CASAMENTO COM PESSOAS AUTISTAS E SUAS CONSEQUENCIAS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Autor: Tony Attwood

Existem muitas qualidades associadas ao autismo que são atraentes para um parceiro em potencial. A pessoa pode ser atenciosa, informada, criativa, gentil, carinhosamente imatura, fisicamente atraente, quieta e inexperiente em relacionamentos românticos. Pode haver compaixão por suas habilidades sociais ingênuas e por terem sido provocadas e intimidadas na escola.

O parceiro autista em potencial é frequentemente apreciado por ser previsível, honesto e confiante em suas opiniões, talvez com interesses em comum e uma carreira admirada. Eles podem ter características semelhantes a um dos pais do parceiro neurotípico, de modo que são fluentes na língua e na cultura do autismo.

Nos estágios iniciais do relacionamento, a profundidade das características do autismo pode ser suprimida de forma que o parceiro neurotípico não esteja totalmente ciente do autismo do parceiro, antecipando um relacionamento convencional e satisfatório. Se o autismo for reconhecido ou revelado, pode haver a suposição de que o amor proporcionará a compreensão mútua e as acomodações dentro do relacionamento.

A experiência clínica e a pesquisa identificaram que tanto homens quanto mulheres autistas podem desenvolver um mecanismo compensatório de camuflagem de dificuldades sociais e interpessoais no estágio romântico inicial do relacionamento. Eles podem ter adquirido o que parece ser uma experiência em ser um parceiro ideal ao assistir a filmes românticos que forneceram um roteiro e um papel que tem sucesso em cativar seu parceiro. Essa capacidade de agir neurotípico, de camuflar o autismo e usar uma variedade de scripts e papéis também pode ser usada com sucesso no trabalho e em ambientes sociais com amigos, tornando-se um ‘camaleão’. No entanto, quando moram juntos na privacidade de casa, o parceiro vivencia a pessoa real por trás da máscara, pois a camuflagem não dura para sempre.

A pessoa autista pode sentir-se atraída por alguém com experiência social excepcional e empatia por suas dificuldades sociais, compreendendo sua confusão e sendo oprimido em situações sociais e o consequente esgotamento e necessidade de solidão. O parceiro autista pode reconhecer que precisa e buscar ativamente um parceiro que possa ser um mentor social e ‘tradutor’ da perspectiva autista para amigos e familiares, e não critica seu parceiro por ser socialmente ingênuo ou ‘desajeitado’. Eles podem perceber que estão dando continuidade a muitas das funções de suporte social e emocional anteriormente fornecidas pelos pais.

Depois de vários anos morando juntos, o casal pode descobrir que o relacionamento não está se desenvolvendo como previsto inicialmente. Pode haver uma sensação de luto pela evasiva parceria convencional e recíproca que um dia esperaram. 

Para o parceiro neurotípico, características autistas que eram cativantes no início do relacionamento, como ser ávido colecionador de modelos de trens, tornam-se posteriormente fonte de conflito quanto ao tempo e dinheiro dedicados ao interesse.

O otimismo inicial de que seu parceiro mudará gradualmente e se tornará mais emocionalmente solidário e socialmente habilidoso pode se transformar em desespero; as habilidades sociais parecem estáticas devido à motivação limitada para serem mais sociáveis, ou requerem orientação constante do parceiro.

O parceiro autista precisa de períodos de isolamento social em casa para se recuperar dos aspectos sociais do trabalho, e o contato social conjunto com amigos e família pode diminuir lentamente. Gradualmente, o parceiro neurotípico concorda relutantemente em reduzir a frequência e a duração do contato social para o bem de seu parceiro e, lentamente, absorve as características do autismo em sua própria personalidade e estilo de vida.

Um problema significativo para o parceiro neurotípico pode ser uma sensação de solidão dentro do relacionamento. Em contraste, o parceiro autista pode se contentar com sua própria companhia por longos períodos de tempo – sozinho, mas não solitário. As conversas do ponto de vista do parceiro neurotípico podem ser infrequentes e superficiais, mas do ponto de vista do parceiro autista, são satisfatórias e, principalmente, uma troca de informações, em vez de desfrutar da companhia um do outro e compartilhar experiências.

