Compartilhe

O Burnout Autista é uma síndrome conceituada como resultante do estresse crônico da vida e um descompasso de expectativas e habilidades sem suportes adequados. Caracteriza-se por exaustão generalizada e de longo prazo (normalmente mais de 3 meses), perda de função e tolerância reduzida a estímulos.

O esgotamento autista tem muitos efeitos negativos em suas vidas. Muitos autistas destacaram dificuldades com sua saúde, especialmente sua saúde mental. Relataram sobre lutar com uma vida independente, perda de autoconfiança e medo de que a perda de habilidades do esgotamento autista pudesse ser permanente. Eles também falaram sobre a falta de empatia de pessoas neurotípicas, que tinham dificuldade em entender ou se relacionar com as experiências do autista. Algumas pessoas relataram um aumento na ideação suicida e comportamento suicida.

Uma vida autista não é uma vida fácil. Há o potencial de grande estresse e exaustão crônica de tentar lidar com experiências sociais e sensoriais, ser mal compreendido e criticado, altos níveis de ansiedade e, por muitas razões, não se sentir em contato ou capaz de ser o eu autêntico.

Além disso, pode haver expectativas autoimpostas que são maiores do que mecanismos e habilidades de enfrentamento. O estresse subsequente pode se acumular ao longo do tempo que pode levar ao burnout autista, que é caracterizado pelo aumento da abstinência social, uma forma de “hibernação” e redução do funcionamento executivo, os lobos frontais estão “fechados” aguardando recuperação.

A camuflagem, que foi reconhecida pela primeira vez como uma adaptação ao autismo por meninas e mulheres, agora reconhecemos como também ocorrendo com os homens e como uma das muitas razões pelas quais um indivíduo autista pode experimentar um burnout autista.

As pessoas autistas descreveram uma coleção de estressores da vida.

  • Mascarar seus traços autistas, por exemplo, suprimindo comportamentos autistas, fingindo não ser autista ou trabalhando muito duro para agir de maneira não autista.
  • Expectativas difíceis ou inalcançáveis ​​da família, escola, trabalho ou sociedade em geral.
  • Estresse de viver em um mundo não configurado para acomodar pessoas autistas, por exemplo, gerenciar o estresse de ter que estar em ambientes barulhentos.
  • Mudanças na vida e transições que são estressantes para qualquer pessoa, por exemplo, a transição da escola para o trabalho, passando por uma crise de saúde mental ou a morte de alguém próximo.

As pessoas autistas descreveram barreiras para obter apoio ou alívio do estresse:

  • Gaslighting ou demissão ao tentar descrever o esgotamento autista, por exemplo, ser informado de que todos têm essas experiências, que eles só precisam se esforçar mais ou que estão inventando.
  • Limites fracos ou autodefesa em relação a dizer não, fazer uma pausa ou pedir ajuda. Isso pode ser devido a trauma, medo, falta de ajuda para aprender como e um histórico de respostas negativas de outras pessoas quando tentaram.
  • Incapacidade de fazer uma pausa no estresse que é tão difundido (“Como você faz uma pausa na vida?”).
  • Recursos e apoios externos insuficientes, por exemplo, serviços inadequados para deficientes, falta de apoio social útil.

SINAIS DE BURNOUT AUTISTAOS CRITÉRIOS PROVISÓRIOS PARA O BURNOUT AUTISTA, SEGUNDO HIGGINS ET AL (2021) SÃO:

1. Exaustão mental e física significativa

2. Retirada interpessoal

3. Com um ou mais dos seguintes:

  • Redução significativa nas áreas social, ocupacional, educacional, acadêmica, comportamental ou outras áreas importantes de funcionamento
  • Confusão, dificuldades com a função executiva e/ou estados dissociativos
  • Aumento da intensidade dos traços autistas e/ou capacidade reduzida para camuflar/mascarar características autistas

PODE HAVER CARACTERÍSTICAS ASSOCIADAS, TAIS COMO:

  • Baixa autoestima e não saber o que fazer para restaurar os níveis de energia mental
  • Confusão quanto à possibilidade de os sinais serem indicativos de uma depressão clínica
  • Perda de habilidades de autocuidado e capacidade de regular emoções
  • Dificuldades persistentes com habilidades de vida diárias.

AO CONSIDERAR SE ALGUÉM TEM BURNOUT AUTISTA, É IMPORTANTE REVER AS SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE BURNOUT AUTISTA E DEPRESSÃO.

Em comparação com os sinais de depressão, no burnout autista, há aumento da sensibilidade sensorial e a necessidade de se isolar para se recuperar.

A experiência clínica atual indica que o Burnout Autista é uma causa de depressão e que a depressão provavelmente reduzirá se forem tomadas medidas terapêuticas adequadas como: fazer o acompanhamento com psiquiatra, uso de medicação e psicoterapia com especialistas em autismo o quadro tem um prognóstico positivo para a saúde emocional e qualidade de vida.

Fontes:

Rose K. An autistic exhaustion. In: The Autistic Lawyer: Autistic People Have Voice. Vol. 2018. https://theautisticadvocate.com/2018/05/an-autistic-burnout/

Boren R. Autistic Burnout: The Cost of Face and Pass. In: Ryan Boren: Neurodivergent not according to Vol. 2018. 2017;  https://boren.blog/2017/01/26/autistic-burnout-the-cost-of-coping-and-passing/

Galam E, Vauloup Soupault C, Bunge L, Buffel du Vaure C, Boujut E, Jaury P. ‘Internal Life’: A longitudinal study of exhaustion, empathy and coping strategies used by French GPs in training. BJGP Open . 2017.

Jane Mantzalas, Amanda L. Richdale, Achini Adikari, Jennifer Lowe and Cheryl Dissanayake.What is Autistic Burnout? A Thematic Analysis of Posts on Two Online Platforms. Autism in Adulthood, March 2022.52-65. http://doi.org/10.1089/aut.2021.0021; Published in Volume: 4 Issue 1: March 9, 2022

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

QUAL A DIFERENÇA ENTRE PSICÓLOGO E PSIQUIATRA?

O Psicólogo é aquele profissional que depois de cinco anos em um curso superior de graduação em Psicologia, se especializa em uma área do comportamento humano e não está autorizado a medicar ou prescrever nenhum medicamento a seu paciente. Nesta área ele irá trabalhar procurando ajudar as pessoas, a se compreenderem, resolverem seus conflitos, elaborarem seus sofrimentos psíquicos, se relacionarem melhor com os outros, com seu trabalho e com sua vida de forma criativa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×