Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

É importante compreender como as crianças e jovens são vítimas de cyberbullying para que isso possa ser facilmente reconhecido e medidas possam ser tomadas. 

Algumas das táticas de cyberbullying mais comuns incluem:

  • Postar comentários ou rumores sobre alguém online que sejam maldosos, ofensivos ou constrangedores.
  • Ameaçar machucar alguém ou mandar que se matem. 
  • Publicar uma foto ou vídeo maldoso ou prejudicial. 
  • Fingir ser outra pessoa online para solicitar ou publicar informações pessoais ou falsas sobre outra pessoa. 
  • Publicar nomes, comentários ou conteúdo maldosos ou odiosos sobre qualquer raça, religião, etnia ou outras características pessoais online.
  • Criar uma página da Web maldosa ou prejudicial sobre alguém. 
  • Doxing, uma forma abreviada da palavra documentos, é uma forma de assédio online usada para se vingar e para ameaçar e destruir a privacidade de indivíduos, tornando suas informações pessoais públicas, incluindo endereços, previdência social, cartão de crédito e números de telefone, links para contas de mídia social e outros dados privados.

Diferentes maneiras do cyberbullying

Como o cyberbullying pode acontecer de diferentes maneiras, exemplos baseados em experiências da vida real podem fornecer uma compreensão mais profunda das táticas normalmente usadas. Junto com outros fatores de risco, o bullying pode aumentar o risco de comportamentos relacionados ao suicídio. 

Além disso, o cyberbullying pode ser implacável, aumentando a probabilidade de ansiedade e depressão. Alguns estados optaram por processar os jovens que praticam bullying por assédio criminal, incluindo o incentivo a alguém a morrer por suicídio. Algumas formas de cyberbullying são formas de assédio que se transformam em atividades criminosas, e algumas táticas ocorrem em relacionamentos de namoro e podem se transformar em violência interpessoal. 

Muitos dos sinais de alerta de que o cyberbullying está ocorrendo ocorrem em torno do uso que uma criança faz do dispositivo. 

Alguns dos sinais de alerta de que uma criança pode estar envolvida em cyberbullying são:

  • Aumentos ou diminuições perceptíveis no uso do dispositivo, incluindo mensagens de texto.
  • Uma criança exibe respostas emocionais (risos, raiva, aborrecimento) ao que está acontecendo em seu dispositivo.
  • Uma criança esconde sua tela ou dispositivo quando outras pessoas estão por perto e evita discutir sobre o que ela está fazendo em seu dispositivo.
  • Contas de mídia social são fechadas ou novas contas aparecem.
  • A criança começa a evitar situações sociais, mesmo aquelas que eram desfrutadas no passado.
  • A criança fica retraída ou deprimida, ou perde o interesse pelas pessoas e atividades.

O que fazer quando acontece o cyberbullying

Se você notar sinais de alerta de que uma criança ou jovem e pode estar envolvida em cyberbullying, tome medidas para investigar o comportamento digital dessa pessoa.

O cyberbullying é uma forma de bullying e os adultos devem adotar a mesma abordagem para lidar com isso: apoiar a criança ou jovem que está sofrendo bullying, abordar o comportamento de bullying de um participante e mostrar às crianças que o cyberbullying é levado a sério.

Como o cyberbullying acontece online, responder a ele requer abordagens diferentes. 

O fenômeno do efeito contágio na mídia não é novo, mas muito atual. No Brasil a mídia é a terceira maior causa de suicídio em jovens de 15 a 29 anos, e um grave problema de saúde pública.

Em função dos mais recentes sucessos das séries 13 Reasons Why e Euphoria, que descrevem o bullying/cyberbullying, o suicídio e comportamentos autodestrutivos de forma curiosamente descuidada, sem nenhuma orientação e respaldo para as pessoas intimidadas buscarem ajuda.

Aponto como urgente a necessidade de normatização informativa positiva, acolhedora da produção e distribuição dessas mensagens nos meios de comunicação social brasileiros, que venham a contemplar os diversos gêneros audiovisuais e, sobretudo, os novos suportes de veiculação caracterizados por orientação de cuidados para os pais/escola/pessoas intimidadas, informações de apoio, esclarecimentos e onde procurar ajuda para estes casos.

Se você acha que uma criança ou jovem está envolvida em cyberbullying, há várias coisas que você pode fazer:

  1. Aviso – Reconheça se houve uma mudança no humor ou comportamento e explore qual pode ser a causa. Tente determinar se essas mudanças acontecem em torno do uso que uma criança faz de seus dispositivos digitais.
  2. Fale – Faça perguntas para saber o que está acontecendo, como começou e quem está envolvido.
  3. Documento – Mantenha um registro do que está acontecendo e onde. Faça capturas de tela de postagens ou conteúdos prejudiciais, se possível. A maioria das leis e políticas observam que o bullying é um comportamento repetido, portanto, os registros ajudam a documentá-lo.
  4. Relatório – a maioria das plataformas de mídia social e escolas têm políticas e processos de relatórios claros. Se um colega de classe pratica cyberbullying, denuncie à escola. 
  5. Plataforma SaferNet Você também pode entrar em contato com plataformas de aplicativos ou redes sociais para relatar conteúdo ofensivo e removê-lo. Se uma criança recebeu ameaças físicas, ou se um crime potencial ou comportamento ilegal está ocorrendo, denuncie à polícia.
  6. Apoio – colegas, mentores e adultos de confiança podem, às vezes, intervir publicamente para influenciar positivamente uma situação em que conteúdo negativo ou prejudicial é postado sobre uma criança. A intervenção pública pode incluir a postagem de comentários positivos sobre a pessoa alvo do bullying para tentar mudar a conversa para uma direção positiva. Também pode ajudar a estender a mão para a criança que está fazendo bullying e o alvo do bullying para expressar sua preocupação. Se possível, tente determinar se mais apoio profissional é necessário para os envolvidos, como falar com um orientador ou profissional de saúde mental. 

Ajuda para bullying e ciberbullying na plataforma da Safernet:

A SaferNet Brasil oferece um serviço de orientação sobre crimes e violações dos Direitos Humanos na internet, de forma anônima e sigilosa.

A equipe da SaferNet é formada por profissionais especializados para orientar sobre como prevenir algumas violências online, o que fazer para denunciar e, quando possível, facilitar a identificação de instituições de saúde e/ou socioassistenciais que possam realizar um atendimento presencial o mais próximo possível da sua cidade/região.

Entre em contato: https://new.safernet.org.br/helpline

Fonte: https://www.stopbullying.gov/bullying/what-is-bullying

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×