BULLYING, CYBERBULLYING: CAUSAS, CONSEQUÊNCIAS, INTERVENÇÕES, AJUDA E PREVENÇÃO

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

O que é bullying?

O bullying é um comportamento indesejado e agressivo entre crianças em idade escolar que envolve um desequilíbrio de poder real ou percebido. O comportamento se repete, ou tem potencial para se repetir, ao longo do tempo.

Tanto as crianças e ou jovens que sofrem bullying quanto as outras podem ter problemas sérios e duradouros.

O que é cyberbullying?

O cyberbullying é o bullying que ocorre em dispositivos digitais como telefones celulares, computadores e tablets. O cyberbullying pode ocorrer por meio de SMS, texto e aplicativos, ou online em mídias sociais, fóruns ou jogos onde as pessoas podem ver, participar ou compartilhar conteúdo.

O cyberbullying inclui enviar, postar ou compartilhar conteúdo negativo, prejudicial, falso ou maldoso sobre outra pessoa. Pode incluir o compartilhamento de informações pessoais ou privadas sobre outra pessoa, causando constrangimento ou humilhação.

Alguns cyberbullying ultrapassam os limites do comportamento ilegal ou criminoso.

Os locais mais comuns onde ocorre o cyberbullying são:

  • Mídia social, como Facebook, Instagram, Snapchat e Tik Tok
  • Aplicativos de mensagens de texto e mensagens em dispositivos móveis ou tablets
  • Mensagens instantâneas, mensagens diretas e bate-papo online pela Internet
  • Fóruns online, salas de chat e quadros de mensagens, como o Reddit
  • E-mail
  • Comunidades de jogos online

Preocupações Especiais

Com a prevalência da mídia social e dos fóruns digitais, comentários, fotos, postagens e conteúdo compartilhado por indivíduos podem frequentemente ser vistos por estranhos e também por conhecidos.

O conteúdo que um indivíduo compartilha online – tanto seu conteúdo pessoal quanto qualquer conteúdo negativo, maldoso ou prejudicial – cria uma espécie de registro público permanente de suas opiniões, atividades e comportamento. Esse registro público pode ser considerado uma reputação online, que pode ser acessível a escolas, empregadores, faculdades, clubes e outros que possam pesquisar um indivíduo agora ou no futuro.

O cyberbullying pode prejudicar a reputação online de todos os envolvidos – não apenas da pessoa que está sofrendo bullying, mas daqueles que fazem o bullying ou participam dele.

O cyberbullying tem preocupações únicas, pois pode ser:

  1. Persistente – os dispositivos digitais oferecem a capacidade de se comunicar imediata e continuamente 24 horas por dia, portanto, pode ser difícil para as crianças que estão enfrentando o cyberbullying encontrar alívio.
  2. Permanente – a maioria das informações comunicadas eletronicamente é permanente e pública, se não for relatada e removida. Uma reputação online negativa, inclusive para quem faz bullying, pode afetar as admissões em faculdades, o emprego e outras áreas da vida.
  3. Difícil de notar – como os professores e pais podem não ouvir ou ver o cyberbullying acontecendo, é mais difícil de reconhecer.

Ajuda para bullying e ciberbullying na plataforma da Safernet:

A SaferNet Brasil oferece um serviço de orientação sobre crimes e violações dos Direitos Humanos na internet, de forma anônima e sigilosa.

A equipe da SaferNet é formada por profissionais especializados para orientar sobre como prevenir algumas violências online, o que fazer para denunciar e, quando possível, facilitar a identificação de instituições de saúde e/ou socioassistenciais que possam realizar um atendimento presencial o mais próximo possível da sua cidade/região.

Entre em contato: https://new.safernet.org.br/helpline

Para ser considerado bullying, o comportamento deve ser agressivo e incluir:

  1. Um desequilíbrio de poder: crianças que fazem bullying usam seu poder – como força física, acesso a informações embaraçosas ou popularidade – para controlar ou prejudicar outras pessoas. Os desequilíbrios de poder podem mudar com o tempo e em diferentes situações, mesmo que envolvam as mesmas pessoas.
  2. Repetição: os comportamentos de bullying acontecem mais de uma vez ou têm potencial para acontecer mais de uma vez.
  3. O bullying inclui: ações como fazer ameaças, espalhar boatos, atacar alguém física ou verbalmente e excluir alguém de um grupo propositalmente.

Três tipos de bullying:

1.Bullying verbal é dizer ou escrever coisas maldosas. O bullying verbal inclui:

  • Provocando
  • Xingamentos
  • Comentários sexuais inapropriados
  • Provocação
  • Ameaçando causar danos

2.Bullying social também às vezes referido como bullying relacional, envolve ferir a reputação ou os relacionamentos de alguém. O bullying social inclui:

  • Deixando alguém de fora de propósito
  • Dizendo a outras crianças para não serem amigas de alguém
  • Espalhar rumores sobre alguém
  • Constrangendo alguém em público

3.Bullying físico envolve ferir o corpo ou os bens de uma pessoa. O bullying físico inclui:

  • Bater / chutar / beliscar
  • Cuspindo
  • Tropeçar / empurrar
  • Pegar ou quebrar as coisas de alguém
  • Fazendo gestos maldosos ou rudes com as mãos

Onde e quando o bullying acontece?

O bullying pode ocorrer durante ou após o horário escolar. Embora a maior parte do bullying relatado aconteça no prédio da escola, uma porcentagem significativa também ocorre em locais como o parquinho ou o ônibus. Também pode acontecer em viagens de ida e volta para a escola, na vizinhança dos jovens ou na internet.

Os papéis que as crianças desempenham no bullying

Existem muitos papéis que as crianças podem desempenhar. As crianças podem intimidar outras pessoas, podem ser intimidadas ou podem ser vítimas de intimidação. Quando as crianças estão envolvidas em bullying, geralmente desempenham mais de um papel. Às vezes, as crianças podem ser intimidadas e intimidar outras pessoas ou podem testemunhar outras crianças sendo intimidadas. É importante compreender as múltiplas funções que as crianças desempenham para prevenir e responder eficazmente ao bullying.

Importância de não rotular crianças

Ao se referir a uma situação de bullying, é fácil chamar as crianças que intimidam os outros de “valentões” e os que são alvos de “vítimas”, mas isso pode ter consequências indesejadas.

Quando as crianças são rotuladas como “agressores” ou “vítimas”, isso pode:

  • Envie a mensagem de que o comportamento da criança não pode mudar
  • Deixar de reconhecer os múltiplos papéis que as crianças podem desempenhar em diferentes situações de bullying
  • Desconsidere outros fatores que contribuem para o comportamento, como a influência dos colegas ou o clima escolar

Em vez de rotular as crianças envolvidas, concentre-se no comportamento. Por exemplo:

  • Em vez de chamar uma criança de “agressor”, refira-se a ela como “a criança que intimidou”
  • Em vez de chamar uma criança de “vítima”, refira-se a ela como “a criança que sofreu bullying”
  • Em vez de chamar uma criança de “agressor / vítima”, refira-se a ela como “a criança que foi intimidada e intimidou outras pessoas”.

Crianças Envolvidas em Bullying

Os papéis que as crianças desempenham no bullying não se limitam àqueles que intimidam os outros e aos que são vítimas de bullying.

Alguns pesquisadores falam sobre o “círculo do bullying” para definir tanto aqueles que estão diretamente envolvidos no bullying quanto aqueles que ativamente ou passivamente auxiliam o comportamento ou se defendem dele. As funções diretas incluem:

  • Crianças que intimidam: essas crianças se envolvem em comportamentos de intimidação em relação aos colegas. Existem muitos fatores de risco que podem contribuir para o envolvimento da criança no comportamento. Frequentemente, esses alunos precisam de apoio para mudar seu comportamento e enfrentar quaisquer outros desafios que possam estar influenciando seu comportamento.
  • Crianças que sofrem bullying: essas crianças são alvo de comportamentos de bullying. Alguns fatores colocam as crianças em maior risco de sofrer bullying, mas nem todas as crianças com essas características serão vítimas de bullying. Às vezes, essas crianças podem precisar de ajuda para aprender como reagir ao bullying.

Mesmo que uma criança não esteja diretamente envolvida no bullying, ela pode estar contribuindo para o comportamento. Testemunhar o comportamento também pode afetar a criança, por isso é importante que ela aprenda o que fazer quando vir o bullying acontecer.

Os papéis que as crianças desempenham quando testemunham o bullying incluem:

  • Crianças que ajudam: essas crianças podem não iniciar o bullying ou liderar o comportamento de bullying, mas servem como um “assistente” para as crianças que fazem bullying. Essas crianças podem encorajar o comportamento de intimidação e, ocasionalmente, participar.
  • Crianças que reforçam: essas crianças não estão diretamente envolvidas no comportamento de bullying, mas dão ao bullying uma audiência. Frequentemente, eles riem ou dão apoio às crianças que estão praticando bullying. Isso pode encorajar o bullying a continuar.
  • Pessoas de fora: essas crianças permanecem separadas da situação de bullying. Eles não reforçam o comportamento de intimidação nem defendem a criança sendo intimidada. Alguns podem observar o que está acontecendo, mas não fornecem feedback sobre a situação para mostrar que estão do lado de ninguém. Mesmo assim, colaborar uma audiência pode encorajar o comportamento de intimidação. Muitas vezes, essas crianças querem ajudar, mas não sabem como. Aprenda a ser “mais do que um espectador”.
  • Crianças que defendem: essas crianças consolam ativamente a criança que está sofrendo bullying e podem vir em sua defesa quando ocorre o bullying.

A maioria das crianças desempenha mais de um papel no bullying ao longo do tempo. Em alguns casos, eles podem estar diretamente envolvidos no bullying como aquele que intimida outras pessoas ou sendo intimidados e, em outros, podem testemunhar o bullying e desempenhar um papel de assistência ou defesa. Cada situação é diferente.

Algumas crianças são intimidadas e intimidam outras pessoas. É importante observar as múltiplas funções que as crianças desempenham, porque:

  • Aqueles que são intimidados e intimidam os outros podem estar em maior risco de resultados negativos, como depressão ou ideação suicida.
  • Ele destaca a necessidade de envolver todas as crianças nos esforços de prevenção, não apenas aquelas que são conhecidas por estarem diretamente envolvidas.

Por que alguns jovens são considerados os “valentões”

Crianças e adolescentes que se sentem seguros e apoiados por sua família, escola e colegas são menos propensos a intimidar. No entanto, alguns jovens não têm esse tipo de apoio.

Cada indivíduo é único e existem muitos fatores que podem contribuir para o comportamento de intimidação.

Um jovem que faz bullying pode experimentar um, vários ou nenhum desses fatores contribuintes.

Fatores de pares

Um jovem agressor pode ter as seguintes razões:

  • Alcançar ou manter o poder social ou para elevar seu status no grupo de pares.
  • Mostrar sua lealdade e se encaixar com seu grupo de pares.
  • Excluir outras pessoas de seu grupo de pares, para mostrar quem é e quem não faz parte do grupo.
  • Controlar o comportamento de seus pares.

Fatores familiares

Alguns jovens que intimidam:

  • Vêm de famílias onde há bullying, agressão ou violência em casa.
  • Podem ter pais e cuidadores que não fornecem suporte emocional ou comunicação.
  • Podem ter pais ou cuidadores que respondem de forma autoritária ou reativa.
  • Pode vir de famílias onde os adultos são excessivamente tolerantes ou onde há baixo envolvimento dos pais em suas vidas.

Fatores emocionais

Alguns jovens que intimidam:

  • Pode ter sido intimidado no passado ou atualmente.
  • Apresentam sentimentos de insegurança e baixa autoestima, então intimidam para se sentirem mais poderosos.
  • Não entendo as emoções dos outros.
  • Não sabem como controlar suas emoções, então descontam seus sentimentos em outras pessoas.
  • Pode não ter habilidades para lidar com situações sociais de maneira saudável e positiva.

Fatores escolares

Alguns jovens que intimidam:

  • Pode ser em escolas onde problemas de conduta e bullying não são tratados de forma adequada.
  • Pode ser excluído, não aceito ou estigmatizado na escola.

Todos os jovens envolvidos no bullying – como alvo, espectador ou como quem pratica o bullying – podem se beneficiar do apoio de um adulto, da escola e da comunidade. Os jovens que praticam o bullying também podem precisar de apoio para ajudá-los a lidar com seu comportamento.

Pais, conselheiros escolares, professores e profissionais de saúde mental podem trabalhar com os jovens que praticam o bullying para ajudá-los a desenvolver uma escola saudável e conexões com os colegas e a aprender novas habilidades sociais e emocionais.

Se você intimidou seus colegas, peça ajuda a um adulto de confiança. O bullying é um comportamento que pode ser alterado.

Quem está em risco

Nenhum fator isolado coloca uma criança em risco de ser intimidada ou intimidar outras pessoas.

O bullying pode acontecer em qualquer lugar – cidades, subúrbios ou vilas rurais.

Dependendo do ambiente, alguns grupos religiosos, étnicos, origem nacional (por exemplo: nordestinos), lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros ou jovens questionadores LGBTQIA+, jovens com deficiência e jovens socialmente isolados – podem correr um risco maior de sofrer bullying.

Crianças sob risco de sofrer bullying

Geralmente, as crianças que sofrem bullying têm um ou mais dos seguintes fatores de risco:

  • São percebidos como diferentes de seus colegas, como estar acima do peso ou abaixo do peso, usar óculos ou roupas diferentes, ser novo na escola ou não ter condições de pagar o que as crianças consideram “legal”.
  • São percebidos como fracos ou incapazes de se defender.
  • Estão deprimidos, ansiosos ou com baixa autoestima.
  • São menos populares do que outros e têm poucos amigos.
  • Não se dê bem com os outros, visto como irritante ou provocador, ou antagonize os outros para chamar a atenção.

No entanto, mesmo que uma criança tenha esses fatores de risco, isso não significa que será intimidada.

Crianças com maior probabilidade de intimidar outras pessoas

Existem dois tipos de crianças que são mais propensas a intimidar outras pessoas:

  • Alguns são bem conectados com seus colegas, têm poder social, são excessivamente preocupados com sua popularidade e gostam de dominar ou estar no comando dos outros.
  • Outros estão mais isolados de seus colegas e podem estar deprimidos ou ansiosos, ter baixa autoestima, estar menos envolvidos na escola, ser facilmente pressionados pelos colegas ou não se identificar com as emoções ou sentimentos dos outros.

Crianças com esses fatores também têm maior probabilidade de intimidar outras pessoas:

  • São agressivos ou se frustram facilmente
  • Ter menos envolvimento dos pais ou ter problemas em casa
  • Pensar mal dos outros
  • Tem dificuldade em seguir as regras
  • Veja a violência de uma forma positiva
  • Ter amigos que intimidam os outros

Lembre-se: aqueles que intimidam os outros não precisam ser mais fortes ou maiores do que aqueles que intimidam. O desequilíbrio do poder pode vir de várias fontes – popularidade, força, capacidade cognitiva – e as crianças que fazem bullying podem ter mais de uma dessas características.

Sinais de alerta para bullying

Existem muitos sinais de alerta que podem indicar que alguém é afetado pelo bullying – seja sendo intimidado ou intimidando outras pessoas. Reconhecer os sinais de alerta é um primeiro passo importante para tomar medidas contra o bullying. Nem todas as crianças que são vítimas de bullying ou intimidam outras pessoas pedem ajuda.

É importante conversar com crianças que mostram sinais de estarem sendo intimidadas ou intimidando outras pessoas. Esses sinais de alerta também podem apontar para outros problemas ou problemas, como depressão ou abuso de substâncias. Conversar com a criança pode ajudar a identificar a raiz do problema.

Sinais de que uma criança está sendo intimidada

Procure mudanças na criança. No entanto, esteja ciente de que nem todas as crianças que são vítimas de bullying exibem sinais de alerta.

