DICAS PARA MULHERES EM RELACIONAMENTOS COM PARCEIROS COM SÍNDROME DE ASPERGER, AUTISMO ou TEA

Compartilhe

Autora: Marci Wheeler, MSW

Adaptação e revisão: Psicóloga Marina Almeida

É um desafio para a maioria dos casais encontrar um equilíbrio entre suas necessidades e expectativas e as necessidades e expectativas de seu parceiro. Em um relacionamento em que um indivíduo está no espectro do autismo, é provável que haja muito mais oportunidades para mal-entendidos e frustração. Encontrar o caminho para um relacionamento duradouro de respeito, amor e realização é o desejo de todo casal comprometido.

Nos últimos anos, tem sido útil que haja mais informações e recursos focados em relacionamentos neurodiversos. Mais está disponível para casais e indivíduos, incluindo mais para mulheres, em relacionamentos com homens no espectro do autismo.

1.Primeiro tenha certeza de que seu namorado, parceiro ou marido de fato é autista (síndrome de Asperger) ou nível 1 de funcionamento do Transtorno do Espectro Autista.

Se não tem certeza, é necessário conversar sobre isso com seu parceiro, amigo, namorado ou marido para realizar o diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista em Adultos.

Procure agendar uma psicóloga especialista para poder fazer está orientação. Será importante para a dupla fazer psicoterapia para ajudá-los a melhorar a relação, potencializar os pontos em comuns e ajudá-los em intervenções nos pontos frágeis do relacionamento.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial e diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos online ou presencial.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

2.Aprenda sobre o Transtorno do Espectro Autista (e como o TEA afeta seu parceiro).

O autismo é um distúrbio neurobiológico que afeta a percepção, a comunicação, as habilidades sociais, o aprendizado e o comportamento. As informações processadas pelos sentidos podem facilmente super estimular um indivíduo no espectro do autismo. Por outro lado, um indivíduo com autismo também pode ter dificuldade em processar a entrada de seus sentidos e ser pouco responsivo, não responsivo e / ou ter uma resposta única à entrada sensorial.

3.A comunicação é frequentemente processada e interpretada de forma diferente para alguém no espectro do autismo. A comunicação verbal é frequentemente processada mais lentamente e as palavras interpretadas literalmente. Pessoas no espectro do autismo geralmente têm problemas para se manter no assunto e manter uma conversa. 

4.Habilidades sociais também são afetadas. O contato visual pode ser difícil e, às vezes, as expressões faciais podem não refletir os verdadeiros sentimentos de uma pessoa. As dicas sociais costumam ser perdidas ou mal interpretadas. Indivíduos no espectro do autismo não têm certeza de como se conectar com outras pessoas. Cada pessoa apresenta seus desafios de maneira diferente. Muitos no espectro do autismo também sofrem de ansiedade.

4.Seu parceiro provavelmente tem déficits de funções executivas. As tarefas de funções executivas incluem planejamento, organização, priorização, gerenciamento de tempo, regulação emocional e controle de impulsos. A inércia, tanto para iniciar quanto para interromper as tarefas, pode ser um desafio para as pessoas com autismo. Esses déficits de funções executivas podem ser erroneamente atribuídos à falta de motivação e / ou problemas de comportamento ou personalidade. Parceiros fora do espectro costumam realizar muitas tarefas de funções executivas dentro do relacionamento.

4.Sexualidade, geralmente é um desafio, nem sempre é constante, há afastamento afetivo ou só pode ser num dia específico, ou a pessoa com autismo não se importa muito com sexo, mas a qualidade de amizade do relacionamento. Cada casal terá seu desafio, por isso será importante buscar uma profissional psicóloga especialista em TEA, para realizar as orientações para a dupla.

5.Agora existe uma variedade de livros escritos sobre relacionamentos quando um dos parceiros está no espectro do autismo. Existem livros escritos por profissionais, bem como aqueles escritos por mulheres casadas com homens no espectro do autismo. Existem também alguns escritos por casais juntos. Alguns desses livros estão listados no final deste artigo. Ler histórias de outras pessoas pode validar seus sentimentos e experiências. 

6.Lembre-se de que cada relacionamento é único. Alguns dos livros são bastante negativos. Seu parceiro no espectro do autismo terá suas próprias características autistas, bem como um perfil único de experiências, personalidade e possivelmente outros diagnósticos concomitantes que fazem parte do que o torna único.

7.Se for um novo diagnóstico, você e / ou seu parceiro podem estar trabalhando para aceitá-lo.

8.Chegar à aceitação pode ser difícil para um ou ambos. À medida que você procura aprender mais sobre TEA e como isso afeta seu parceiro e seu relacionamento, você provavelmente sofrerá com a perda de expectativas anteriores.

9.Conforme você aprende mais e trabalha para reconhecer o papel que um transtorno do espectro do autismo desempenha em seu relacionamento, será útil procurar profissionais experientes e / ou participar de um grupo de apoio para mulheres em parceria com homens no espectro do autismo. Esses recursos estão disponíveis, mas podem ser difíceis de encontrar. Também pode ser útil fazer uma lista das qualidades positivas e desejáveis que o atraíram para o seu parceiro. É importante ter isso em mente, especialmente ao passar por um momento desafiador no relacionamento.

