COMO DIZER AO NAMORADO, PARCEIRO OU ESPOSO AUTISTA QUE ESTÁ GRÁVIDA

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Segundo as informações da Spectrum News (2018), o ambiente inicial do bebê – o útero – é crítico: como o cérebro fetal produz cerca de 250.000 neurônios a cada minuto durante a gravidez, as experiências que interferem nesse processo podem afetar o cérebro em desenvolvimento de maneira duradoura.

Estudos associaram o autismo a vários fatores na gravidez, entre eles a dieta da mãe, os medicamentos que ela toma e suas condições mentais, imunológicas e metabólicas, incluindo pré-eclâmpsia (uma forma de pressão alta) e diabetes gestacional. Outros trabalhos preliminares implicaram na qualidade do ar que ela respira e dos pesticidas aos quais está exposta. E algumas pesquisas sugerem que as complicações do parto e o momento do parto também podem desempenhar um papel.

A relação entre muitos desses fatores e o autismo ainda é especulativa. “Essa questão de causalidade é um fardo muito difícil de cumprir”, diz Brian Lee, epidemiologista da Universidade Drexel, na Filadélfia. Isso geralmente é verdade para pesquisas sobre exposições ambientais, e particularmente para estudos em mulheres grávidas: os pesquisadores não podem expor eticamente as mulheres grávidas a possíveis riscos; estudos observacionais podem apenas identificar correlações, não causas; e os resultados dos estudos em animais nem sempre extrapolam para as pessoas.

Mas os pesquisadores estão começando a descobrir os fios biológicos que unem algumas dessas exposições pré-natais. Muitos afetam vias bioquímicas comuns anteriormente implicadas no autismo, como aquelas que envolvem inflamação e imunidade aberrante na mãe e no bebê. Cada um pode apenas “contribuir um pouco de risco aqui e ali”, diz Lee, mas é crucial tentar entender como todas as peças se somam.

Também pode ser que certas combinações de fatores – várias exposições ambientais seguidas, talvez, ou uma exposição específica junto com uma suscetibilidade genética – sejam necessárias para inclinar o desenvolvimento do cérebro de uma criança para o autismo. Um estudo de 2016, por exemplo, descobriu que em camundongos, a infecção materna pode modular os efeitos de genes ligados ao autismo, incluindo CNTNAP2 . “Estamos começando a juntar coisas que nunca pensamos em combinar”, diz Van de Water. “Você tem pessoas trabalhando juntas que nunca necessariamente se cruzariam.” Como parte desses esforços, os pesquisadores estão procurando biomarcadores fetais e infantis do autismo, como perfis irregulares de citocinas, anticorpos antifetais e marcadores de estresse oxidativo, que podem abrir as portas para intervenções mais precoces e eficazes.

Segundo, Tasha Rube, LMSW, descobrir que está grávida é uma experiência que mudará sua vida, fazendo com que várias emoções a tomem de assalto. Não importa se já estava tentando conceber ou é algo totalmente inesperado: todas as mulheres vão pensar em como falar sobre o assunto com o namorado. É normal ficar um pouco nervosa, devido à importância da conversa; no entanto, leia os Passos abaixo para que o papo seja construtivo.

Você poderá utilizar uma história social com imagens do Wikihow para ajudar na comunicação da gravidez:

Como Dizer ao seu Namorado que Você Está Grávida

1.Reflita sobre seus sentimentos. Ao descobrir a gestação, é normal se sentir animada, assustada, surpresa ou ansiosa (ou tudo ao mesmo tempo); antes de compartilhar a notícia com seu namorado, leve os próprios sentimentos em consideração.[1]

  • Depois de superar o choque inicial, faça algumas perguntas a si própria. Por exemplo: “Como eu me sinto em relação a essa gravidez?”
  • Você também pode pensar: “Como isso mudará minha vida? E a vida do meu namorado?”
  • Tente prever a reação dele. É óbvio que você deseja que essa pessoa a apoie, mas será que ela se animará em ter um filho?

2.Planeje o que dizer. Caso desconfie que a gestação será uma boa notícia para o namorado, será possível saber um pouco melhor como informá-lo. Tem certeza de que ele ficará feliz? Que tal se concentrar em fazer uma surpresa, algo divertido, como comprar um brinquedo de criança e dar para seu companheiro de presente? É uma maneira criativa de dar a notícia. [2]

É compreensível e normal ficar nervosa se não planejavam conceber um filho.