Alguns sinais que podem apontar para um problema de bullying são:

  • Lesões inexplicáveis
  • Roupas, livros, eletrônicos ou joias perdidas ou destruídas
  • Dores de cabeça ou de estômago frequentes, sensação de enjoo ou fingimento de alguma doença para não ir à escola.
  • Mudanças nos hábitos alimentares, como pular refeições repentinamente ou comer compulsivamente. As crianças podem voltar da escola com fome porque não almoçaram.
  • Podem voltar da escola e ficarem trancadas no quarto chorando aparentemente sem motivos evidentes.
  • Dificuldades para dormir ou ter pesadelos frequentes.
  • Notas em declínio, perda de interesse nos trabalhos escolares ou não ter mais vontade de ir à escola.
  • Perda repentina de amigos ou evitação de situações sociais.
  • Sentimento de impotência ou diminuição da autoestima.
  • Comportamentos autodestrutivos, como fugir de casa, fazer mal a si próprios ou falar sobre suicídio.

Se você conhece alguém em grave perigo ou angústia, não ignore o problema.

Procure ajuda imediatamente com uma profissional psicólogo(a). A Psicóloga Marina Almeida atende casos de adolescentes e crianças que sofreram Bullying ou Cyberbullying. O atendimento é particular e psicoterapia presencial. Agende uma consulta pelo Whatsapp (13) 991773793.

Observe alguns sinais de que uma criança ou adolescente está intimidando outras pessoas.

As crianças ou jovens podem intimidar outras pessoas se:

  • Entre em lutas físicas ou verbais
  • Ter amigos que intimidam os outros
  • Estão cada vez mais agressivos
  • Seja mandado para o escritório do diretor ou para detenção com frequência
  • Têm dinheiro extra inexplicável ou novos pertences
  • Culpe os outros por seus problemas
  • Não aceite a responsabilidade por suas ações
  • São competitivos e se preocupam com sua reputação ou popularidade

Por que as crianças ou jovens não pedem ajuda?

Frequência de Bullying

As estatísticas dos Indicadores de Crime e Segurança Escolar de 2018 (EUA), mostram que apenas 20% dos incidentes de bullying escolar foram relatados. Indica que, em todo o país, cerca de 20% dos alunos de 12 a 18 anos sofreram bullying.

Em 2019, o Sistema de Vigilância de Comportamentos de Risco de Jovens (EUA), constatou que, em todo o país, 19,5% dos alunos da 9ª à 12ª série relataram ter sofrido bullying no ambiente escolar.

As crianças ou jovens não contam aos adultos por muitos motivos:

  • O bullying pode fazer a criança ou jovem se sentir desamparado. As crianças ou os jovens podem querer lidar com isso sozinhas para se sentirem no controle novamente. Eles podem temer ser vistos como fracos ou fofoqueiros.
  • As crianças ou jovens podem temer uma reação de retaliação ou ameaça mais cruel do outro que as intimidou.
  • O bullying pode ser uma experiência humilhante. As crianças ou jovens podem não querer que os adultos saibam o que está sendo dito sobre elas, seja verdadeiro ou falso. Eles também podem temer que os adultos os julguem ou os punam por serem fracos.
  • Crianças ou jovens que sofrem bullying podem já se sentir socialmente isoladas. Eles podem sentir que ninguém se importa ou poderia entender o que está acontecendo.
  • As crianças ou jovens podem temer ser rejeitadas por seus colegas. Os amigos podem ajudar a proteger as crianças do bullying, e as crianças podem temer perder esse apoio.

Efeitos do bullying

O bullying pode afetar a todos – aqueles que sofrem bullying, aqueles que fazem bullying e aqueles que testemunham o bullying.

O bullying está ligado a muitos resultados negativos, incluindo impactos na saúde mental, uso de substâncias lícitas ou ilícitas e ao suicídio. É importante conversar com as crianças ou jovens para determinar se o bullying – ou outra coisa – é uma preocupação.

Crianças ou jovens que são intimidadas

Crianças ou jovens que sofrem bullying podem ter problemas físicos, sociais, emocionais, acadêmicos e de saúde mental negativos.

