EXPERIÊNCIAS TRAUMÁTICAS E QUANDO BUSCAR TERAPIA

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Durante nosso desenvolvimento desde a gestação a vida adulta vivemos e experienciamos muitos vínculos afetivos, com nossos pais, cuidadores, amigos, professores, e todo tipo de pessoas. Certos tipos de traumas de desenvolvimento psicológico podem ocorrer juntamente com as boas experiências que você teve, mas as experiências negativas acabaram sendo feridas que não foram cuidadas e depois se tornaram fontes de sofrimento e repetição em nossa vida.

Alguns exemplos de experiências traumáticas de vários graus são:

Minha mãe sempre foi distante, ora ou outra diz que deveria ter feito um aborto e eu não deveria ter nascido;

Minha mãe conta que durante a gravidez ela apanhava do meu pai, e eu quase morri na barriga dela.

Meu irmão é o filho favorito da minha mãe, ele está recebendo mais atenção do que eu, sempre me sinto rejeitado;

Meus pais sempre me comparam com outras pessoas e com meus irmãos;

Meu pai bebe e depois me acerta e me deprecia, eu devo merecer, mas parece tão injusto; 

Estou com fome e minha mãe não cozinhou uma refeição para mim; 

Meus amigos me ignoram e me criticam, vivem postando coisas na internet sobre mim; 

Eu sempre quis ser homem, mas era obrigada a colocar as roupas que minha mãe queria. Eu sempre odiei vestidos cor de rosa.

São apenas alguns exemplos de situações que ocorrem na vida das pessoas.

Essas experiências deixam sua marca para sempre e vão moldar o modelo pelo qual a criança, e depois adulto, interpreta e compreende o mundo em que vive, o que por sua vez afeta seu comportamento. Pode haver um único evento extremamente traumático, ou muitos eventos não tão graves que tenham um efeito cumulativo, que pode ser tão ou mais prejudicial do que um único evento.

Com base nessas experiências e dependendo do grau e da quantidade de traumas desenvolvimentais que você possa ter experimentado até agora, várias emoções serão ativadas. Estes podem ser de intensidade extrema e você pode ser incapaz de gerenciá-los, ou eles podem ser menos intensos e mais gerenciáveis. Quanto maior a intensidade, mais difícil pode ser.

Quando você atinge a idade adulta, esse modelo foi estabelecido em sua mente como uma maneira de operar no mundo. A má notícia é que não pode ser apagada mas poderá ser elaborada, dando novo sentido a experiência traumática.

A boa notícia é que, com a psicoterapia, você pode aprender a criar um novo modelo, que funcionará em cima de seu modelo primário. Ao aprender a se tornar consciente de como você está interpretando o mundo, você se torna mais capaz de fornecer novas interpretações.

O que antes era uma reação automática, sem pensamento, tão automático quanto uma reação instintiva, pode agora se tornar um objeto de foco e exame, um processo consciente, que pode levar a diferentes maneiras de entender, sentir e se comportar.

Através deste processo, você constrói lentamente um novo modelo, através do qual os mesmos estímulos podem ser percebidos e interpretados de uma maneira diferente.

Com o tempo ao longo das sessões de psicoterapia, esforço e prática, o novo modelo será rapidamente elaborado em suas emoções, pensamentos, atitudes. Dependendo da intensidade do evento estressante, traumático e com o aumento da conscientização e capacidade de tolerar e processar os pensamentos e sentimentos resultantes, ele se tornará gradualmente mais fácil à medida que você avança.

Isso, então, constitui uma mudança e pode ser muito visível para as pessoas ao seu redor.

Por isso vale a pena fazer psicoterapia!

Durante nosso desenvolvimento desde a gestação a vida adulta vivemos e experienciamos muitos vínculos afetivos, com nossos pais, cuidadores, amigos, professores, e todo tipo de pessoas. Certos tipos de traumas de desenvolvimento psicológico podem ocorrer juntamente com as boas experiências que você teve, mas as experiências negativas acabaram sendo feridas que não foram cuidadas e depois se tornaram fontes de sofrimento e repetição em nossa vida.

Alguns exemplos de experiências traumáticas de vários graus são:

Minha mãe sempre foi distante, ora ou outra diz que deveria ter feito um aborto e eu não deveria ter nascido;

Minha mãe conta que durante a gravidez ela apanhava do meu pai, e eu quase morri na barriga dela.

Meu irmão é o filho favorito da minha mãe, ele está recebendo mais atenção do que eu, sempre me sinto rejeitado;

Meus pais sempre me comparam com outras pessoas e com meus irmãos;

Meu pai bebe e depois me acerta e me deprecia, eu devo merecer, mas parece tão injusto; 

Estou com fome e minha mãe não cozinhou uma refeição para mim; 

Meus amigos me ignoram e me criticam, vivem postando coisas na internet sobre mim; 

Eu sempre quis ser homem, mas era obrigada a colocar as roupas que minha mãe queria. Eu sempre odiei vestidos cor de rosa.

São apenas alguns exemplos de situações que ocorrem na vida das pessoas.

Essas experiências deixam sua marca para sempre e vão moldar o modelo pelo qual a criança, e depois adulto, interpreta e compreende o mundo em que vive, o que por sua vez afeta seu comportamento. Pode haver um único evento extremamente traumático, ou muitos eventos não tão graves que tenham um efeito cumulativo, que pode ser tão ou mais prejudicial do que um único evento.

Com base nessas experiências e dependendo do grau e da quantidade de traumas desenvolvimentais que você possa ter experimentado até agora, várias emoções serão ativadas. Estes podem ser de intensidade extrema e você pode ser incapaz de gerenciá-los, ou eles podem ser menos intensos e mais gerenciáveis. Quanto maior a intensidade, mais difícil pode ser.

Quando você atinge a idade adulta, esse modelo foi estabelecido em sua mente como uma maneira de operar no mundo. A má notícia é que não pode ser apagada mas poderá ser elaborada, dando novo sentido a experiência traumática.

A boa notícia é que, com a psicoterapia, você pode aprender a criar um novo modelo, que funcionará em cima de seu modelo primário. Ao aprender a se tornar consciente de como você está interpretando o mundo, você se torna mais capaz de fornecer novas interpretações.

O que antes era uma reação automática, sem pensamento, tão automático quanto uma reação instintiva, pode agora se tornar um objeto de foco e exame, um processo consciente, que pode levar a diferentes maneiras de entender, sentir e se comportar.

Através deste processo, você constrói lentamente um novo modelo, através do qual os mesmos estímulos podem ser percebidos e interpretados de uma maneira diferente.

Com o tempo ao longo das sessões de psicoterapia, esforço e prática, o novo modelo será rapidamente elaborado em suas emoções, pensamentos, atitudes. Dependendo da intensidade do evento estressante, traumático e com o aumento da conscientização e capacidade de tolerar e processar os pensamentos e sentimentos resultantes, ele se tornará gradualmente mais fácil à medida que você avança.

Isso, então, constitui uma mudança e pode ser muito visível para as pessoas ao seu redor.

Por isso vale a pena fazer psicoterapia!

Entre em contato comigo e agende uma entrevista: 

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504  

Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça o E-Book: Coleção Escola Inclusiva

Plano de Ensino Individualizado

Veja mais

COMPREENDENDO A SEXUALIDADE INFANTIL

A maior parte das pessoas, ao pensar na palavra “sexualidade”, logo se remete ao ato sexual em si e aos aspectos da reprodução. Enquanto o sexo se restringe aos aspectos físicos e biológicos, a sexualidade vai muito além disso.

× Conversar Agora
Skip to content