Dedique um tempo para pensar em relação aos objetivos da conversa. Por exemplo: você quer apenas apoio psicológico? Ou também suporte financeiro por parte dele?

  • Depois de esclarecer as metas, reflita também sobre a conversa. É algo muito importante, portanto, anote tudo para não se esquecer do que deseja falar.
  • É uma boa ideia treinar um pouco na frente do espelho. Fique parada na frente dele e diga: “Renato, estou grávida. Eu sei que é uma grande surpresa para você, mas me sinto felicíssima com isso.”
  • Esse “ensaio” na frente do espelho poderá deixá-la mais calma e confiante, além de ajudar a colocar seus próprios sentimentos no lugar.

3.Escolha a hora certa. A conversa sobre sua gravidez é importantíssima, logo, é fundamental definir um momento em que poderão discutir sem nenhuma interferência ou pressa. Aborde o assunto quando ambos estiverem com tempo.[3]

Programe um momento para conversar com o namorado. Diga, por exemplo: “André, tem algo importante que gostaria de falar com você. Quando poderá conversar com calma, nos próximos dias?”

  • Independentemente de ser uma notícia boa ou ruim, é necessário permitir que o parceiro tenha tempo para “processar” essa informação. Não mande uma mensagem quando ele estiver saindo para a faculdade ou antes de vocês irem trabalhar.
  • Escolha um momento em que ambos estão descansados. Será ruim falar sobre esse assunto depois de um dia exaustivo de trabalho ou quando estiverem se aprontando para dormir.

4.Fale de forma clara, deixando explícito sobre o que a conversa será. A gravidez envolve ambos, mas o corpo é seu; não tenha medo de dizer exatamente como se sente em relação a essa gestação. [4]

  • Por exemplo: para contar a ele de uma forma criativa e “bonitinha”, deixe claro que está animada com a vinda de um filho.
  • Uma boa opção é preparar um “chá de revelação” para o homem ficar sabendo da vinda do filho. Só não fique dando indiretas: diga logo o que o companheiro deverá saber.
  • Quando a gestação for inesperada, exprima seus sentimentos sem se acanhar. Fale, por exemplo: “Léo, descobri que estou grávida. É algo que me assustou e não sei como lidar com isso.”

5.Tenha respeito à reação do namorado. Lembre-se de que você teve um tempo um pouco maior para compreender essa notícia importante; seu companheiro só descobrirá isso no momento que informar a ele. A primeira reação pode não ser aquilo que esperava.[5]

  • Mesmo se estavam tentando conceber, pode ser uma grande surpresa, para um homem, descobrir que será pai. Não se irrite se a reação inicial dele for de choque.
  • Dê um tempo para que a pessoa “compreenda” o que acabou de ouvir. Fale para o namorado dar um passeio no quarteirão se ele disser que precisa de uns minutos para colocar a cabeça no lugar.
  • Cada um “processa” as informações de maneira diferente, e você deve saber disso. Diga que os sentimentos dele são válidos.

6.Saiba como agir em caso de conflito. Quando a reação do parceiro não for positiva, é possível que o controle da situação seja perdido; talvez você fique desapontada por constatar que ele não apoia a gestação. Há algumas maneiras de lidar com a situação de maneira eficaz.[6]

  • Ouça as justificativas. Faça perguntas específicas ao namorado, como “Você nunca quis ter filhos, ou só não agora?”
  • Tente determinar a causa dessa reação. Diga, por exemplo: “Está preocupado que não teremos como sustentar um bebê?” Assim que entender qual o problema, vocês poderão se esforçar, juntos, para planejar o futuro.
  • Ao perceber que ele simplesmente não quer um filho de jeito nenhum — ao contrário de você —, será preciso expressar o que está sentindo. Diga algo como “Compreendo seus sentimentos, mas eu quero esse bebê e a escolha é minha, no final. A porta para continuarmos essa conversa estará aberta, saiba disso.”
  • Não se esqueça de que os hormônios podem fazer com que a mulher fique bastante emotiva durante a gestação. Dê a si mesma um pouco de tempo e espaço que considerar necessários para lidar com seus sentimentos.
  • Caso a reação inicial do namorado não seja a que desejava, você só ficará frustrada. Fale, por exemplo: “Eu entendo sua surpresa, e estou bem emocionada agora. Que tal pensarmos um pouco sobre isso e depois voltarmos a conversar?”