Crianças e jovens que sofrem bullying são mais propensas a experimentar:

  • Depressão e ansiedade, aumento dos sentimentos de tristeza e solidão, mudanças nos padrões de sono e alimentação e perda de interesse nas atividades que costumavam desfrutar. Esses problemas podem persistir na idade adulta.
  • Queixas de saúde
  • Diminuição do desempenho acadêmico e participação escolar. É mais provável que comecem a faltar as aulas ou abandonem a escola.
  • Um número muito pequeno de crianças vítimas de bullying pode retaliar por meio de medidas extremamente violentas. Em 12 dos 15 casos de tiroteio em escolas na década de 1990, os atiradores tinham um histórico de intimidação.

Consequências de crianças e jovens que intimidam os outros

Crianças que intimidam outras pessoas também podem se envolver em comportamentos violentos e outros comportamentos de risco na idade adulta.

Crianças e jovens que fazem bullying são mais propensas a:

  • Abuso de álcool e outras drogas na adolescência e na idade adulta
  • Entre em brigas, vandalize propriedades e abandone a escola
  • Envolva-se na atividade sexual precoce
  • Tiver condenações criminais e citações de trânsito como adultos 
  • Seja abusivo com seus parceiros românticos, cônjuges ou filhos quando adultos

Espectadores que testemunham o bullying

Crianças ou jovens que testemunham bullying são mais propensas a:

  • Aumentaram o uso de tabaco, álcool ou outras drogas.
  • Aumentaram os problemas de saúde mental, incluindo depressão e ansiedade.
  • Faltar ou faltar à escola.
  • A relação entre bullying e suicídio.

Embora as crianças ou jovens que sofrem bullying corram o risco de suicídio, o bullying por si só não é a causa, mas aumenta a pressão emocional dos fatores psicológicos que já não estava muito bem.

Muitos problemas contribuem para o risco de suicídio, visto ter causas multifatoriais, incluindo depressão, problemas em casa e história de trauma.

Além disso, grupos socialmente excluídos têm um risco aumentado de suicídio, incluindo negros, índios, asiáticos, mulheres, lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (LGBTQIA+).

Esse risco pode aumentar ainda mais quando essas crianças e ou jovens não são sustentadas pelos pais, colegas e escolas. O bullying pode piorar uma situação sem apoio.

Bullying e Trauma

O bullying pode ter impactos duradouros em todos os envolvidos: a pessoa que está sofrendo bullying; transeuntes que testemunharam o bullying; e a pessoa que intimida os outros.

Na verdade, o bullying é considerado uma Experiencia Adversa na Infância. São eventos potencialmente traumáticos que podem ter efeitos negativos e duradouros no desenvolvimento de uma pessoa, na maneira como interagem com outras pessoas e no desempenho escolar.

Compreendendo o trauma

A Administração de Abuso de Substâncias e Serviços de Saúde Mental (SAMHSA) define trauma como: um resultado de um evento, série de eventos ou conjunto de circunstâncias que um indivíduo experimenta como física ou emocionalmente prejudiciais ou ameaçadoras à vida.

Essas experiências podem ter efeitos adversos duradouros no bem-estar mental, físico, social, emocional ou espiritual de uma pessoa.

O estresse pós-traumático ocorre quando eventos traumáticos sobrecarregam a capacidade de uma criança ou adolescente de lidar, como:

  • Negligência e abuso psicológico, físico ou sexual
  • Violência doméstica ou violência contra parceiro íntimo
  • Violência na comunidade e na escola (incluindo bullying e cyberbullying)
  • Desastres naturais
  • Terrorismo, guerra e experiências de refugiados
  • Acidentes graves, doenças com risco de vida ou perda repentina ou violenta de um ente querido
  • Estressores militares relacionados à família, como implantação, perda ou lesão dos pais

Embora cada criança possa reagir de maneira diferente ao trauma, os pais, responsáveis e professores podem ser capazes de reconhecer alguns sinais e estresse pós-traumático.

