Compartilhe

Neurotípico é um termo usado para descrever indivíduos com desenvolvimento ou funcionamento neurológico típico. Não é específico para nenhum grupo em particular, incluindo o transtorno do espectro do autismo.

Em outras palavras, não é usado para descrever indivíduos com autismo ou outras diferenças de desenvolvimento.

Os termos “neurotípico”, “neurodivergente” e “neurodiverso” surgiram como uma forma mais abrangente de descrever o autismo.

Atualmente, esses termos não representam categorias médicas formais. Mas algumas pessoas na comunidade do autismo e no movimento da neurodiversidade os usam para promover a aceitação.

Pessoas que apoiam o uso de termos como neurotípico e neurodiverso acreditam que o autismo não precisa de cura. Eles acreditam que as diferenças que ela apresenta nas pessoas devem ser respeitadas e celebradas.

Eles podem usar o termo “neurotípico” para falar sobre as maneiras pelas quais os indivíduos que não estão no espectro podem não ter as qualidades daqueles que estão no espectro.

Por exemplo, pessoas neurotípicas podem estar muito focadas em coisas materiais ou seguir normas sociais que podem ser prejudiciais ou destrutivas para si mesmas ou para os outros.

Nem todo mundo na comunidade do autismo concorda que o autismo não é um transtorno, então os termos ainda são um tanto controversos.

Alguns acreditam que o autismo é um transtorno, por isso merece pesquisa e financiamento. 

Um Estudo de 2014 Fonte confiável descobriram que existem certas anormalidades na estrutura cerebral e nos neurotransmissores em pessoas autistas.

O que é neurodiversidade?

O termo “neurodiversidade” refere-se a uma categoria maior de pessoas com diferenças neurológicas variáveis, bem como pessoas neurotípicas. Muitas pessoas se identificam como neurodiversos, incluindo pessoas com:

  • transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)
  • síndrome de Tourette
  • depressão
  • dislexia
  • dificuldades intelectuais
  • esquizofrenia

Pessoas autistas, indivíduos no espectro ou aqueles que têm outras diferenças neurológicas são chamados de “neurodivergentes”.

Em vez de ver o autismo como um transtorno, as pessoas usam o termo “neurodiverso” para reconhecer as ricas diferenças, habilidades e forças que as pessoas com autismo e outros neurodiversos têm.

O movimento da neurodiversidade se concentra em promover a inclusão total de indivíduos neurodiversos e seus direitos individuais de serem aceitos como são.

Em uma Revisão de 2016Fonte confiável, alguns pesquisadores descreveram o autismo como uma variante humana com vantagens extremas. Em vez de ver o autismo como um distúrbio que precisa ser consertado, eles veem o autismo como uma característica humana, como ter cabelo castanho ou ser canhoto. Ser neurodiverso significa simplesmente ter um cérebro com conexões diferentes.

O que caracteriza as pessoas neurotípicas?

Indivíduos neurotípicos são frequentemente descritos em relação a pessoas autistas, então eles podem ter:

  • nenhum problema em interagir com colegas ou em conversar
  • sem atrasos perceptíveis na fala das crianças
  • sem problemas sensoriais, como não ser capaz de tolerar multidões, ruídos altos ou estar muito quente ou muito frio
  • a capacidade de se adaptar às mudanças

Mas neurotípico não significa simplesmente que você não é autista. Uma pessoa neurotípica também pode ser alguém sem dislexia, dispraxia, TDAH ou outras diferenças neurológicas.

O que caracteriza as pessoas neurodivergentes?

Não há uma maneira única de caracterizar pessoas neurodivergentes. Isso ocorre porque muitas pessoas se identificam como neurodivergentes, incluindo autistas e pessoas com TDAH. Mesmo dentro da comunidade autista, os sinais de autismo podem variar.

