NAMORO OU CASAMENTO NEUROTÍPICOS E PESSSOA AUTISTA – Parte 1

Compartilhe

Segundo os psicólogos Tony Attwood e Michelle Garnett, parte do apelo inicial de namorar uma pessoa autista para uma pessoa neurotípica pode ser a sensação de que eles são diferentes, que têm uma mente que pode compreender uma complexidade surpreendente, são maravilhosamente atenciosos, têm profunda compaixão, são imparciais, são muito talentosos em sua área, extremamente leais ou diferentes de maneiras que são intrigantes, mas ainda não totalmente aparentes. 

Na verdade, os estágios iniciais do namoro podem não indicar os problemas de relacionamento de longo prazo que podem ocorrer. Em ambos os lados pode haver expectativas de como “deveria” ser um relacionamento de longo prazo, cada um informado pela sua própria cultura ou modo de pensar. Aprendemos através da nossa vasta experiência clínica que a abordagem das relações entre indivíduos autistas e neurotípicos pode ser comparada a um programa de intercâmbio cultural, onde é preciso haver compreensão e aceitação da cultura de cada pessoa para que o relacionamento tenha sucesso. Certamente, isso é verdade em todos os relacionamentos, mas é mais significativo quando um dos parceiros do relacionamento é neurodiverso e, especificamente, autista. 

Este artigo está dividido em duas partes descreve alguns dos problemas que podem surgir nesses relacionamentos. Descobrimos que compreender as razões por trás dos problemas ajuda muito a começar a resolvê-los. 

Na Parte 1 descrevemos cinco questões principais que afetam os relacionamentos autistas. Descobrimos que compreender as razões por trás dos problemas ajuda muito a começar a resolvê-los. 

TEORIA DA MENTE

Alguns dos problemas no relacionamento podem ser devidos a aspectos da ‘Teoria da Mente’, um termo psicológico que descreve a capacidade de ler expressões faciais, linguagem corporal, tom de voz e contexto social para determinar o que alguém está pensando ou sentindo. 

Sabemos há algumas décadas que o autismo está associado a dificuldades da Teoria da Mente, e essas dificuldades estão incluídas nos critérios diagnósticos do autismo. No entanto, o parceiro neurotípico também pode ter dificuldade em “ler” os pensamentos e sentimentos íntimos do seu parceiro autista. Isso é descrito como o “problema da dupla empatia” (Milton, 2012). 

O parceiro autista pode não expressar suas emoções mais sutis em suas expressões faciais, tom de voz e linguagem corporal e, portanto, pode ser mal interpretado pelo parceiro neurotípico.

Além disso, o parceiro autista pode ter dificuldade em encontrar palavras para expressar seus pensamentos e sentimentos íntimos devido a dificuldades com interocepção e/ou alexitimia. 

A interocepção refere-se à percepção sensorial dos sinais corporais que indicam estados emocionais, como frequência cardíaca e respiração. 

A alexitimia é uma condição subclínica que inclui dificuldades interoceptivas e dificuldades em traduzir em fala as emoções que você sente ou lembra. 

Ambas as condições são comumente vivenciadas por indivíduos autistas e, se presentes, afetarão sua capacidade de revelar seu mundo interior e comunicar seus sentimentos. À medida que o relacionamento progride, o parceiro neurotípico provavelmente antecipará o aumento da autorrevelação como um sinal da profundidade do relacionamento e da confiança.

COMPROMISSO SOCIAL

Os adultos autistas podem alcançar um envolvimento social bem-sucedido através do intelecto e não da intuição, mas as ocasiões sociais são mentalmente exaustivas e esgotam a energia. Em contraste, o parceiro neurotípico pode descobrir que as experiências sociais requerem pouca energia mental e podem criar energia. O parceiro neurotípico pode concordar relutantemente em reduzir a frequência e a duração do contato social com familiares, amigos e colegas em prol do relacionamento, mas sente-se privado das experiências de que gosta, ou pode participar sozinho, mas deseja compartilhar suas experiências sociais. com seu parceiro. Diferentes níveis de necessidade de socialização podem causar muitos mal-entendidos e tensões no relacionamento.

O parceiro neurotípico também pode reconhecer que o seu parceiro autista pode envolver-se socialmente no trabalho, mas, ao regressar a casa, está exausto e procura ativamente a solidão ou o envolvimento num hobby ou interesse como forma de recuperação de energia. Embora o casal viva junto, o parceiro autista tem uma necessidade cada vez menor de momentos sociais, de conversação e de lazer juntos. Um problema para o parceiro neurotípico pode incluir sentir-se solitário no relacionamento.

COMUNICAÇÃO

Uma das consequências das dificuldades com as habilidades da Teoria da Mente é a interpretação incorreta das intenções, como determinar se um comentário ou ação foi deliberadamente malicioso, bem-humorado ou benigno. Isto pode levar a conflitos dentro do relacionamento, com qualquer um dos parceiros potencialmente entendendo mal o outro e, com o tempo, devido ao acúmulo de mágoas passadas, sendo rápido em se ofender.

Outro problema de comunicação é a tendência de o parceiro autista ser percebido como excessivamente crítico, corretivo e raramente elogiando. A intenção é melhorar a proficiência do parceiro e antecipar a gratidão pelos conselhos, desconhecendo o efeito na autoestima do parceiro. Também pode haver uma relutância em elogiar devido a não saber intuitivamente que em um relacionamento, a necessidade do parceiro neurotípico precisa de aprovação e admiração regulares usando elogios e a relutância do parceiro autista em elogiar quando seu parceiro neurotípico está gostando de seu parceiro.

À medida que o parceiro neurotípico descreve as suas experiências diárias, o seu parceiro autista pode não se envolver no grau de contato visual, palavras, sons, gestos de compaixão e interesse que espera receber. O parceiro autista absorve a história, mas não parece atento e talvez ansioso para fornecer conselhos práticos, em vez de ouvir e ter empatia sem julgamento. O parceiro neurotípico pode sentir falta de apoio emocional, mas recebe conselhos práticos consideráveis.

EXPRESSÕES DE AMOR E CARINHO

Num relacionamento com neurotípico, são esperadas expressões regulares de certos tipos de amor e carinho, por exemplo, abraços próximos, abraços espontâneos e elogios. Usando uma metáfora para a necessidade e capacidade de expressões de amor e afeto pode ser que um parceiro neurotípico tenha um “balde” de capacidade para amor e afeto que precisa ser regularmente preenchido e reabastecido. Em contraste, um parceiro autista tem um conteúdo de “xícara” de afeto que se enche rapidamente. O parceiro autista pode ser percebido como não expressando afeto suficiente para atender às necessidades de seu parceiro, que se sente privado de afeto e não amado, o que pode contribuir para baixa autoestima e depressão.

Quando o parceiro autista reconhece o valor das expressões de amor e carinho no relacionamento, pode haver a questão da frequência, tipo, intensidade e duração das expressões de amor e carinho. 

Como disse um parceiro autista: “Sentimos e demonstramos carinho, mas não o suficiente e na intensidade errada” e “Sei que não estou atendendo às necessidades dela, mas não as vejo, algum dia serei capaz de fazer meu parceiro feliz”. Um parceiro neurotípico percebeu gradualmente que “…ele não pode me atender às minhas necessidades porque não as vê, não as percebe e não pergunta sobre elas… Muitas vezes, me sinto sozinho em nosso relacionamento porque ele não está bastante comigo”. (Smith et al., 2021)

REPARAÇÃO DE EMOÇÕES

Durante o sofrimento pessoal, quando expressões de empatia, palavras e gestos de afeto seriam esperados como um restaurador emocional, o parceiro autista pode não ler os sinais para provocar a reparação da emoção (dificuldades da Teoria da Mente) ou saber e ter confiança no que fazer. Seus mecanismos de reparo emocional podem ser a solidão e o envolvimento em seus interesses e hobbies como um bloqueador de pensamento restaurador e potencial. 