Existe uma expectativa em um relacionamento de expressões regulares de amor, afeto, apoio emocional e sexo. O que pode faltar na relação autista com uma pessoa neurotípica são aquelas palavras e gestos diários de afeto, compaixão, elogios, apoio emocional e sexo com regularidade.

A ausência desses aspectos de um relacionamento pode ser um fator que contribui para a baixa autoestima e depressão clínica para o parceiro neurotípico que se sente preso ou capturado no relacionamento. 

Por ter autismo, o parceiro autista pode não ser capaz de reconhecer e saber intuitivamente como responder à comunicação não-verbal sutil de necessidades emocionais e práticas, e pode sentir que tudo o que eles dizem ou fazem nunca é suficiente para fazer o parceiro sentir feliz. Eles continuam errando sem querer, sentem-se excessivamente magoados e injustificadamente criticados e rejeitados, buscando isolamento.

A habilidade de ler comunicação não verbal sutil e pistas contextuais para determinar o que alguém está pensando e sentindo, Teoria da Mente, é prejudicada para crianças e adultos autistas. No entanto, o parceiro neurotípico pode ter uma Teoria de uma Mente Autista prejudicada. Ou seja, eles têm dificuldade em perceber ou determinar o que a pessoa autista está pensando e sentindo ao ler sua expressão facial e linguagem corporal; isso ocorre porque os adultos autistas geralmente têm um ‘vocabulário’ limitado de expressões faciais, gestos e prosódia. 

Outra característica do autismo é a alexitimia, ou seja, ter considerável dificuldade para converter pensamentos e emoções em linguagem coloquial, o que inibe a revelação de pensamentos e sentimentos no relacionamento. 

Por isso, a dinâmica e o estresse no relacionamento mudarão inevitavelmente com a chegada dos filhos, apresentando novas responsabilidades e fontes de conflito, como diferentes estilos parentais. 

O relacionamento pode chegar a um ponto de ruptura. O parceiro autista terá menos acesso às suas estratégias de gerenciamento de estresse, como a solidão ou seu interesse especial, que é uma fonte de prazer, relaxamento e um bloqueador de pensamento eficaz. 

O relacionamento pode estar se deteriorando, com expressões de desespero, críticas, cobranças e raiva para ambos os parceiros que não sabem o que fazer para apoiar e reparar o relacionamento.

Portanto, a saída é Terapia Individual para cada parceiro ou Terapia de Casal se a dupla chegar a um consenso de que podem trabalhar os conflitos do relacionamento juntos.

As consequências do casal não procurar ajuda é o agravamento da saúde mental de ambos os parceiros, e se tiverem filhos isso também contribui para o funcionamento adoecido nas relações com a prole, levando a sérios prejuízos afetivos em todos os elementos da família.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Autismo, oferece psicoterapia online individual ou para casal de parceiros com autismo.

Entre em contato pelo WhatsApp (13) 991773793 para agendar sua consulta.

O atendimento é realizado em conformidade com as normas do Conselho Federal de Psicologia e Lei Geral de Proteção de Dados, em plataforma de Telessáude com segurança de dados sensíveis, sigilo ético e criptografia.

Os temas abordados na psicoterapia comportamental cognitiva online ou presencial serão:

  • Qualidades do relacionamento nos estágios iniciais e atualmente
  • Sinais de que o relacionamento não é o esperado para ambos os parceiros
  • Expressões de amor e apoio no relacionamento
  • A comunicação de pensamentos e emoções
  • Gerenciando estresse, ansiedade e raiva
  • Intimidade verbal, emocional e física
  • Sexualidade e afeto
  • Trabalho em equipe e responsabilidades familiares
  • Cuidando dos filhos
  • Cuidando das tarefas em casa
  • Projeto de futuro juntos
  • Melhor seguirmos em frente sozinhos, elaboração da separação conjugal

Fonte: www.tonyattwood.com.au

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

ADOLESCER NA CONTEMPORANEIDADE

Adolescer na contemporaneidade é adolescer sem a ideologia clamada por Cazuza, nos anos oitenta, é adolescer diante de uma crise generalizada da figura paterna, é

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×