10.Também será útil manter uma lista de suas qualidades positivas. Pode ser difícil lembrar esses traços positivos sobre você quando você está no meio de tempos muito difíceis e confusos. Lembrar-se das características positivas de você e de seu parceiro aumentará sua autoestima e ajudará a motivá-lo ao superar seus desafios de relacionamento.

Ao longo dos anos, tenho apreciado a determinação que tenho visto tanto do TEA quanto dos parceiros fora do espectro em buscar soluções para construir um vínculo mais forte e amoroso.

11.Reconhecer e atender às necessidades sensoriais do seu parceiro TEA

Problemas sensoriais frequentemente afetam indivíduos no espectro do autismo. Como mencionado antes, um ou mais dos sentidos podem ser afetados. Os sentidos podem ser excessivamente sensíveis (hipersensíveis) e / ou pouco sensíveis (hipossensíveis). Algumas pessoas com TEA são hipersensíveis a vários tipos de iluminação. Por exemplo, eles veem o piscar e / ou ouvem o zumbido da luz fluorescente. Para alguns, as dores de cabeça são desencadeadas. Uma pessoa no espectro do autismo pode ser excessivamente sensível a vários cheiros e / ou sons no ambiente. O toque leve pode parecer como alfinetes, mas os alfinetes reais podem não ser sentidas de forma alguma.

Em algumas situações, uma pessoa no espectro do autismo pode parecer não processar informações sensoriais de um ou mais dos cinco sentidos familiares de visão, olfato, audição, paladar e tato. Eles podem parecer inconscientes do que está à vista de todos e / ou processar as palavras como “ruído”. Essas situações podem parecer muito curiosas. Três outros sistemas sensoriais menos conhecidos também são frequentemente afetados por muitos no espectro do autismo. Existem o sistema vestibular (equilíbrio), o sistema proprioceptivo (movimento muscular / articular, coordenação, planejamento motor e sentido do corpo no espaço) e o sistema interceptivo (estado das funções corporais internas). A intercepção é frequentemente chamada de oitavo sentido.

Há algumas evidências de que indivíduos no espectro do autismo podem ter um tempo prejudicado e um tempo aprimorado para perceber suas próprias funções corporais. Isso é chamado de intercepção atípica ou disfunção interceptivo (Shah et. Al., 2016). Há relatos de pouca conscientização sobre a necessidade de usar o banheiro, beber (por causa da sede) e / ou comer (por causa da fome). Algumas mulheres relatam que precisam lembrar seu parceiro de comer ou beber algo, especialmente quando estão profundamente envolvidas em uma atividade que exige todo o seu foco.

Os problemas sensoriais podem afetar quase todos os aspectos da vida, desde a seleção de roupas, alimentos, roupas de cama e móveis que sejam confortáveis para ambos os parceiros até quais ambientes e atividades podem ser agradáveis para ambos. Existem situações em que o processamento sensorial intensificado pode ser uma vantagem, como a capacidade de processar informações visuais de forma rápida e / ou de maneiras exclusivas. Desenho, carpintaria e engenharia são habilidades que pessoas com autismo, incluindo seu parceiro, podem possuir como resultado de excelentes habilidades de processamento visual.

As necessidades / problemas sensoriais podem mudar com o tempo e até mesmo variar de um dia para o outro. Como um adulto, seu parceiro provavelmente aprendeu a lidar com e / ou evitar vários estímulos sensoriais no ambiente. Algumas estratégias comuns usadas para limitar efetivamente a sobrecarga sensorial ambiental incluem óculos escuros, protetores de ouvido e chapéus ou escolhas de roupas específicas. Alguns indivíduos gostam de manter pequenas “inquietações” que podem ser calmantes e ajudar a conter a sobrecarga sensorial.

Em casa, dormir na escuridão total e usar um cobertor pesado pode ser útil para alguns. Em casa, felizmente, é mais fácil ajustar a iluminação e controlar ou mascarar os sons e cheiros do ambiente. Às vezes, trabalhar com um terapeuta ocupacional treinado em integração sensorial pode ser benéfico.

Problemas sensoriais também podem afetar a intimidade. Se houver problemas sensoriais no quarto, eles podem ser resolvidos com melhor compreensão, paciência e desenvolvimento de estratégias para acomodar as necessidades de ambos os parceiros. Você e seu parceiro podem discutir várias diferenças sensoriais e considerar ajustes específicos que serão bem-sucedidos.

Em situações em que uma pessoa no espectro do autismo está estressada, ela pode experimentar uma sobrecarga sensorial mais facilmente e, como resultado, desligar-se ou possivelmente experimentar um “colapso”.  Um adulto autoconsciente no espectro do autismo pode geralmente reconhecer os primeiros sinais de alerta e desenvolver estratégias para sair e se acalmar. Ambos os parceiros que estão cientes disso podem trabalhar juntos, para que ambos sejam acomodados. Muitos casais desenvolvem sinais para se comunicar se o parceiro TEA está ficando superestimulado e precisa de uma pausa. Uma pausa pode assumir várias formas que podem ser discutidas com antecedência. Se necessário, isso pode significar levar dois carros para um evento para que o parceiro TEA possa sair do evento e o parceiro não TEA não tenha que sair.

