AUTOMUTILAÇÃO, AUTOAGRESSÃO, FERIR-SE OU COMPORTAMENTO DE CUTTING

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

O fenômeno da automutilação, autoagressão, ferir-se ou comportamento de cutting é um transtorno mental manifestado em pequenos cortes pelo corpo. É diferente de tentativa de suicídio, mas a automutilação deve ser sempre tratada como uma demonstração de tristeza. Estes comportamentos podem ser encontrados em adolescentes que estão em estados de depressão, isolamento, não conseguem lidar com afetos de raiva, ódio e frustrações e acabam se cortando para aliviar as tensões emocionais que não podem ser elaboradas e pensadas.

A vida pode ser angustiante e, às vezes, nossas emoções podem ser esmagadoras e difíceis de administrar.

Para algumas pessoas, a única maneira de lidar com esses sentimentos é infligir danos a eles mesmos. Isso é conhecido como autoagressão.

Há muitas razões pelas quais alguém pode se auto agredir, embora muitas vezes esteja ligados a ansiedade, a depressão e a traumas passados.

Embora a automutilação possa estar associada a sentimentos suicidas, ela geralmente tem outras funções. Por exemplo, alguém pode se autoagredir para se punir por certos pensamentos ou comportamentos, para comunicar sofrimento insuportável, para reduzir sua dor emocional concentrando-se na dor física, ou como para se sentirem vivos precisam ser entorpecidos pela dor dos ferimentos do que enfrentar a dor interna dos afetos.

Algumas formas de autoagressão incluem:

  • Cortar ou ferir a pele (barriga, os braços e ou pernas) utilizando objetos cortantes ou pontiagudos (faca, canivete, vidro, gilete, estilete, etc) ou coçar severamente a sua pele até ferir.
  • Queimar ou escaldar a pele com água quente
  • Bater com a cabeça na parede ou em objetos
  • Perfurar objetos ou atirar o corpo contra paredes e objetos duros
  • Colocar objetos na pele
  • Impedir a cicatrização de feridas, provocando sempre mais ferimentos nos machucados
  • Tomar overdoses com comprimidos ou drogras, abuso de álcool ou ingerir produtos químicos tóxicos

Apesar da autoflagelação, autoagressão possa oferecer-lhe algum alívio breve, ela não altera nem resolve nenhum dos seus problemas e, em vez disso, pode danificar seu corpo e fazer com que você se sinta culpado, envergonhado e até mais baixo do que sentiu antes.

Embora você possa não ter sentimentos suicidas, a automutilação está fortemente relacionada ao suicídio, com mais da metade das pessoas que morrem de suicídio com história prévia de autoagressão.

A terapia também pode ajudá-lo muito a superar esse problema, identificando e trabalhando as questões psicológicas subjacentes que o tornam vulnerável à autoagressão, e ensinando novas estratégias de enfrentamento eficazes para administrar seus sentimentos, de modo que a automutilação não pareça mais com o problema.

Quais terapias podem ajudar?

  • Terapia Comportamental Cognitiva
  • Psicanálise Psicodinâmica

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora