MULHERES AUTISTAS EM RELACIONAMENTOS ABUSIVOS

Compartilhe

Temos na literacia muitas informações e publicações sobre o apoio, consequências e reflexões do relacionamento erótico-afetivo quando é um homem autista, mas apenas alguns livros e publicações quando é uma mulher autista que está num relacionamento erótico-afetivo e abusivo . (Simone, 2012; Rowe, 2014)

A falta de discussão e informação sobre as relações de casais de mulheres autistas reflete o sub-reconhecimento de como o autismo se apresenta em mulheres adultas e, portanto, menos investigação e conhecimento geral sobre as experiências das mulheres autistas. 

Segundo os psicólogos Professor Tony Attwood e Dra. Michelle Garnett, neste artigo discutimos aspectos de estar num relacionamento como uma mulher autista, incluindo resultados de pesquisas atuais e nossa própria experiência como psicólogas clínicas com experiência combinada de mais de 80 anos.

FUNDAMENTOS PARA HABILIDADES DE RELACIONAMENTO

As bases para as habilidades de relacionamento são criadas a partir de experiências de amizade durante a infância. As habilidades incluem confiança, lealdade, compromisso e apoio emocional. As mulheres autistas podem ter tido menos amizades, mas mais intensas, do que as mulheres não autistas durante a infância e a adolescência. (Sedgewick et al., 2019)

Uma série de melhores amigos solteiros pode se tornar o único foco de suas experiências de amizade, e a intensidade e a dificuldade de compreender e administrar conflitos podem resultar no desligamento dos amigos. Posteriormente, pode haver uma tendência da adolescente autista de se culpar e presumir que a amizade não pode ser resgatada.

Uma característica de amizade das meninas autistas é ter ansiedade social antes e durante o tempo com um amigo; como na citação a seguir: “Fico ansiosa porque tenho que me comportar de maneira neurotípica para fazer a coisa certa. Envolver-se com uma amiga pode ser mentalmente exaustivo, mesmo que o tempo juntos seja mutuamente agradável”. (Crompton et al., 2020)

Outra característica da amizade descrita no mesmo estudo é saber o que as outras pessoas desejam de um amigo, que é a base para saber o que um parceiro busca em um relacionamento de longo prazo. 

As adolescentes autistas também podem ter sofrido bullying relacional, como fofocas, exclusão deliberada, provocações, humilhação e rejeição dos colegas, o que afetará a capacidade de confiar em um amigo ou parceiro em potencial.

Durante a adolescência, muitas vezes o conhecimento sexual dos pares é limitado, mas uma adolescente ou jovem adulta autista pode perceber o envolvimento no comportamento sexual como um meio de facilitar relacionamentos e obter a aprovação social dos pares. (Pecora et al., 2022)

Mulheres autistas podem procurar um relacionamento, mas não perceber que estão sendo aproveitadas e podem interpretar mal as intenções sexuais dos outros. Pesquisas recentes sugerem que muitas mulheres autistas foram vítimas de agressão sexual e estupro, geralmente no início da idade adulta ou na universidade. (Sedgewick et al., 2019)

Um estudo recente com várias centenas de adultos autistas descobriu que 46,5% das mulheres autistas relataram ter sofrido violência sexual. As mulheres autistas também eram menos propensas do que as mulheres não autistas a confiar em alguém sobre tais experiências. (Gibbs et al., 2021)

UM PARCEIRO AUTISTA

Uma escolha comum de parceiro para uma mulher autista é um parceiro autista, em vez de um parceiro não autista. A pesquisa indica que um em cada dez homens autistas e uma em cada três mulheres autistas relatam ter um parceiro que também é autista. (Dwinter et al., 2017)

Ajustar-se e adaptar-se às diferenças nos estilos de comunicação verbal e não verbal de autistas e não autistas requer energia mental considerável e pode ser fonte de conflitos de relacionamento. Quando ambos os parceiros são autistas, há menos necessidade de mascarar ou suprimir o autismo, portanto cada parceiro pode ser autêntico, com benefícios consideráveis ​​para a saúde mental (Crompton et al., 2020). Quando ambos os parceiros são autistas, pode haver sentimentos mútuos de conforto e facilidade com estilos de comunicação semelhantes e capacidade de lidar com o envolvimento social.

Haverá habilidades semelhantes, experiências passadas e interesses comuns, como bem-estar animal, ópera, arte ou uma carreira na área da tecnologia ou medicina. Ambos precisam e desfrutam de períodos de solidão e podem conspirar para evitar compromissos sociais. 

Indivíduos autistas cujos parceiros também são autistas relatam maior satisfação no relacionamento do que aqueles cujo parceiro não é autista. (Ying Yew et al., 2021)

PARCEIRO NEUROTÍPICO

Outra opção de parceiro é uma pessoa neurotípica que se apaixone genuinamente por uma mulher autista, procure fazê-la feliz e realizada e forneça apoio social, emocional e prático. Pode ser alguém socialmente motivado, talentoso e gregário e que pode compreender e aceitar características autistas em seu parceiro. Eles podem fornecer orientação em situações sociais, ajudar a moderar reações emocionais e fazer acomodações para aspectos do autismo, como a sensibilidade sensorial. A mulher autista sente-se segura e apoiada.

Alice Rowe (2014) escreve que uma mulher autista pode ser amada porque é muito honesta e direta, tem um forte sentido de justiça social, é criativa e tem uma profunda ligação empática com os animais. Ela pode adorar a capacidade de seu parceiro neurotípico em orientá-la e tranquilizá-la em situações sociais, explicar suas características autistas para si mesma, para os outros e moderar suas emoções intensas. 

Seu parceiro neurotípico também pode ajudá-la a lidar com o inesperado e a incerteza, as experiências sensoriais dolorosas e a proximidade de muitas pessoas. Também pode haver orientação na hora de conversar sobre o que vestir em um evento específico. Um parceiro neurotípico pode tolerar e mostrar compaixão por sua angústia, agitação sobre o que seu parceiro considera um evento trivial.

A nossa experiência clínica e investigação sobre tal relacionamento indicam que ambos os parceiros relatam baixa satisfação com a comunicação emocional, quantidade de tempo de lazer juntos e intimidade. (Ying Yew et al., 2021)

O parceiro neurotípico ficará confuso quando os mecanismos convencionais de reparo emocional que eles usam não forem eficazes e podem ser percebidos pelo parceiro autista como aversivos, como no seguinte diálogo de pensamento de Alis Rowe, quando um parceiro neurotípico coloca o braço em volta de sua parceira autista quando está triste.

O parceiro neurotípico: “Sinto-me melhor abraçando-a quando ela está triste. Gosto da proximidade física”.

A parceira autista: “Sinto-me oprimida ao ser tocada de leve quando estou triste. Não quero ser abraçada. Seu toque agora é desagradável e fisicamente doloroso.”

O parceiro neurotípico: “Estou chateado por ela não querer que eu a abrace. É o que os casais fazem. Eu me sinto rejeitado, quando ela se afasta de mim.”

Ambos os parceiros podem beneficiar de Terapia de Casal para explorar as perspectivas um do outro, melhorar a comunicação e melhorar o relacionamento. Há uma série de livros sobre relacionamentos românticos em que um dos parceiros é autista, publicados em www.jkp.com.

UM PARCEIRO ABUSIVO

A ingenuidade, vulnerabilidade e credulidade no relacionamento das jovens mulheres autistas aumentam o risco de estar em um relacionamento abusivo. O parceiro abusivo é atraído pela sua inocência infantil, falta de assertividade e amizade limitada e poucas experiências em relacionamentos. A mulher autista pode não ter uma rede de amigos para dar orientação ou conselhos sobre quando um relacionamento é abusivo ou saudável.

A nossa experiência clínica e investigação indicam que as mulheres autistas têm probabilidade de permanecer em relacionamentos abusivos por vários motivos (Sedgewick et al., 2019). 

A baixa autoestima contribui para não perceberem que merecem um relacionamento saudável; conforme ilustrado na citação a seguir: “Coloquei minhas expectativas em níveis muito baixos e, como resultado, gravitei em torno de pessoas abusivas”.

Há também o motivo de não ter o “radar” ou intuição de relacionamento abusivo, não conseguindo identificar o parceiro com intenções malévolas. Pode haver uma tendência de considerar alguém “pelo valor nominal” e acreditar no que alguém diz, em vez de perceber suas intenções secretas e situações de risco.

Mesmo com um radar eficaz, pode haver relutância em julgar o seu parceiro abusivo, como na seguinte citação: “Às vezes, temos um bom radar, mas convencemo-nos a desistir dele. Achamos que temos de lhes dar uma oportunidade, não fazer julgamentos precipitados e não queremos tratar mal as pessoas. Damos-lhes o benefício da dúvida”.  Um parceiro abusivo pode tirar vantagem da atitude benevolente e imatura de uma mulher autista.

É provável que algumas mulheres autistas permaneçam numa relação abusiva porque é mais fácil do que encontrar uma nova (Sedgewick et al., 2019), e acrescentaríamos que podem não ter autoconfiança para terminar a relação. 

No entanto, descobrimos que a confirmação de um diagnóstico de autismo durante um relacionamento abusivo pode levar a uma maior assertividade e determinação para acabar com o abuso.

Referências:

Crompton et al. (2020) Autismo.

Dwinter et al. (2017) Jornal de Autismo e Transtornos do Desenvolvimento.

Gibbs et al. (2021) Pesquisa em Transtornos do Espectro do Autismo.

Pecora et al. (2022) Autismo.

Rowe A. (2014). Síndrome de Asperger para o parceiro neurotípico: ajudando relacionamentos de longo prazo quando a mulher tem TEA Lonely Mind Books, Londres.

Sedgewick et al. (2019). Autismo na idade adulta.

Simone R. (2012) 22 coisas que uma mulher com síndrome de Asperger deseja que seu parceiro conheça Jessica Kingsley Publishers, Londres.

Ying Yew et al. (2021). Relações pessoais.

A Psicóloga Marina da Silveira Rodrigues Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista e TDAH em homens e mulheres. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina da Silveira Rodrigues Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

AUTISTAS, EMPATIA E DIVERSIDADE DE GÊNERO

O presente estudo realizado pelos pesquisadores Olivia Hendriks 1, Yimeng Wei 1, Guerreiro Varun 2, Gareth Richards, publicado em abril 2022, examinou traços autistas (Autism Spectrum Quotient [AQ]), empatia (Empathizing Quotient-Short

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×