temem ser rejeitados), conhecer novas pessoas também traz consigo uma preocupação com a segurança. Infelizmente, existem pessoas no mundo que se aproveitam das outras. 

Sempre que conhecer alguém novo, a segurança deve ser uma prioridade. 

Reunir-se em espaços públicos, como um restaurante ou museu, é uma boa ideia para conhecer alguém e desenvolver um vínculo de confiança. Além disso, quando uma amizade começa, se algo não parecer certo, pare e pense no que está fazendo você parar. Você pode dizer não!

  • A pessoa está sempre pedindo dinheiro emprestado?
  • A pessoa deseja se encontrar apenas em seus termos?
  • A pessoa está brigando muito com você ou exigindo comportamentos que deixam você desconfortável demais?
  • Você está sendo pressionado a fazer coisas com as quais não se sente confortável?
  • Pede fotos de nudes e você não quer fazer isso?

Fale com a outra pessoa sobre o seu desconforto. Quando necessário, busque o conselho de outros amigos, familiares ou de sua terapeuta.

Se está com muitas dificuldades em colocar em prática estas condutas, é melhor procurar ajuda profissional com psicoterapeutas especialistas em Transtorno do Espectro Autista, será muito bom para ajudá-lo (a).

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial e diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos online ou presencial.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

DIAGNÓSTICO DE DEPENDÊNCIA A INTERNET

O diagnóstico de dependência a internet está ganhando força no campo da saúde mental – e recentemente adicionado ao Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×