Compartilhe

Embora seja um desafio obter estatísticas precisas, o autismo frequentemente coocorre com pelo menos uma outra condição de saúde/saúde mental (Psychiatry Advisor).

O Transtorno Afetivo Bipolar- TAB é uma das condições que coocorrem com Autismo – Transtorno do Espectro Autista – TEA, em taxas mais altas (do que em comparação com a população em geral).

Estudos recentes sugerem que o autismo e o transtorno afetivo bipolar compartilham ligações genéticas e podem comumente ocorrer em famílias.

Outros estudos demonstraram ligações genéticas entre esquizofrenia, bipolaridade e autismo, e identificam que eles compartilham padrões de expressão genética semelhantes no cérebro (Zeliadt, 2018). Todos eles ativam certos genes nos astrócitos – células cerebrais em forma de estrela que desempenham funções-chave no sistema nervoso central. (Gandal et al., 2018)

Da mesma forma, todas as três condições suprimem genes que ajudam nas sinapses (o ponto de conexão entre as células nervosas do cérebro). Então, neurologicamente, eles têm semelhanças (e, portanto, há muitos traços sobrepostos das condições), e geneticamente eles estão conectados, o que significa que provavelmente coocorrem em taxas mais altas.

Diante disso, pode ser difícil discernir o que é uma sobreposição de traços bipolares e autistas em uma pessoa e o que é uma verdadeira coocorrência.

AQUI ESTÃO ALGUMAS TAXAS DE PREVALÊNCIA DE ESTUDOS RECENTES:

  • 30% dos jovens de 7 a 17 anos com transtorno bipolar também preencheram os critérios para autismo (Joshi et al., 2013).
  • 47,2% dos adultos com transtorno bipolar apresentaram um nível clinicamente significativo de traços autistas (Abu-Akel et.al, 2017).
  • 27% das crianças com transtorno global do desenvolvimento também eram bipolares (Raja & Azzoni, 2008) (em comparação com 4% da população geral).
  • O alto nível de sobreposição de características aumenta a probabilidade de erro de diagnóstico; assim, é difícil saber a verdadeira prevalência de autismo e coocorrência bipolar. No entanto, dada a ligação genética entre as duas condições, a coocorrência é mais comum do que entre a população em geral.

TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR E AUTISMO

O Transtorno Afetivo Bipolar, como o autismo, é considerado uma forma de neurodivergência. É caracterizada por variações de humor distintas entre mania e depressão. Os humores podem ciclar muito rapidamente ou ser mais prolongados e distintos um do outro.

Alguns episódios de humor terão “características mistas” onde eles experimentam elementos de “altos” e “baixos” em um único episódio ou têm ciclos rápidos de altos/baixos. Alucinações podem estar presentes durante a mania. Aproximadamente 2,8-4,4% da população dos EUA tem alguma forma de bipolaridade durante a vida (NIH)

OS SINTOMAS DO TRANSTORNO AFETIVO BIPOLAR INCLUEM:

  • Episódios maníacos distintos
  • Episódios hipomaníacos (semelhantes à mania, mas geralmente episódios mais curtos e podem parecer mais gerenciáveis)
  • Episódios depressivos
  • Episódios mistos (ambos os sintomas de mania e depressão estão presentes ao mesmo tempo ou em rápida sucessão)
  • Sintomas psicóticos (normalmente durante a mania, nem todos experimentam isso)
  • Sintomas associados à mania
  • Mais energizado do que o habitual, apesar de um desejo reduzido e capacidade de dormir
  • Sentindo-se tão hiper que a pessoa não age como o seu eu habitual
  • Experimentar ideias que mudam rapidamente, pensamentos acelerados incontroláveis ou tópicos que mudam rapidamente ao falar
  • Excesso de falar/falar mais rápido do que normalmente
  • Mais social e extrovertido do que o típico
  • Aumento da autoconfiança e grandiosidade (sentindo-se invencível ou no topo do mundo)
  • Um aumento nos níveis de atividade, engajamento ou inquietação. A pessoa pode trabalhar em vários projetos simultaneamente
  • Um aumento na irritabilidade e agressividade pode estar presente
  • Fala pressionada (aumentada ou mais rápida que o normal)
  • Envolver-se em comportamentos de risco (condução arriscada, práticas sexuais, substâncias ou gastos)
  • Aumento da impulsividade (relacionada a gastos, sexo, substâncias)
  • Alucinações (menos comuns)

OS SINTOMAS ASSOCIADOS À DEPRESSÃO BIPOLAR INCLUEM:

  • Redução ou perda de interesse em atividades anteriormente apreciadas
  • Fadiga e exaustão inexplicáveis
  • Sentindo-se intenso, esmagadoramente tristeza, sem esperança e inutilidade
  • Alterações no sono e apetite
  • Dificuldade de concentração e foco
  • Pensamentos de suicídio e morte

CARACTERÍSTICAS SOBREPOSTAS:

  • O fluxo de energia neurodivergente e as rápidas mudanças emocionais (tendência a experimentar emoções em extremos) podem parecer o fluxo e refluxo da mania/depressão.
  • Humor elevado ou deprimido: o humor elevado no autismo pode estar relacionado à energia de interesse especial, o humor deprimido pode estar relacionado ao esgotamento ou à depressão concomitante
  • Energia de interesse especial pode ser direcionada para pessoas (paixão/obsessões, isso também pode parecer energia maníaca)
  • Irritabilidade/agressão intensa: Frequentemente presente durante a mania, pode estar associada a sensibilidades sensoriais e meltdowns.
  • Falar em excesso: Presente na mania também pode estar presente com interesse especial, falar também pode ser uma forma de comportamento repetitivo
  • Distratibilidade: Relacionada à mania/depressão e relacionada às dificuldades executivas no contexto do Autismo
  • Tendência a “ter problemas” ou fazer coisas arriscadas: Característica da mania pode estar relacionada à impulsividade/função executiva no contexto do Autismo (particularmente entre crianças e jovens)
  • Atividades ou comportamentos repetitivos, como andar de um lado para o outro: podem estar relacionados ao excesso de energia na mania ou ao comportamento de estimulação no contexto do autismo
  • Distúrbios do sono: Perfil do sono Mania ou Autismo (o Autista sem bipolar terá maior probabilidade de ser perturbado/impacto/fadigado pela perda de sono)
  • Ser propenso a acidentes: impulsividade maníaca ou dificuldades visomotora
  • Pensamentos acelerados ou problemas para organizar pensamentos: Presente na mania ou pode estar relacionado a uma enxurrada de pensamentos no contexto de energia de interesse especial ou padrões de comunicação neurodivergentes
  • Sintomas de TOC comuns em ambos os grupos

CARACTERÍSTICAS SOBREPOSTAS:

Witwer e Lecavalier, 2010 descobriram que os sintomas associados à “mania” em crianças autistas de 7 a 17 anos eram manifestações de seus traços autistas. Alguns traços autistas relatados em um estudo de crianças autistas (7-17) que parecem mania incluem:

  • Episódios frequentes de humor elevado (30%)
  • Apresentando-se como “Muito irritável” (60%)
  • Falar em Excesso (50%)
  • Ritmo e atividade excessiva (43%)
  • Propensão a acidentes (44%)
  • Distração (43%)
  • Tendência a ter problemas (43%)
  • Distúrbios do sono
  • Sobreposição de riscos psicossociais

Além da sobreposição na expressão de traços/sintomas, compartilhamos muitos riscos psicossociais compartilhados – do abuso de substâncias à vitimização e ao risco de morrer por suicídio.

MAIOR RISCO DE SUICÍDIO

Pessoas com transtorno afetivo bipolar são 10 a 30 vezes mais propensas a morrer por suicídio do que pessoas sem bipolar (as pessoas correm maior risco durante um episódio misto) (Fries, 2020).

Aproximadamente 20% das pessoas com transtorno bipolar (principalmente não tratada) morrem por suicídio (Dome, et al., 2019). E 20-60% das pessoas com bipolar tentam suicídio pelo menos uma vez na vida ( Fries, 2020 ).

Um estudo longitudinal recente envolvendo 6,5 milhões de pessoas descobriu que os autistas eram três vezes mais propensos a tentar o suicídio e morrer por suicídio. As mulheres no espectro correm um risco maior do que os homens no espectro e as mulheres neurotípicas. Isso é notável, visto que na população geral o risco de morte por suicídio é maior para os homens (Bhandari, 2020). 

O suicídio foi particularmente alto entre jovens e adultos jovens. O suicídio também foi mais elevado para aqueles com transtorno de humor concomitante, como ansiedade ou depressão (Sul et al).

TAXAS MAIS ALTAS DE ABUSO DE SUBSTÂNCIAS

A presença de transtorno de abuso de substâncias entre pessoas com transtorno afetivo bipolar é de pelo menos 40%, mas alguns estudos encontraram até 60% da população (Cerullo, 2007).

Um estudo recente na Suécia descobriu que os autistas com quocientes inteligentes (QI) médios a altos eram duas vezes mais propensos a lutar contra o vício em álcool ou outras drogas. Entre os Autistas, as drogas às vezes são usadas para lidar com o estresse social e problemas sensoriais ( Szalavitz ).

Taxas mais altas de vitimização.