12. Aprenda e use estratégias de comunicação (que funcionam melhor para você e seu parceiro)

A comunicação ideal é importante em todos os relacionamentos. A comunicação social, por definição no DSM-5 (APA, 2013), é um déficit para uma pessoa com TEA. A comunicação não verbal, como a interpretação de expressões faciais, gestos e entonação vocal, costuma ser extremamente difícil. A comunicação verbal pode ser difícil para pessoas com autismo iniciarem. Essas dificuldades se devem a uma diferença na neurologia e não a uma falta de motivação.

É útil para o seu parceiro se a sua comunicação for clara, calma e previsível. A pessoa com ASD geralmente desejará atender às necessidades de seu parceiro, uma vez que compreenda como atender a essas necessidades. É importante comunicar explicitamente suas necessidades sociais, emocionais, mentais, físicas, incluindo sexuais. Juntos, os parceiros devem discutir informações sobre as expectativas comportamentais. Pense em termos de explicação em vez de correção. Diga a seu parceiro suas expectativas e peça-lhe que conte o que ele espera.

Você precisará fornecer instruções muito explícitas e concretas que seu parceiro pode seguir. Por exemplo, se você precisa que seu parceiro ajude em uma tarefa como lavar roupa, dê instruções passo a passo sobre o que, quando e como as roupas devem ser lavadas. Se o seu parceiro não consegue descobrir o que lavar, talvez seja necessário ter um sistema de preparação de cestos de roupa suja. Por exemplo, cestos circulares podem ser usados para roupas sujas e cestos quadrados para roupas limpas.

Você pode precisar dar ao seu parceiro com autismo informações explícitas e prática sobre como dar abraços. Pode parecer que seu parceiro não deseja ser afetuoso com você, mas lembre-se de não julgar as ações e necessidades dele através de suas lentes fora do espectro. Quaisquer áreas de necessidade são importantes para abordar em detalhes. A comunicação muito literal e concreta será importante para muitos aspectos da vida. Alguns casais acham que mensagens de texto, e-mails e / ou informações escritas em papel, post-its, calendários ou lousas são muito vantajosos.

Considere agendar um horário a cada dia para sentar e se comunicar. Sentar lado a lado pode funcionar melhor para a comunicação. Pessoas autistas quase universalmente dizem que é difícil processar informações verbais mantendo o contato visual. Isso seria especialmente verdadeiro ao discutir as necessidades uns dos outros. Este tempo juntos pode ajudar muito a tornar a vida mais satisfatória e a manter forte o vínculo de casal.

Novamente, considere o uso de informações visuais (notas, e-mail, quadro branco, até mesmo exemplos de livros ou outras mídias visuais) para transmitir ou complementar mensagens verbais. Seja criativo. A informação visual é muito mais fácil para a maioria dos indivíduos no espectro do autismo processar e pode ser usada como um recurso permanente quando a ansiedade, sobrecarga sensorial ou habilidades de funcionamento executivo estão causando desafios para nossos parceiros no espectro do autismo.

13.Perceba que você pode não entender a perspectiva de seu parceiro. Procure esclarecer. Reconheça que seu parceiro pode ter dificuldade em pedir (iniciar) um esclarecimento e / ou mesmo saber que um esclarecimento é necessário. Parceiros fora do espectro não podem interpretar o comportamento do TEA por meio de seu filtro fora do espectro e presumir que entendem o significado de um comportamento específico de seu parceiro do TEA. Da mesma forma, o parceiro no espectro do autismo pode ter dificuldade em entender suas próprias necessidades. Cada parceiro deve identificar suas necessidades e contar ao parceiro. Pode não parecer genuíno se você tiver que dizer ao seu parceiro cada passo para atender às suas necessidades. Embora possa ser difícil no início, não pense nisso como significando que seu parceiro não se importa. Pense nisso como um passo importante para nós valorizarmos, confiarmos e nos respeitarmos melhor.

14. Encontre pontos de venda para descontrair (juntos e individualmente)

Você e seu parceiro provavelmente têm maneiras diferentes de aliviar o estresse. Todo mundo é diferente e tem maneiras diferentes de relaxar. Por ser um casal neurodiverso, pode haver mais diferenças que você vai experimentar que irão, a princípio, desafiar vocês dois. É importante que vocês dois aprendam suas maneiras pessoais de desestressar e expressem essas necessidades um ao outro. Os parceiros também devem respeitar as necessidades e os meios um do outro para se livrar da tensão e da ansiedade. Às vezes, isso significará atividades separadas e / ou “paralelas”. O parceiro, no espectro do autismo, pode precisar de muito tempo para si e / ou tempo “extra” para perseguir seus interesses especiais.

15.A transição do trabalho para a casa pode ser estressante para seu parceiro no espectro do autismo. Um “intervalo sozinho” imediatamente após chegar em casa é frequentemente descrito como “crítico” por homens com autismo. Melhor planejar uma pausa na transição da chegada até o contato com você e com os filhos.