Planejando a gravidez juntos

1.Não tenha pressa para compreender o que tudo significa. Depois de informar o namorado, esposo ou parceiro, o próximo passo é planejar como lidar com essa situação juntos. Cada um deve dedicar um tempinho para refletir sobre os próprios sentimentos.[7]

  • Depois da primeira conversa, talvez seja melhor discutir outra coisa. Vocês não precisam planejar o resto da vida de imediato.
  • Fale, por exemplo: “É muita coisa para nós lidarmos de uma só vez. Acho que é melhor que voltemos a abordar isso amanhã.”
  • Relaxem um pouco. Coloque uma boa comédia para assistirem ou tire uma soneca. É um momento que causa grande pressão psicológica e não há problema algum em descansar.

2.Pesquise. Talvez você já estivesse aguardando a gravidez há muito tempo, ou seja, pode já ter planejado muitas coisas. No entanto, se for algo que a pegou desprevenida, é melhor informar-se bem.[8]

  • Converse com seu namorado sobre qualquer dúvida que tiver (e que ele apresentar, também). Seja honesta e franca em relação a qualquer preocupação ou expectativa.
  • É possível que você sequer saiba o que a gravidez realmente traz, além do bebê. Entre em sites que são de sua confiança e leia livros sobre o assunto.
  • Descubra quais as opções que o plano de saúde oferece. Consulte um bom ginecologista e descubra qual é a melhor clínica para acompanhá-la durante os próximos nove meses.
  • Sabemos que genitores que são autistas, tem mais chances de terem filhos com autismo, isso não quer dizer que terá um filho autista, mas há uma probabilidade maior de indicadores genéticos. Será importante consultar um geneticista para acompanhar seu caso.
  • A decisão é do casal de correr os riscos da gravidez, é uma decisão ética. Os dois devem estar cientes dos riscos e ter a disposição de arcar com as responsabilidades do futuro bebê, não há garantias.
  • Uma vez tomada a decisão, não tem como voltar atrás. Pense, repense, e pense de novo, até chegarem a uma decisão segura emocionalmente e consciente.
  • Se você decidiu levar adiante a gravidez, foque no positivo: pense que a maior chance ainda é de não vir um bebê autista. E que a medicina tem evoluído muito, as repostas terapêuticas também, portanto mesmo que seu bebê possa ser autista, hoje temos muitas intervenções terapêuticas de suporte a criança e aos pais.
  • A TISMOO – Exames Genéticos são Especialistas em Autismo, entre no site da empresa para obter maiores informações.
  • O risco de uma mulher de quarenta anos ter um filho autista é 50% maior do que aquele registrado no caso de uma mulher entre 25 e 29 anos de idade, segundo a pesquisa da Universidade da Califórnia (2010). O estudo mostra que enquanto a idade da mãe aumenta consistentemente o risco de autismo, a idade do pai só contribui para o aumento do risco quando o pai é mais velho e a mãe tem menos de 30 anos. Entre mães com mais de 30 anos, a idade do pai não parece influenciar o aumento do risco de autismo”, afirmou Janie Shelton, principal autora do estudo.
  • Amigos e parentes também podem ter boas indicações e recomendações; não deixe de falar com eles.

3.Leve todas as opções em consideração, já que precisam ser discutidas com seu namorado. Assim que souber que será mãe, é necessário analisar a atitude a ser tomada.[9]

  • Pense no que isso significará para você e seu namorado. Vocês possuem condições financeiras e psicológicas de criarem um filho? É algo que deseja de verdade?
  • A adoção é uma possibilidade. Caso julguem que não estão prontos para serem pais, o pequeno poderá ser colocado para adoção após nascer; saiba que isso é perfeitamente possível de acordo com as leis brasileiras.
  • Lembre-se de que o aborto não é permitido no Brasil, salvo poucas exceções.
  • A decisão final é sua, mas é sempre melhor discutir as opções com seu companheiro. Fale com parentes e especialistas para ter convicção em sua escolha.

4.Falem sobre os planos para o futuro. Ao contar isso para seu namorado, você pode aproveitar para começar uma “DR”: seja honesta sobre seus objetivos e planos, além de analisar como um “se encaixa” na vida do outro.[10]

  • É uma ótima hora para decidir se está pronta para se comprometer em longo prazo. Ambos precisam falar o quão envolvidos estarão na criação desse filho.
  • É possível que perceba que não é esse relacionamento que você quer. Diga ao namorado que, ainda assim, gostaria do apoio psicológico que ele pode dar.
  • A logística também deve ser levada em consideração. Quem pagará os procedimentos médicos? O parceiro a acompanhará ao ginecologista e aos exames? São todos aspectos importantes, dos quais não se deve esquecer.