O carinho pode não ser percebido como um mecanismo de reparação de emoções, sendo um abraço percebido como um aperto desconfortável que não os faz sentir-se automaticamente melhor. Uma reclamação comum do parceiro não autista é que quando abraçam o parceiro autista, eles não parecem relaxar e desfrutar da proximidade física e do toque.

Estar sozinho é muitas vezes o principal mecanismo de reparação emocional para um parceiro autista, e eles podem assumir que esse também é o caso do seu parceiro neurotípico, com o pensamento de que se eu os deixar sozinhos, eles superarão isso mais rapidamente. Eles também podem não saber como responder ou temer que a situação piore, como na sessão de terapia de casal em que um parceiro autista se sentou ao lado de sua esposa, que estava chorando. Ele permaneceu imóvel e não ofereceu palavras ou gestos de afeto para reparação emocional. Quando questionado se sabia que sua esposa estava chateada, ele respondeu: “Sim, mas eu não queria fazer nada errado”.

Portanto é importante que tanto a pessoa neurotípica busque ajuda de psicoterapia com psicólogo especialista em autismo bem como o parceiro autista.

O parceiro autista pode ser acusado de ser insensível, emocionalmente frio e de falta de empatia, mas isso se deve a uma dificuldade genuína de ler sinais interpessoais e de saber como responder. O parceiro neurotípico gradualmente percebe que precisa ser muito claro e direto ao expressar seus sentimentos e sugerir ao parceiro o que ele precisa fazer ou dizer para reparar as emoções.

Se seu parceiro autista não tem diagnóstico será necessário ajudá-lo a buscar profissionais especializados em TEA, como psiquiatra ou neurologista e posteriormente fazer a Avaliação Neuropsicológica com Neuropsicólogo especialista em autismo.

O Transtorno do Espectro Autista é um diagnóstico de alta complexidade, apresenta comorbidades associadas ao espectro, como transtornos sensoriais, depressão, ansiedade, transtorno obsessivo compulsivo e TDAH, são as mais comuns. Somente com o diagnóstico realizado corretamente é possível realizar uma Terapia de Casal, ou Psicoterapia Individual para o parceiro autista.

Por mais que você tenha certeza de que seu conjugue esteja no espectro, isso não é suficiente, porque somente profissionais especializados em autismo deverão avaliar o caso do seu parceiro. Alguns quadros psiquiátricos que nunca foram tratados em seu conjugue também podem ser confundidos com autismo.

Caso seu parceiro não aceite qualquer tipo de ajuda, então você quem deverá procurar por Psicoterapia Individual para cuidar da sua saúde emocional.

Bibliografia:

Arad, Schectman e Attwood (2022). Revista de Psicologia e Psicoterapia.

Aston (2003) Asperger está apaixonado: relacionamentos de casal e assuntos familiares Londres, Jessica Kingsley Publishers.

Attwood, T. (2006). O guia completo para a síndrome de Asperger Londres, Jessica Kingsley Publishers.

Bolling (2026) Síndrome de Asperger/Transtorno do Espectro do Autismo e satisfação conjugal: um estudo quantitativo Antioch University, New England.

Gotham, Unruh e Senhor (2015). Autismo.

Cinza, Kirby e Holmes (2021). Autismo na idade adulta.

Lewis (2017) Jornal de Terapia Conjugal e Familiar.

Millar-Powell e Warburton (2020). Jornal de Pesquisa de Relacionamento.

Milton, D. (2012.) Deficiência e Sociedade.

Smith et al., (2021) Jornal de Autismo e Transtornos do Desenvolvimento.

Wilson, Beamish, Hay e Attwood (2014). Jornal de Pesquisa de Relacionamento.

Teixo, Hooley e Stokes (2023). Autismo na imprensa.

A Psicóloga Marina da Silveira Rodrigues Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista e TDAH em homens e mulheres. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina da Silveira Rodrigues Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

CAMUFLAGEM NO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

Se você é uma pessoa com autismo, provavelmente já ouviu falar em mascaramento e ou camuflagem (masking, scripts socias). Em um sentido amplo, é o processo de

2 respostas

    1. Bom dia! Gislene
      Muito obrigada pelos gentis comentários!!
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×