Sua necessidade de se comunicar e se conectar com seu parceiro pode ter que esperar e isso pode ser muito frustrante. Os casais podem usar um sistema visual, como um pano para comunicar seu nível de estresse a essa hora do dia. Planeje o tempo inicial de seu parceiro sozinho quando ele chegar em casa. Defina 30 minutos designados ou o que for razoável e possível em sua situação. Depois, pode-se marcar um tempo juntos ou com as crianças. Se necessário, mais tempo sozinho pode ser agendado para mais tarde à noite. Tarefas e outras tarefas e atividades também podem ser agendadas. Noites previsíveis podem ajudar a aliviar o estresse e percorrer um longo caminho para garantir momentos mais relaxantes e agradáveis a dois.

16.O tempo de lazer juntos pode ser uma oportunidade importante de vínculo. Incentive o humor em sua vida juntos. Isso ajudará a melhorar o relacionamento e a aliviar um pouco do estresse “extra”. Pode ser maravilhoso se vocês puderem encontrar as atividades certas para desfrutarem juntos. Isso pode incluir cada um de vocês explorando interesses especiais juntos. Isso pode exigir paciência extra no início, especialmente se alguns limites forem importantes para estabelecer. Atividades paralelas também podem ser exploradas. Ambos estão na mesma sala ou espaço, mas podem estar envolvidos em atividades diferentes por um período. Pode ser útil decidir sobre o período de tempo designado com antecedência. Um cronômetro ou outro lembrete concreto pode ser definido. Seja criativo!

17.Os eventos sociais costumam ser difíceis para uma pessoa com TEA e provavelmente será você quem organizará os eventos sociais. Você pode ser aquele com mais interesse nesses eventos e ter as melhores habilidades “neurológicas” (isto é, capacidades de função executiva) para fazer os arranjos. Seu parceiro pode concordar com suas ideias porque deseja agradá-lo e / ou apreciará a maioria das coisas se você estiver presente. Eles também costumam se divertir quando sabem o que esperar. Pode ser benéfico se um “papel” puder ser estabelecido para seu parceiro em várias funções sociais. Essa função pode ser qualquer tarefa que contribua para o evento, como ajudar na preparação ou verificação de bebidas ou alimentos. Discuta e planeje o que isso envolveria. Além disso, discuta as opções de um espaço tranquilo ou um lugar para se retirar para fazer uma pausa durante as atividades sociais.

18.Seu parceiro pode precisar de um plano de “fuga” real quando a socialização se tornar muito opressiva ou estimulante. Como mencionado antes, um plano que os casais costumam usar é dirigir dois carros para que o parceiro ASD possa sair antes que seu nível de estresse fique muito alto a ponto de resultar em um desligamento ou colapso.

19.Você pode ter descoberto que seu parceiro fica muito contente em passar muito tempo perseguindo um interesse especial. Essa pode ser uma técnica calmante importante. É importante que este tempo seja equilibrado com outras atividades da vida e com o tempo do casal. Se possível, esse horário pode ser agendado, mas flexível. Em momentos de maior estresse para seu parceiro TEA, ele pode precisar de mais tempo buscando seus interesses e / ou tempo sozinho.

Ao mesmo tempo, pode ser necessário agendar um horário para seus interesses individuais. Se isso incluir socialização adicional, você pode precisar agendar tempo com amigos, ingressar em clubes, ser voluntário e / ou buscar outros interesses que envolvam outras pessoas. Você pode descobrir que precisará dessas atividades externas e oportunidades sociais para se conectar com outras pessoas, além de sua realização emocional com seu parceiro.

20.Encontre suporte profissional de um psicólogo especialista em TEA e quaisquer necessidades secundárias de saúde emocional, como ajuda de um psiquiatra podem ser necessárias.

Pode ser importante e necessário encontrar suporte profissional para os problemas de comunicação e sensoriais que você encontra como casal. Também pode ser útil abordar questões de funções executivas com um profissional. Como mencionado antes, as habilidades de funções executivas podem ser muito fracas para alguém no espectro do autismo.

Esteja ciente de que os indivíduos com um transtorno do espectro do autismo estão em maior risco de depressão, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo e / ou outros transtornos de saúde mental (Roy et. Al., 2015; Croen et. Al., 2015). 

A baixa autoestima devido a experiências e interações sociais negativas também pode afetar a saúde mental de seu parceiro.

21.Você também pode ter seus próprios problemas de saúde mental. Aproximadamente 40% da população geral atende aos critérios para um diagnóstico de saúde mental pelo menos uma vez na vida. Para pessoas no espectro do autismo, acredita-se que a taxa de sintomas de saúde mental concomitantes seja de pelo menos 69% (Lever & Geurts, 2016). 

Você também pode estar em maior risco de sentir ansiedade e / ou depressão como efeito de seu relacionamento com seu parceiro, especialmente se ele não foi diagnosticado e / ou tratado até recentemente.