Por exemplo:

  • Crianças em idade pré-escolar podem ter pesadelos ou medo da separação.
  • Crianças do ensino fundamental podem sentir vergonha ou ansiedade, ou ter dificuldade de concentração.
  • Crianças no ensino fundamental e médio podem mostrar sinais de depressão ou se envolver em comportamentos de automutilação.
  • Sobreviventes de traumas infantis são mais propensos a ter problemas acadêmicos e maior envolvimento com o bem-estar infantil e os sistemas de justiça juvenil.

A conexão entre o bullying e o estresse pós-traumático

Cada indivíduo é diferente e os incidentes que traumatizam uma pessoa podem não afetar outra.

Algumas crianças que passam por traumas e bullying podem ter fortes sentimentos de angústia, enquanto outras crianças podem parecer insensíveis. Por exemplo, um estudo sobre o bullying e o estresse pós-traumático descobriram que algumas crianças podem reprimir seus pensamentos ou sentimentos sobre o que aconteceu. Isso pode causar dormência ou perda de interesse nas atividades.

Este estudo também descobriu que as crianças podem ter pensamentos intrusivos, como flashbacks repentinos de sua experiência de bullying. É importante que os cuidadores entendam como responder ao bullying e sejam sensíveis ao possível estresse traumático.

O que ajuda após o trauma causado pelo bullying

Pais, professores e outros adultos de confiança podem ajudar crianças ou adolescentes que sofrem de estresse traumático devido ao bullying.

Temos algumas abordagens que ajudam crianças e adolescentes que sofreram traumas, incluindo bullying, são:

  • Garantir a segurança da criança ou adolescente e buscar formas de prevenir futuras experiências de bullying
  • Conversando sobre o que aconteceu e por quê, para ajudar a esclarecer equívocos sobre seu papel no evento traumático
  • Ensinar técnicas de gerenciamento de estresse e relaxamento, para ajudá-los a lidar com
  • Algumas crianças e adolescentes também podem precisar de ajuda profissional psicológica para tratar o estresse relacionado ao bullying/cyberbullying ou outras experiências traumáticas

Como escolas e professores podem ajudar

As escolas podem adotar uma abordagem informada sobre o trauma, treinando professores e equipes para lidar e reconhecer o estresse pós-traumático ou outros sinais de trauma. Essas habilidades permitem que os professores ajudem ou encontrem outros apoios e serviços psicológicos para os alunos necessitados.

Esses incluem:

  • Educar funcionários da escola sobre trauma e seus efeitos
  • Promover a segurança física e emocional nos relacionamentos e no meio ambiente
  • Reduzindo os gatilhos relacionados ao trauma no ambiente escolar
  • Considerando o trauma em todas as avaliações e planos de comportamento de protocolo
  • Garantir que alunos e famílias tenham voz, escolha e autonomia
  • Ao adotar abordagens informadas sobre o trauma, as escolas podem ajudar a prevenir o bullying e o trauma na escola e fornecer uma cultura escolar positiva para alunos e funcionários.
  • As informações sobre bullying/cyberbullying são de importância para os pais, cuidadores, professores e escolas desempenham um papel importante na prevenção e abordagem do bullying/cyberbullying e seus efeitos prejudiciais.

Fonte: https://www.stopbullying.gov/bullying/what-is-bullying

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

O QUE É DEPRESSÃO E COMO BUSCAR AJUDA

Todos nós nos sentimos tristes e cansados ocasionalmente, seja em resposta a uma experiência perturbadora ou por nenhuma razão. No entanto, se você está se

DICAS PARA PAIS DE CRIANÇAS COM AUTISMO OU TEA

Seu filho(a) e ou irmão (a) antes de tudo é uma criança, ela não pode ser vista como se fosse apenas um diagnóstico de um Transtorno do Espectro Autístico – TEA porque isso não a define como pessoa. Muitos comportamentos de birras, pesadelos, estereotipias (balanço das mãos e do corpo), esquisitices, atitudes engraçadas, espontaneidade podem fazer parte de qualquer criança independente de ser TEA. A frequência e a intensidade destes comportamentos irão nos direcionar para modelagem adequada e cuidados apropriados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora