PSICANÁLISE, TERAPIA, PSICOTERAPIA QUAL A DIFERENÇA

Compartilhe

A psicoterapia e a terapia são termos bastante genéricos, assistentes sociais, coachings, conselheiros, esotéricos, terapeutas alternativos, psicólogos e psiquiatras podem ser chamados assim.

A Psicanálise é uma experiência que exige formação pessoal, profissional e investimento de muitos anos.

Um psicoterapeuta psicanalista tem que se submeter a sua própria análise pessoal durante anos, deverá ter supervisão com outro profissional e fazer parte de grupos de estudos psicanalíticos. Também para ser psicanalista há necessidade de realizar formação em Psicanálise e ter Graduação em Psicologia e ou Medicina.

O mesmo não é sempre verdadeiro para terapeutas e psicoterapeutas de outras formações – nem todos os psicoterapeutas passaram por sua própria terapia e ou tem graduação em Psicologia e ou Medicina.

Antes da psicoterapia, no entanto, havia a Psicanálise. Freud “inventou” o método psicanalítico, ou a “cura pela fala”, juntamente com seu amigo e mentor Breuer, um psiquiatra vienense, que trabalhou com mulheres histéricas.

Em seu trabalho com sua paciente Anna O., um pseudônimo para Bertha Pappenheim, uma das primeiras feministas, Breuer descobriu que depois que ela conseguiu falar sobre a origem de seus sintomas, eles desapareceram. Por isso, “a cura pela fala”.

Atualmente, a presunção de que falar tem poderes de cura alimenta muitas práticas ilícitas de psicoterapias alternativas ou sem base científica.

Então, qual é a diferença entre Psicanálise, terapia e psicoterapia?

Primeiro, a terapia ou psicoterapia lidam com o que chamamos de  ego, ou seja seu contato com o mundo externo. Em contraste, da psicoterapia psicanalítica que trata da demanda do  inconsciente, que são aquelas experiências que estão além da linguagem, fora de nossa consciência, a parte de nós que foi amplamente reprimida pela cultura, normas sociais, regras e regulamentos.

Em segundo lugar, os objetivos da Psicanálise e da terapia também são diferentes. 

A terapia tenta restaurar uma relação de pessoas com as normas e regulamentos sociais, enquanto a Psicanálise trabalha para restaurar o relacionamento de uma pessoa com sua vida, sexualidade, relações com as pessoas e com o mundo.

A terapia trabalha para fortalecer o ego, enquanto a Psicanálise trabalha para fortalecer a relação do sujeito com seu próprio inconsciente.

Os psicoterapeutas e terapeutas usam seu relacionamento com você, o cliente, para influenciar sua tomada de decisões, para ensinar estratégias de enfrentamento, mudar comportamentos ou pensamentos e modificar as formas como você se relaciona com os outros.

Os psicoterapeutas psicanalistas usam seu relacionamento com você para ajudá-lo a reorganizar a maneira como você se relaciona com você e seu corpo com todas as suas qualidades humanas.

O que acontece com seus relacionamentos depois é inteiramente uma conquista única sua!

Aqui no Instituto Inclusão Brasil, realizamos psicoterapia de base Psicanalítica.

Fonte: https://blogs.psychcentral.com

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

SÉRIES SOBRE AUTISMO

O Transtorno do Espectro Autista (TEA), conhecido como autismo, é um grupo de transtornos do neurodesenvolvimento de início precoce que são caracterizados por comprometimento nas habilidades sociais e comunicativas,

ENTENDENDO AS ESTEREOTIPIAS

Estas respostas tendem a atingir frequências altíssimas, afinal, cada ocorrência é automaticamente reforçada pela produção imediata de sensações físicas prazerosas. O grande problema gerado por esta alta frequência de comportamentos repetitivos é que, enquanto a criança está engajada nestas respostas, ela está respondendo apenas a estímulos internos de seu corpo e não ao ambiente externo, ou seja, ela está perdendo oportunidades de aprendizagem e interação social, que são fundamentais para o seu desenvolvimento e adaptação ao ambiente em que vive.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×