22.A pessoa com TEA pode precisar de períodos confiáveis de isolamento social. Isso pode ser difícil de entender e não levar para o lado pessoal. Seu parceiro também pode ter desenvolvido um padrão de recuar para seus interesses especiais, em parte como um mecanismo de enfrentamento e não saber o que fazer para deixá-lo feliz. Isso pode ser devido a diferenças de comunicação e dificuldades de tal forma que ele não possui as informações necessárias para realizar seus desejos. Ele então decide que é melhor não fazer nada do que fazer a coisa errada.

23.Com o tempo e ao compartilhar uma casa, mal-entendidos e problemas ocorrerão. Devido à natureza do TEA, você pode sentir falta de comunicação e contato emocional com seu parceiro. À medida que você tenta melhorar seu relacionamento, é provável que o contato com outras pessoas se torne mais limitado, causando ainda mais solidão. Isso pode levar à depressão e talvez até sentimentos de desespero. Por várias razões, pode ser importante que você e seu parceiro sejam avaliados e tratados para quaisquer problemas de saúde mental.

24.É muito importante trabalhar com um profissional que tenha conhecimento e experiência em trabalhar com adultos no espectro do autismo. Se um terapeuta com conhecimento e experiência sobre TEA não estiver disponível, você vai querer encontrar alguém que tenha interesse em apoiar relacionamentos neurodiversos e que tenha qualidades que sejam adequadas para alguém com autismo.

25.A Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) é uma prática baseada em evidências usada com adultos com desenvolvimento típico, bem como aqueles no espectro do autismo. A pesquisa mostrou que as adaptações da TCC, como uma abordagem mais estruturada, concretam e visual e, possivelmente, encurtamento ou alongamento das sessões podem ser importantes para atender às necessidades de alguém no espectro do autismo (Cooper, et.al., 2018; Espanha et.al. (2015). Dania Jekel, Diretora Executiva da AANE (Asperger / Autism Network).

Você provavelmente está lendo este artigo porque está frustrado, infeliz e / ou confuso sobre o comportamento de seu parceiro no espectro do autismo. Pode ser um novo diagnóstico para seu parceiro. Você está buscando informações e suporte. Pode ser muito difícil, neste momento, pensar em coisas que seu parceiro faz bem e apreciar suas potencialidades. 

Lembre-se de observar e reconhecer seus pontos fortes e os pontos fortes de seu parceiro em todas as oportunidades.

Este artigo tem como objetivo oferecer informações básicas, dicas e ferramentas para fortalecer seu relacionamento com seu parceiro no espectro do autismo.

A jornada de cada um é única. Algumas questões, como paternidade, férias em família e questões relacionadas ao emprego, não foram abordadas neste artigo.

Abaixo estão alguns recursos que você pode desejar obter para obter mais informações. Com as ferramentas, o compromisso e o apoio certos, você e seu parceiro podem ter um relacionamento duradouro, positivo, gratificante e amoroso.

Assista o vídeo: A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO DE AUTISMO NA VIDA ADULTA

https://www.canalautismo.com.br/noticia/documentario-stimados-autistas-conta-experiencia-de-adultos-autistas/

Referências bibliográficas:

Ariel, C. (2012). Amando alguém com síndrome de Asperger: compreender e se conectar com seu parceiro. Oakland, CA: New Harbinger Publications, Inc.

Aston, M. (2009). A apostila do casal Asperger: conselhos práticos e atividades para casais e conselheiros. Filadélfia, PA: Jessica Kingsley Publishers.

Aston, M. (2014). A outra metade da síndrome de Asperger (transtorno do espectro do autismo): um guia para viver em um relacionamento íntimo com um parceiro que está no espectro do autismo (2ª ed.). Filadélfia, PA: Jessica Kingsley Publishers.

Attwood, T., Evans, CR, & Lesko, A. (Eds.). (2014). Já estive lá, fiz isso – experimente isto!: Guia de um Aspie para a vida na Terra. Londres; Filadélfia, PA: Jessica Kingsley Publishers.

Bentley, K. (2007). Sozinhos juntos: Fazendo um casamento Asperger funcionar. Filadélfia, PA: Jessica Kingsley Publishers.

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

A QUESTÃO DO DIAGNÓSTICO NA VIDA ATUAL

“Tenho ideias, mas que fazer com elas… partilhar…. pensar alto…. prosear…. como fui inventando meu modo de vida?  Parece que o fazer, às vezes é

30 respostas

  1. Meu namorado é autista. Meu Deus. Como é difícil. Ele descobriu quando estávamos com 2 anos e meio de namoro. Quer pedir minha mão em casamento, chora, mas morre de medo. Quer ter filhos, mas morre de medo. É muito complexo. Sem amor, jamais daria certo.

    1. Bom dia, Sabrina
      Muito Obrigada pelo seu comentário.
      Sou especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas típicas e neurodiversas.
      Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.
      Maiores informações e agendamento da consulta somente pelo meu WhatsApp (13) 991773793.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  2. Esse artigo me fez pensar em muitas coisas. Vou em busca do diagnóstico do meu marido porque tá cada dia mais difícil a convivência. Principalmente depois da pandemia que tivemos covid, ele piorou muito.