Pessoas com bipolar, particularmente mulheres, têm taxas mais altas de vitimização (28% no estudo de Darves-Bornoz , 1995), outros estudos colocaram taxas de vitimização tão altas quanto 1/3 das pessoas com bipolar.

Pesquisas recentes demonstraram que as mulheres autistas são mais propensas a serem sobreviventes de vitimização violenta.

Alguns fatores de risco incluem o desafio no raciocínio social, a falta de pistas contextuais e a tendência a levar as coisas ao pé da letra. Em um estudo, adultos autistas eram 7,3 vezes mais propensos a endossar ter sofrido agressão sexual de um colega durante a adolescência (Weiss e Fardella).

AMBOS OS GRUPOS TÊM UM RISCO ELEVADO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

A pesquisa demonstrou uma alta prevalência de transtornos alimentares entre pessoas com transtorno bipolar, particularmente jovens (McElroy et al., 2005).

O transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) foi considerado o transtorno alimentar concomitante mais comum com o transtorno bipolar (McElroy, et al., 2011).

A anorexia nervosa ocorre mais comumente com o autismo. Embora as taxas variem, a maioria dos pesquisadores concorda que cerca de 23% das pessoas diagnosticadas com anorexia nervosa são autistas. No entanto, muitos concordam que isso é provavelmente uma sub-representação devido ao fato de que o TEA muitas vezes não é diagnosticado nessa população (Westwood e Tchanturia)

Ambos os grupos têm um risco elevado de comportamento de automutilação; embora muitos médicos continuem a associar a automutilação ao Transtorno de Personalidade Borderline, também é comum entre pessoas com Bipolar e Autismo. Joyce et al., estudo de 2010 encontraram uma associação particularmente forte entre bipolar e automutilação.

A automutilação também é comum entre os autistas, pode ser uma maneira de o autista se acalmar ou se aterrar após a sobrecarga sensorial e a desregulação emocional. Um estudo descobriu que os pais relataram comportamento de automutilação entre seus jovens autistas em 15% dos casos (Huang).

A IMPORTÂNCIA DE DIAGNOSTICAR O TRANSTORNO AETIVO BIPOLAR E AUTISMO CONCOMITANTE

Por várias razões, é vital entender quando essas condições ocorrem simultaneamente. Os riscos psicossociais destacados acima são provavelmente exacerbados quando ambas as condições estão presentes.

A COOCORRÊNCIA TAMBÉM TEM IMPLICAÇÕES IMPORTANTES PARA OS MEDICAMENTOS:

Muitos Autistas têm transtornos do humor concomitantes e sintomas de TOC e, portanto, podem procurar medicamentos como um antidepressivo (SSRI). No entanto, para muitas pessoas com Bipolar, um ISRS pode piorar os sintomas da mania. Normalmente é recomendado evitar ISRSs no contexto de Bipolar (ou ter monitoramento próximo ao iniciar um ISRS) (Raja & Azzoni, 2008). Se uma pessoa é diagnosticada com autismo, mas sua bipolaridade permanece não diagnosticada, um prescritor pode iniciá-la com um SSRI sem reconhecimento do risco associado.

O lítio, amplamente utilizado no tratamento da bipolaridade, pode ser um medicamento altamente tóxico. Os corpos dos autistas podem ser mais sensíveis a mediações e tóxicos e, portanto, podem ter reações mais extremas. Quando uma pessoa toma lítio, é vital que ela se comunique com seus entes queridos e médicos sobre suas experiências com a medicação. Se uma pessoa autista luta com a interocepção (dificuldade em observar os sinais corporais) ou tem diferenças/dificuldades de comunicação é incapaz de se comunicar sobre os efeitos colaterais problemáticos da medicação, isso pode ser perigoso.

Alguns estudos sugeriram que, começando com medicação anticonvulsivante, medicamentos estabilizadores de humor com baixa dose são mais seguros para os autistas. Se o transtorno afetivo bipolar é diagnosticado, mas o autismo permanece não detectado, tais precauções em torno de toxicidade, efeitos colaterais e medicamentos podem ser desconsiderados (National Autistic Society UK).

Portanto, é provável que muitas pessoas tenham sido diagnosticadas com Bipolar enquanto seu Autismo não é detectado, e alguns Autistas provavelmente foram diagnosticados com Autismo, enquanto o Transtorno Afetivo Bipolar permanece não detectado. E provavelmente existem Autistas que não são Bipolares e foram diagnosticados erroneamente como Bipolares.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

AS PESSOAS MUDAM AO FAZER TERAPIA

Muita gente faz essa pergunta. Na verdade, mais de 3.000 pessoas em todo o mundo fazem está pergunta ao Google todo mês. É um fato que a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×