Compartilhe

O nome deriva do livro Pollyana, de 1913, de Eleanor H. Porter que descreve uma garota que faz o “jogo da felicidade” (“gladness game”) – procurando encontrar algo de que se alegrar em todas as situações. 

O romance foi adaptado várias vezes no cinema e na televisão. Um uso anterior do nome “Pollyanna” na literatura sobre psicologia foi em 1969 por Boucher e Osgood, que descreveram uma hipótese de Pollyanna como uma tendência humana universal para usar palavras positivas com mais frequência e de forma diversa do que palavras negativas na comunicação. 

Evidências empíricas para essa tendência foram fornecidas por análises computacionais de grandes corpos de texto.

A “Síndrome de Pollyanna” foi descrito por Margaret Matlin e David Stang em 1978 usando o arquétipo de Pollyanna, mais especificamente como uma síndrome psicológica que retrata a tendência positiva de que as pessoas têm quando pensam no passado.

De acordo com a Síndrome de Pollyanna, o cérebro processa informações que são agradáveis e confortantes de uma maneira mais precisa e exata em comparação com informações desagradáveis.

Na verdade, tendemos a lembrar de experiências passadas de maneira mais positiva do que realmente ocorreram.

Eles descobriram que as pessoas se expõem a estímulos positivos e evitam estímulos negativos, levam mais tempo para reconhecer o que é desagradável ou ameaçador do que o que é agradável e seguro, e relatam que encontram estímulos positivos com mais frequência do que realmente fazem.

Matlin e Stang também determinaram que a recordação seletiva era uma ocorrência mais provável quando a recordação era atrasada: quanto maior o atraso, mais recordação seletiva ocorreu.

A síndrome de Pollyanna também foi observada nas redes sociais online. Por exemplo, usuários têm preferência por compartilhar informações positivas e são mais frequentemente afetados de maneira emocional por elas.

No entanto, a Síndrome de Pollyanna nem sempre se aplica a indivíduos que sofrem de depressão ou ansiedade, que tendem a ter um realismo depressivo ou um viés negativo.

O melhor é procurar ajuda de psicoterapia online e dividir suas emoções com um profissional que poderá ser acolhedor em suas angústias e ansiedade.

Fontes:

http://alemdacontracapa.blogspot.com/2017/08/resenha-pollyanna.html

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

FENÓTIPO E COMORBIDADES NO AUTISMO

Cada vez mais se fala, nos estudos genéticos sobre autismo, sobre o fenótipo mais amplo, isto é, sobre características muito leves que podem ser vistas

DEPENDÊNCIA DA INTERNET

Você tem Dependência da Internet? Você joga videogame na Internet em excesso? Você está comprando compulsivamente online? Não consegue parar fisicamente de verificar o Facebook?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×