    1. Boa tarde! Eveline
      Fico feliz em tê-la ajudado.
      Muito obrigada pelo seu comentário.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  3. Boa noite
    me chamo Sirlei, estou com meu namorado a quase 9 anos , e recentemente ele me falou que é autista. No momento eu fiquei meio em choque, mas só assim entendi muitas coisas, comecei a ler muito sobre isso , para saber lidar com a situação
    Pois eu o amo demais e quero lutar por esse amor
    sem saber de nada, eu já sempre respeitei o espaço dele, e quero fazer o melhor para que nós dois tenhamos uma boa convivência, pois pensamos em casar em breve.

    1. Bom Dia! Sirlei
      Fico feliz em tê-la ajudado.
      Muito obrigada pelo seu comentário.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  4. Olá. Meu nome é Débora. Tenho 2 filhos ( 23 e 14 anos). Estou com meu esposo num total de 28 anos, sendo 17 casados. Faz apenas 10 dias q caiu minha ficha sobre meu esposo ser autista, algo q nunca passou pela minha cabeça. Eu desconfiava de algum distúrbio mental ou algo assim, menos o autismo. Como fui cega e ignorante, meu Deus. Agora estou perdida, sem ação, pelo 1° impacto. Aqui onde moro não conheço profissionais especializados em autismo. Será uma longa jornada. Confesso q estou com muito medo, e toda família precisará de ajuda profissional pelos anos de “abandono” e falta de empatia q vivemos tanto como pai, como esposo tb. Q tristeza sinto agora!! E eu achava q meu casamento já tinha nascido falido!! Todos os 22 itens do artigo acima é todo q vivi e vivo!

    1. Bom Dia! Débora
      Fico feliz em tê-la ajudado.
      Recomendo que realize Avaliação Neuropsicológica para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista.
      Entre em contato comigo pelo whatsapp 13 991773793, que enviarei as informações do atendimento online.
      Muito obrigada pelo seu comentário.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  5. Olá. Meu nome é Débora. Tenho 2 filhos ( 23 e 14 anos). Estou com meu esposo num total de 28 anos, sendo 17 casados. Faz apenas 10 dias q caiu minha ficha sobre meu esposo ser autista, algo q nunca passou pela minha cabeça. Eu desconfiava de algum distúrbio mental ou algo assim, menos o autismo. Como fui cega e ignorante, meu Deus. Agora estou perdida, sem ação, pelo 1° impacto. Aqui onde moro não conheço profissionais especializados em autismo. Será uma longa jornada. Confesso q estou com muito medo, e toda família precisará de ajuda profissional pelos anos de “abandono” e falta de empatia q vivemos tanto como pai, como esposo tb. Q tristeza sinto agora!! E eu achava q meu casamento já tinha nascido falido!! Todos os 25 itens do artigo acima é tudo q vivi e vivo!

    1. Bom Dia! Débora
      Fico feliz em tê-la ajudado.
      Recomendo que realize Avaliação Neuropsicológica para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista.
      Entre em contato comigo pelo whatsapp 13 991773793, que enviarei as informações do atendimento online.
      Muito obrigada pelo seu comentário.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  6. Boa tarde,
    Ontem tomei consciência que estou num relacionamento com um homem autista (penso que num estádio mais ligeiro). Temos cerca de 6 meses de relacionamento e as diferenças que venho notando são tantas que me levaram a pesquisar e cheguei ao autismo. Não sei como lidar com isto, mas o alheamento, falta de capacidade empática e dificuldade de entrosamento e conexão estão a deixar-me deaconcertada. Gosto dele mas estou um pouco assustada com esta novidade. Ele está consciente de algumas diferenças mas não associa a autismo. Há algum grupo de partilha de experiências online? Já li e vi documentários mas estou receosa, onde me estou a meter 🥴

    1. Bom Dia! Maria
      A recomendação é que ele tenha acompanhamento de psicoterapia especializada em autismo e com psiquiatra.
      Recomendo que você busque psicoterapia com psicologo especializado em autismo para ajudá-la.
      Entre em contato comigo pelo whatsapp13 991773793 que enviarei as informações de psicoterapia online para mulheres neurotípicas casadas com homens autistas.
      Fico feliz em tê-lo ajudado.
      Desejo muito sucesso para você!!
      Muito obrigada pelos seus gentis comentários.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  7. Olá, me chamo Juliana, sou enfermeira e casada ha 11 anos. Meu esposo possui todas as características mencionadas no texto, temos uma filha de 5 anos juntos e é muito difícil conviver com alguem que nao tem o diagnóstico. Eu sempre soube que há algo errado. Por exemplo, a dificuldade de contato físico, de diálogo, falta do olhar…as vezes nos sentimos sobrecarregadas e perdidas num relacionamento que parece sempre faltar afeto, atualmente estou tratando distúrbio ansioso depressivo, como é difícil meu deus! Nao ter as ferramentas para ajuda lo

    1. Bom Dia! Juliana
      Sim. desafiador!!! Você precisa procurar psicoterapia para ajudá-la.
      Fico feliz em tê-la ajudado.
      Desejo muito sucesso para você!!
      Muito obrigada pelos seus gentis comentários.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  8. Olá sou a Sirlei
    2 meses atrás fiz um comentário aqui , foi quando meu namorado havia me falado que é autista
    Hoje venho falar novamente , estou apavorada tudo mudou, acho que eu mudei e não estou sabendo lidar mais com essa situação
    Procurei ajuda psicológica , está cada dia mais difícil lidar com a solidão , que antes parecia ser coisa da minha cabeça.