5.Vá ao ginecologista para, antes de tudo, confirmar a gravidez. O especialista também poderá orientá-la melhor sobre o que fazer a partir desse momento, dependendo do estágio da gestação.[11]

  • Peça para que o namorado vá com você. Qualquer mulher que quiser que ele tome as decisões junto dela deve permitir que o homem possa se envolver.
  • Prepare-se para a consulta. Leve uma lista de dúvidas e perguntas.
  • Algumas questões possíveis são: “Devo tomar vitaminas pré-natais?”, “Esse cansaço é normal?” ou “Devo parar de realizar atividades físicas?”
  • Depois da consulta, discuta tudo com o companheiro. É fundamental que cada um exponha os sentimentos do momento, em especial ao se levar em conta as informações que receberem do ginecologista.

Cuidando do seu corpo

1.Tenha um “sistema de apoio”. A notícia da gravidez já fará com que vários sentimentos e pensamentos surjam; mudanças acontecerão, independentemente se planejava ou não se tornar mãe. Dessa maneira, ter pessoas que possam apoiá-la é ótimo.[12]

  • Conte a outras pessoas sobre a gravidez, não apenas a seu namorado. Pense, por exemplo, se sua mãe pode ajudá-la a analisar os próximos passos.
  • Você é a única que decide a quem e quando contará que será mãe. Não ache que precisa falar isso a todos antes de estar pronta.
  • O ginecologista também pode fazer parte desse “sistema de apoio”, em especial se já for um conhecido da família, sem falar nas informações que poderá fornecer e no auxílio a tomar decisões saudáveis.
  • Há muitos sites voltados para gestantes, seja a primeira gravidez ou não. Pesquise na internet. [13]

2.Descanse. O corpo passará por diversas mudanças, logo, é preciso se manter saudável e repousar muito. Quando se sentir cansada, também será mais complicado raciocinar e comunicar-se da melhor forma possível.[14]

  • Não se assuste se perceber que precisa descansar todo final de tarde. Deixe que o organismo repouse quando precisar.
  • Vá para a cama mais cedo, se necessário. Também é normal que sinta mais sono, já que o corpo trabalhará mais na gravidez.

3.Faça terapia. Não há nada de errado ao sentir bastante ansiedade após saber que será mãe, e falar com um especialista em saúde mental pode ajudar.[15]

  • Você pode também consultar um psicólogo ou terapeuta. Fale de todos os seus medos e anseios de forma franca e honesta.
  • Caso queira que o namorado também participe nessa parte do processo, chame-o para ir às consultas. Talvez até seja possível melhorar a comunicação entre vocês.

4.Controle o estresse. Não importa se você se preparou ou não para esse momento; o nervosismo deverá aparecer, e para o bem da sua saúde — tanto física quanto psicológica —, é importante não deixar que o estresse saia do seu controle. Do contrário, o bebê também poderá ser prejudicado.[16]

  • Faça um diário. Passar seus pensamentos para o papel é uma ótima forma de analisar seus sentimentos.[17]
  • Com ele, você poderá ver a “gangorra” de emoções pelas quais está passando. Além disso, você poderá descobrir objetivos para o futuro e como atender suas necessidades psicológicas.
  • A yoga, suas posturas e o alongamento que promove são ótimos para o corpo e mente.

Dicas

  • Dê tempo para ele processar a informação.
  • Lembre-se de que cada relacionamento é diferente. A sua experiência pode ser distinta de outras anteriores.

Referências:

http://www.hercampus.com/health/sexual-health/what-do-if-you-think-you-re-pregnant

http://www.parents.com/pregnancy/my-life/preparing-for-baby/fun-ways-to-tell-your-husband-you-are-pregnant/

http://www.huffingtonpost.com/robert-leahy-phd/relationship-communication_b_815699.html

http://www.babycentre.co.uk/x1043715/how-can-i-tell-my-boyfriend-im-pregnant

http://www.babycentre.co.uk/x1043715/how-can-i-tell-my-boyfriend-im-pregnant

http://www.cyh.com/HealthTopics/HealthTopicDetails.aspx?p=438&id=2768&np=460

https://www.huggies.com.au/pregnancy/early-stages/unplanned-pregnancy

https://www.plannedparenthood.org/learn/pregnancy/pregnant-now-what

https://www.plannedparenthood.org/learn/pregnancy/pregnant-now-what

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas típicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×