DIAGNÓSTICO DE AUTISMO EM MULHERES ADULTAS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

O transtorno do espectro do autismo – TEA é uma condição que afeta a maneira como as pessoas se comportam, socializam e se comunicam com os outros. Este distúrbio é comumente referido simplesmente como autismo.

O autismo costumava ser dividido em subtipos, como a síndrome de Asperger, mas agora é tratada como uma condição com um amplo espectro de sintomas e gravidades conjuntas.

A psicóloga Marina Almeida, é especialista em Transtornos do Espectro Autista, se você desejar marcar uma entrevista diagnóstica on-line ou presencial, para maiores informações entre em contato pelo WhatsApp (13)991773793.

Os sintomas do autismo e sua gravidade diferem entre os sexos?

Entre as crianças, o autismo é sobre quatro vezes mais comum em meninos do que em meninas. As meninas na infância dificilmente, são agressivas e ou disruptivas, costumam ficar mais introspectivas e quietas. Geralmente a crise de desadaptação afetiva, social, sexual, de valores e de orientação vocacional será na adolescência e idade adulta.

No entanto, um Estudo de 2013 envolvendo quase 2.500 crianças com autismo sugere que muitas vezes não é diagnosticado em meninas. Isso poderia explicar por que o autismo parece ser mais comum em meninos.

Por que o autismo geralmente não é diagnosticado em meninas?

O autismo nas mulheres é realmente diferente do autismo nos homens?

O Transtorno do Espectro Autista em mulheres

Geralmente encontramos alguns destes indicadores de fenótipos comportamentais:

1. Foco intenso em uma pessoa, banda, celebridade, outros

As mulheres com TEA demonstram interesses muito intensos, mas, embora possam se concentrar em objetos, é mais provável que o foco esteja nas pessoas. Apresentam comportamentos introspectivos, infantilizados e inocentes. As meninas que crescem com TEA podem ficar obcecadas por uma celebridade ou banda na medida em que precisam conhecer todos os fatos sobre elas. Algumas mulheres que estão em relacionamentos afetivos ficam tão focadas em seus parceiros que podem perdem de vista suas próprias necessidades e acabam entrando em graves sofrimentos psíquicos e isolamento social.

Como o foco em celebridades, filmes, bandas e pessoas é visto como mais “normal” do que em coletar modelos de carros, dinossauros, ficarem jogando vídeo games e desmontando coisas, isso contribui para o fato de que meninas e mulheres podem deixar de ser diagnosticadas com TEA precocemente.

2. Ansiedade e depressão

Muitas mulheres podem ser diagnosticas com ansiedade e depressão. Ter TEA e tentar se encaixar em um mundo neurotípico é difícil, e as mulheres podem ficar deprimidas e ansiosas como resultado de constantemente lutar para lidar com coisas que muitas pessoas acham mais fáceis. Sem um diagnóstico de TEA, é fácil julgar a si mesmo com severidade e é fácil para outras pessoas entenderem você mal, o que pode levar a sentimentos de baixa autoestima, ansiedade e depressão. 

3. Não gostar de roupas desconfortáveis

Muitas crianças com autismo têm problemas sensoriais relacionados à roupa, incluindo sensibilidade a tecidos, texturas, etiquetas e conforto. Mulheres adultas com TEA podem continuar sendo sensíveis quando se trata de usar roupas desconfortáveis e podem escolher conforto e do que em função em vez de estilo.

4. Falta de contato visual

Como em outros aspectos da interação social, muitas mulheres aprenderam a fazer contato visual e se forçarem a fazê-lo, mas não é algo que vem naturalmente e pode ser bastante cansativo. 

5. Sintomas menos graves do que homens com TEA

Meninas com TEA podem apresentar sintomas menos graves do que meninos. Isso pode ser o resultado de vários fatores, incluindo um desejo mais forte de aprender maneiras socialmente aceitáveis de agir e reprimir certos comportamentos de TEA. As meninas com TEA também podem simplesmente ser vistas como mais “caladas” – uma qualidade que é considerada em si mesma como mais socialmente aceitável. 

6.Confusão

Muitas mulheres com TEA podem se sentirem confusas, ingênuas e encarar as pessoas com medo, insegurança e afastamento social. Muitas pensam que foram rudes, egoístas ou inapropriadas, quando estavam tentando fazer seu melhor, mas foram mal compreendidas e não souberam dialogar sobre os equívocos sociais e de como se sentiram.

7.Reconhecimento facial ruim

Também podem ser comuns, o que resulta em confusão regular quando pessoas que são completamente desconhecidas para iniciar uma conversa. Por consequência, podem se afastar de pessoas amigas honestas e solidárias – mas como uma mulher mais jovem, a confusão social, em particular, significava que pode estar mais vulnerável à manipulação e ficar muito magoada com as ações dos outros, pois não consegue entender o que está por trás das relações sociais. 

Devido à diferença nos sintomas de TEA das mulheres e porque as mulheres podem aprender a mascará-los sob um verniz de comportamentos neurotípicos copiados, as mulheres com TEA são algumas vezes chamadas de “camufladas” , “mascaram seus comportamentos”. Isso contribui para o fato de tantas mulheres passarem a vida sem diagnóstico. Esperançosamente, à medida que a compreensão do TEA em mulheres pode aumentar, e os critérios de diagnóstico se tornarão mais abrangentes, mas não menos complexo.

É importante observar que os estudos que analisam as diferenças entre o autismo em mulheres e homens têm sido muito pequenos e com poucas evidências científicas. Os especialistas ainda não têm nenhuma informação definitiva sobre essas diferenças, incluindo se são reais ou apenas como resultado de camuflagem que dificulta o diagnóstico precoce.

Muito importante considerar:

  • Muitos aspectos do Transtorno do Espectro Autista em homens e mulheres por si só, podem não ser autismo, mas podem ser neuroses, psicoses, esquizofrenia, funcionamento borderline e ou são quadros psiquiátricos/neurológicos, e ou pessoas que nunca fizeram psicoterapia, e ou realizado acompanhamento medicamentoso corretamente.
  • Via de regra, muitas pessoas se identificam que são autistas porque tem alguns indicadores que leram na internet, fizeram em testes de internet, Quiz de Asperger, etc. Estas pessoas geralmente não são de fato autistas, pois a estrutura de personalidade não está dentro de um fenótipo de TEA e não apresentam dados genéticos que sustentariam o quadro diagnóstico.
  • O autismo é uma condição heterogênea, apresenta-se de forma diferente em cada pessoa.
  • As pesquisas mostram que todos nós temos algum tipo de retração e ou defesas autistas ou traços de autismo, mas não é uma pessoa com TEA. Portanto, o autismo é um quebra-cabeça de 100 peças, todos no planeta têm algumas ou algumas peças. Aqueles que têm 60 peças teriam o Fenótipo de Autismo Mais Amplo e aqueles com 80 ou mais peças são diagnosticáveis ou diagnosticados com TEA.
  • O autodiagnóstico não é igual a um diagnóstico formal por profissionais especialistas em autismo.
  • Algumas pessoas que realizam o autodiagnóstico não têm autismo ou síndrome de Asperger e outras sim.
  • Pode haver autodiagnóstico falso positivo.
https://www.healthline.com/health/autism-in-women#takeaway

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line: WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

LIVROS PSICANÁLISE PDF PARA DOWNLOAD GRATUITO

A Coleção Passo-a-Passo Psicanálise aborda temas como depressão, melancolia, relação entre mitologia e inconsciente, além, claro, da relação entre Filosofia e Psicanálise, já que desde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Conversar Agora