    1. Bom Dia! Sirlei
      A recomendação é que procure psicoterapia para ajudá-la, como está recomendado nos artigos publicados.
      Entre em contato comigo pelo WhatsApp 13 991773793, que enviarei as informações sobre psicoterapia online para ajudar mulheres casadas com homens autistas.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  9. Olá tudo bom? Eu vim aqui agradecer muito esse site e esse artigo! Estou a 1 ano e 6 meses com um namorado, e ele é Espanhol! A diferença de personalidade e nacionalidade me fez ficar analisando por muito tempo pra entender algumas coisas! Fiz psicoterapia por muito tempo antes de conhecer-lo e muitas outras práticas de autoconhecimento, e creio que isso me deu alguma sensibilidade para ver que havia algo diferente, fiquei tentando identificar o que, e já nos primeiros meses pensei em autismo, talvez num grau leve, pedi pra minha mãe que é psicóloga tentar sentir, isso e essa dúvida me acompanhando. Faz 6 meses que estamos em crise, tentei terminar 3 vezes mas não consegui porque ainda tenho sentimentos, mas vejo a falta do olhar no olho, o hiperfoco no trabalho, que é desenho, e as vezes fugir para o desenho quando existe conflito, vejo dificuldade de ele entender seus sentimentos e minhas necessidades. Falei com ele esses dias por algumas dificuldades que ele dizia, “sera que voce nao tem algo” e ele disse, “voce acha que tenho autismo!” Parece que foi dificil pra ele pensar. Mas lendo aqui creio que ele pdoe ter num grau mais leve! Eu continuei pensando nisso e hoje coloquei no Google e achei você! Só gratidão! Eu tenho tido muita ansiedade, dias de depressão por estar insatisfeita na relação, não sentindo as minhas necessidades atendidas, e não sei mais o que fazer! Busquei terapia pra ele, mas ele fez uma sessão e não gostou! Eu estou buscando terapia pra mim novamente porque tenho vivido dias muito angustiantes e ansiosos! Queria ajuda! E já agradeço
    Dhyana

    1. Bom dia! Dhyana
      Muito obrigada pelos gentis comentários.
      Para informações de psicoterapia online comigo, entre em contato por WhatsApp 13 991773793 que minha secretária enviará todas as orietações.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  10. Vivo na Alemanha a 40 anos e a 2anos e meio conheci um homen perfeito q queria casar no 3 dia.
    Ate q ele disse q tinha um pouquinho de Asperger. Eu na epoca do lockdaown nem tive tempo de pensar o q seria isso ate que outros disturbios seria p .mim o mais certeiro c a sua forma de ser. narcisista foi minha primeira ideia.
    Ai comecei a fazer Recherche e sei quase tudo sobre o disturbio.
    Nis 2 anos tivemos muito Problemas e eu o mandei p um psiquiatra e tomando remedio p a ansiedade e dormir melhor e assim fomos indo. O casamento eu sempre adiando. Ai a 6 semanas tive um Burnout e fiquei c ele 7 semanas direto ou no meu spto ou no dele e me apaixonei por ele. So q de vez em quando ele me desaponta muito fico triste e ai ele volta pede desculpa e vamos vivendo.
    Estamos montando uma empresa juntos e estou c medo desta responsabilidade so ficar pra mim.
    P vcs sauberem ele e fisico promovido e advogado de patente e musico
    E uma posicao altissima em uma multinacional. Agora vem:!!! A coincidendia:
    Hoje encontrei minha filha, managerin e a muitos anos procurado um parceiro e ela disse mae conheci alguem.
    Eu feliz , ela mostrou a Foto do cara lindissimo bem posicionado e ela disse Tem um Problema ele tem um disturbio de Asperger. E ela sabe poquissimo da minha relacao.
    Ela disse q Leu muito sobre o aspektro e nao quer ter este Projekto de vida.
    Cheguei em casa procurei no Internet sobre Asperger e encontrei este site e fiquei c medo da minha relacao
    Porfavor me de um contato p termos uma conversa sobre o q vcs podem me orientar sobre minha situacao.