Por exemplo, os sinais de autismo podem ser diferentes para adultos e crianças.  Temos os indicadores típicos de alguém que uma pessoa possa ser autista:

  • a falta de balbuciar ou apontar aos 12 meses
  • contato visual ruim
  • sem palavras aos 16 meses
  • sem frases de duas palavras aos 2 anos de idade
  • sem sorriso ou receptividade social
  • não respondendo ao nome deles
  • fixação em alinhar brinquedos ou objetos, ou observar brinquedos se movendo ou girando
  • repetir ações ou som indefinidamente

Em crianças mais velhas ou adultos, os sinais podem incluir:

  • baixa interação social
  • incapacidade de iniciar ou manter uma conversa
  • falta de jogo social – relações sociais recíprocas prejudicadas
  • linguagem repetitiva, hiper focada em algum tema
  • interesse intenso e focado, geralmente em um objeto ou assunto
  • fixação em certas rotinas ou rituais
  • dificuldade em manter contato com os olhos

Graus de neurodiversidade

A neurodiversidade vem em muitas formas diferentes, do autismo à disgrafia ao TDAH. Ele também vem em vários graus. Por exemplo, algumas pessoas com autismo têm maiores necessidades de suporte do que outras.

A edição atual do “Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5)” colocou vários diagnósticos na categoria de transtorno do espectro do autismo. Esses incluem:

  • Síndrome de Asperger
  • transtorno desintegrativo da infância
  • transtornos invasivos do desenvolvimento não especificados de outra forma

O DSM-5 classifica o transtorno do espectro autista com três níveis de gravidade. A gravidade é baseada em quanta deficiência você vive nas áreas de comunicação social e comportamentos restritos ou repetitivos.

  • O nível 1 é fornecido quando você precisa de suporte.
  • O nível 2 é fornecido quando você precisa de suporte substancial.
  • O nível 3 é fornecido quando você precisa de um suporte muito substancial.

A CID -11, que será apresentada para adoção dos Estados Membros em maio de 2019 (durante a Assembleia Mundial da Saúde), entrará em vigor em 1º de janeiro de 2022. 

A CID – 11 classificará o transtorno do espectro autista da seguinte maneira:

  • 6A02 – Transtorno do Espectro do Autismo (TEA)
  • 6A02.0 – Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com comprometimento leve ou ausente da linguagem funcional;
  • 6A02.1 – Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com comprometimento leve ou ausente da linguagem funcional;
  • 6A02.2 – Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com linguagem funcional prejudicada;
  • 6A02.3 – Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com linguagem funcional prejudicada;
  • 6A02.4 – Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com ausência de linguagem funcional;
  • 6A02.5 – Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com ausência de linguagem funcional;
  • 6A02.Y – Outro Transtorno do Espectro do Autismo especificado;
  • 6A02.Z – Transtorno do Espectro do Autismo, não especificado.

Potenciais das Pessoas Neurodiversas

As pessoas do Neurodiversas têm muitas habilidades. Cada indivíduo tem seus próprios pontos fortes e características únicas que podem ser reconhecidas e celebradas.

Por exemplo, se você é autista, alguns de seus pontos fortes podem ser:

  • ser capaz de abordar as situações de forma diferente e pensar “fora da caixinha”
  • fortes habilidades com sistemas, como programação de computadores, matemática, história
  • criatividade
  • nenhuma pressão para se conformar às normas sociais que podem não ir ao lado de sua própria ideia pessoal de felicidade
  • habilidades musicais
  • atenção aos detalhes acima da média
  • fortes habilidades visuais-espaciais
  • habilidades com cuidados de animais, em arte e design

É importante reconhecer as diferentes habilidades e forças que as pessoas neurodiversas possuem. Há muitas maneiras de ver o autismo, portanto, descobrir novas perspectivas e teorias pode ajudá-lo a ver o autismo sob uma nova luz.

Se você ou um ente querido tem autismo, encontre um grupo de apoio local, terapeuta ou outro profissional de saúde mental que possa ajudá-lo a discutir alguns dos pontos fortes de ser neurodivergente.

Fonte: https://www.healthline.com/health/neurotypical#takeaway

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas típicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

QUAL O MELHOR MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO

O melhor método para a alfabetização é um discussão antiga entre os especialistas no assunto e também entre os pais quando vão escolher um escola

O QUE É BULLYING E CIBERBULLYING?

Esse termo bullying não tem um correspondente em português. Em inglês refere-se à atitude de um bully (valentão). Objeto de estudo pela primeira vez na

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×