IDENTIDADE DE GÊNERO E AUTISMO EXISTEM DOIS ESPECTROS?

Compartilhe

Na década de 1990, à medida que um número crescente de crianças procurava atendimento relacionado à sua identidade de gênero, médicos e pesquisadores começaram a notar uma tendência: um número inesperado dessas crianças era autista ou tinha traços de autismo. A observação estimulou os pesquisadores a trabalhar para quantificar a associação.

O campo está começando a obter uma imagem clara da extensão em que os dois espectros de sobrepõem: a identidade de gênero e a sexualidade são mais variadas entre as pessoas autistas do que na população em geral, e o autismo é mais comum entre as pessoas que não se identificam como seu sexo atribuído. do que na população em geral, 3 a 6 vezes mais comum, de acordo com um estudo de agosto de 2019. Os pesquisadores também estão obtendo ganhos sobre a melhor forma de apoiar pessoas autistas que se identificam fora dos gêneros convencionais.

Aqui explicamos o que cientistas e clínicos sabem – e não sabem – sobre identidade de gênero e sexualidade em pessoas autistas.

O que é identidade de gênero?

A identidade de gênero é o senso interno de uma pessoa de seu próprio gênero. As pessoas que se identificam com o sexo que lhes foi atribuído no nascimento são chamadas de ‘cisgênero’ ou cis, enquanto aquelas que não se identificam podem usar termos como transgênero, não-binário ou fluido de gênero. Os pesquisadores costumam usar a frase “diversidade de gênero” como um termo abrangente para diferentes identidades de gênero, semelhante à maneira como algumas pessoas usam “neurodiverso” para descrever variações no estilo cognitivo, incluindo autismo e TDAH.

Quão comum é a diversidade de gênero entre pessoas autistas?
Muitos estudos examinaram a prevalência da diversidade de gênero entre pessoas autistas. Um dos estudos mais citados descobriu que cerca de 15% dos adultos autistas na Holanda se identificam como trans ou não binários; o percentual é maior entre as pessoas designadas do sexo feminino ao nascer do que entre as pessoas designadas do sexo masculino, tendência observada em outros estudos. Por outro lado, menos de 5% dos adultos na população geral da Holanda têm uma identidade diferente de cisgênero. E em um estudo de 2018 nos Estados Unidos, 6,5% dos adolescentes autistas e 11,4% dos adultos autistas disseram que desejavam ser do gênero oposto ao que lhes foi atribuído no nascimento, em comparação com apenas 3 a 5% da população geral. Este estudo também descobriu que, em duas medidas de traços de autismo, pontuações mais altas estavam associadas a uma maior probabilidade de diversidade de gênero. Um estudo de 2019 encontrou uma associação semelhante em crianças que não são diagnosticadas com autismo.

Da mesma forma, o autismo parece ser mais prevalente entre pessoas de gênero diverso do que na população em geral. Uma pesquisa australiana em 2018 com adolescente e jovens adultos transgêneros descobriu que 22,5% foram diagnosticados com autismo, em comparação com 2,5% de todos os australianos. Alguns especialistas estimam que 6 a 25,5 por cento das pessoas com diversidade de gênero são autistas.

A sexualidade também parece ser mais variada entre pessoas com autismo do que entre aquelas que não têm a condição. Apenas 30% das pessoas autistas em um estudo de 2018 identificadas como heterossexuais, em comparação com 70% dos participantes neurotípicos. E embora metade das 247 mulheres autistas em um estudo de 2020 tenham sido identificadas como cisgênero, apenas 8% relataram ser exclusivamente heterossexuais.

Por que a prevalência da diversidade de gênero é maior em pessoas autistas do que na população em geral?

As experiências sociais são provavelmente um componente principal, dizem os especialistas. Em comparação com pessoas neurotípicas, as pessoas autistas podem ser menos influenciadas pelas normas sociais e, portanto, podem apresentar seus “eus” internos de forma mais autêntica. “Você poderia então entender a coocorrências como talvez uma expressão mais honesta de experiências subjacentes”, diz John Strang, diretor do Programa de Gênero e Autismo do Hospital Nacional Infantil em Washington, DC.

É possível que pessoas autistas possam chegar a conclusões sobre sua identidade sexual de forma diferente das pessoas neurotípicas, diz Jeroem Dewinter, pesquisador sênior da Universidade de Tilburg, na Holanda. Algumas pessoas autistas disseram a ele que provavelmente se identificariam como bissexuais após uma experiência sexual do mesmo sexo, mas as pessoas neurotípicas podem ter menos probabilidade de adotar essa terminologia com base em um único encontro do mesmo sexo.