    Agradeco muitissimo

    1. Bom dia! Vera
      Entre em contato comigo pelo WhatsApp 13991773793 que minha secretária enviará todas as informações sobre consulta psicológica on-line.
      Muito obrigada pelos gentis comentários.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

  11. Comecei a namorar com um rapaz há 1 ano e 4 meses, percebi desde o início que havia algo de diferente, mas achava peculiar e até fofinho.
    Ele era gentil, educado, respeitoso, e continua sendo após esse tempo. Mas várias coisas mudaram conforme fui conhecendo e percebi que aquele algo diferente poderia ser TEA.
    A questão de isolar-se bastante, não ter muitos amigos e não apreciar muito estar entre pessoas, dificuldade com entender meu ponto de vista, não saber fazer carinho (parece algo mecânico e regrado), rigidez cognitiva com determinados assuntos (tudo que eu faço está errado porque não foi assim que ele aprendeu), hiperfocos, dificuldade em enterder as coisas subjetivas, tudo precisa ser explicado claramente, racional demais em tudo e até uma certa frieza, distanciamento, só consegue falar de si mesmo e do seu mundo… entre outras coisas que não recordo.
    Mas a questão é que por mais que eu ame ele, estou me desgastando demais neste relacionamento, tenho crises de ansiedade pois a rigidez é tão grande em determinados assuntos que fico angustiada. Diariamente me sinto agoniada, o peito dói de tanta ansiedade e me pego pensando se vale a pena todo esse esforço. Realmente é difícil de lidar, e de uma forma que nunca imaginei que seria desde as desconfianças iniciais.
    Queria uma família, ter filhos, mas não sei se o desgaste não seria imenso em função de todas as questões que vem junto.
    Me chamou muito a atenção, a frase de alguém que comentou, que sem amor realmente não teria como. E realmente, não daria certo, tento todos os dias me apegar aos momentos bons, aos pontos positivos e sigo tentando fazer dar certo.
    Cheguei a esta página em busca de uma luz, de algo que me ajudasse a entender melhor.
    Realmente, gostei muito e agradeço.
    Ao ler os comentários, pude perceber também que não estou sozinha nesses sentimentos e angústias de um relacionamento com um autista.

    1. Bom dia! Maria Luiza
      Recomendo que procure apoio de psicoterapia individual presencial ou on-line.
      Entre em contato comigo por WhatsApp 13 991773793 que minha secretária enviará as informações necessárias.
      Muito obrigada pelos gentis comentários.
      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

    1. Boa tarde! Lucimara
      Muito obrigada pelo gentil comentário!!!
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504mailto:marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida.9

    1. Boa tarde! Roberta
      Agradeço os gentis elogios!!!
      Muito obrigada!
      Um abraço carinhoso e inclusivo.

      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504mailto:marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida

  12. Bom dia!
    Esse artigo chegou pra mim como uma luz no fim do túnel. Que conteúdo rico e maravilhoso.

    Estou casada há 3 anos, casamos durante a pandemia e comportamentos como: isolamento, hiperfoco, “frieza” emocional começaram a ficar claros. Nunca imaginei que poderia ser autismo!

    O primeiro ano do meu casamento foi terrível, tinha diversas crises de ansiedade e ele sempre “sem entender” pq eu sofria tanto e sem conseguir demonstrar empatia. Por mais que a gente conversasse, o meu desespero só aumentava ao longo dos meses.

    Cheguei a pensar que era coisa da minha cabeça e que estava ficando louca.

    E já que ele é uma pessoa boa, honesta, trabalhador, responsável e que todos ao redor amam; comecei a julgar esse comportamento dele em casa como algo premeditado e maldoso.

    Esse artigo abriu uma luz linda na minha mente! Me fez lembrar pq eu me apaixonei pelo meu esposo e as suas qualidades.

    Por causa da ansiedade e depressão que desenvolvi depois do casamento, estou fazendo acompanhamento terapêutico e ele que também está muito preocupado com o nosso casamento, começou a fazer, e a profissional que está nos ajudando que o alertou sobre a possibilidade de autismo e a procurar um profissional experiente nesses casos.

    Se o diagnóstico for confirmado, que a gente consiga lidar juntos com todas as dificuldades. Amei o fato de você fazer um artigo parcial, sem incentivar o divórcio nesses casos.

    Obrigada querida ❤️❤️ Saiba que você me deu um abraço apertado hoje e devolveu as minhas esperanças de dias melhores…

    1. Boa tarde! Alana
      Realizo avaliação neuropsicológica para Autismo ou TDAH, contato somente pelo WhatsApp (13) 991773793, que minha secretária enviará todas as informações.
      Não atendemos nenhum convênio, somente particular.
      Muito obrigada pelos comentários!!

      Um abraço carinhoso e inclusivo.
      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504mailto:marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida

  13. Bom dia, muito esclarecedor essa publicação, obrigada por compartilhar, meu esposo foi diagnosticado a 2 meses, todos estamos em terapia, individual e casal. Tenho uma filha tb de 10 anos, mas lidar com ela pra mim é simples, com ele, ainda estou em busca de compreender tudo. Não é fácil, porque nos mulheres tb temos as nossas feridas. Cada dia entendo mais e assim conseguirei prosseguir com minha família.

    1. Boa tarde! Ana Paula
      Agradeço seu gentil comentário e fico feliz em tê-la ajudado!!!
      Um abraço carinhoso e inclusivo.

      Att.
      Marina S. R. Almeida
      Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar
      Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista
      CRP 41029-6
      INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL
      Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504mailto:marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP
      CEP 11310-071
      marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br
      http://www.institutoinclusaobrasil.com.br
      https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
      https://www.facebook.com/marina.almeida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×