Fatores biológicos também podem desempenhar um papel. Os níveis de exposição a hormônios como a testosterona no útero podem estar ligados ao autismo, mostram algumas pesquisas; o aumento da testosterona pré-natal também pode levar a comportamentos mais tipicamente “masculinos” e a sexualidades e identidades de gênero menos comuns, embora haja algumas evidências contra essa ligação. Independentemente disso, a testosterona pré-natal não explica por que as pessoas autistas atribuídas ao sexo masculino no nascimento podem se identificar como mais femininas, diz Dewinter. Mas a biologia da sexualidade e gênero na população em geral também não é bem compreendida.

Especialistas dizem que é provável que uma combinação desses e outros fatores contribuam para o aumento da variedade de identidades de gênero e sexualidades entre pessoas autistas.

O que isso significa para os profissionais de saúde e cuidadores?

Os profissionais de saúde que trabalham em clínicas de gênero podem querer rastrear o autismo, e aqueles que trabalham em clínicas de autismo podem querer discutir identidade de gênero e saúde sexual, dizem os pesquisadores. Eles também devem ser sensíveis a diferentes estilos de processamento de informações, diz Dewinter. Algumas pessoas autistas podem lutar para expressar seus sentimentos em relação ao gênero. Mesmo quando expressam esses sentimentos, muitas vezes enfrentam dúvidas dos médicos por causa de estereótipos sobre pessoas autistas, o que pode bloquear seu acesso a cuidados médicos. Em um artigo de 2019, uma pessoa autista e de gênero diverso escreveu: “A combinação é considerada muito complexa para a maioria dos médicos, o que levou a longos tempos de espera por atendimento psiquiátrico especializado”.

As ferramentas de triagem também podem precisar ser atualizadas para identificar melhor o autismo entre crianças com diversidade de gênero, assim como precisam ser ajustadas para detectar a condição entre as meninas. “As clínicas estão trabalhando para entender como é o autismo em meninas e mulheres, e teremos que fazer a mesma pergunta com os jovens de gênero diverso”, diz Strang. Identificar crianças autistas que podem precisar de apoio para afirmar sua identidade é particularmente importante porque algumas podem procurar intervenções médicas, como bloqueadores da puberdade, que são sensíveis ao tempo, diz ele.

Os profissionais de saúde devem estar cientes de que as pessoas autistas podem apresentar sua identidade de gênero de forma diferente das pessoas neurotípicas. Algumas pessoas autistas que fazem a transição de um gênero para outro não estão cientes de como também precisam mudar suas dicas sociais, como se vestem, se quiserem comunicar claramente sua identidade de gênero aos outros. Os profissionais de saúde podem ajudar as pessoas autistas a navegar nessas transições e garantir que tenham o mesmo acesso a cuidados médicos de afirmação de gênero que as pessoas neurotípicas têm, diz Aron Janssen, professor associado de psiquiatria e ciências comportamentais da Northwestern University em Chicago, Illinois.

Como as pessoas autistas aprendem melhor sobre gênero e sexualidade?

Durante anos, muitos pais e cuidadores acreditaram que as pessoas autistas, particularmente aquelas com deficiência intelectual, não deveriam receber informações sobre sexualidade e estão menos interessadas em relacionamentos do que as pessoas neurotípicas, diz Dewinter. Essa crença está mudando à medida que os pesquisadores reconhecem que fornecer suporte ao relacionamento é importante para garantir o bem-estar geral de pessoas neurodiversas, assim como para pessoas neurotípicas.

Pertencer a qualquer tipo de grupo minoritário torna a pessoa mais suscetível a problemas de saúde mental, por causa de um fenômeno conhecido como ‘estresse minoritário’. Para uma pessoa que é tanto neuro quanto de gênero diversa, pertencer a vários grupos minoritários pode intensificar esses problemas.

Uma educação sexual mais abrangente e inclusiva pode ajudar. Em pesquisas em andamento, Eileen Crehan, professora assistente de estudo infantil e desenvolvimento humano na Universidade Tufts em Medford, Massachusetts, descobriu que as pessoas autistas querem mais informações sobre orientação sexual e identidade de gênero do que as pessoas comuns. A pesquisa mostrou que adolescentes lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer/questioning (LGBTQIA+) que têm educação sexual mais inclusiva na escola têm melhor saúde mental. Mas apenas 19% dos materiais de educação sexual dos EUA são para pessoas LGBTQIA+, de acordo com o grupo de defesa GLSEN, criando uma barreira extra para pessoas autistas LGBTQIA+. “Você tem dois obstáculos para obter as informações de que precisa”, diz Crehan.

Para onde vai a pesquisa a seguir?

As primeiras pesquisas se concentraram em medir a prevalência de diversas identidades de gênero na comunidade autista – e vice-versa – mas agora os pesquisadores estão cada vez mais se voltando para questões sobre a melhor forma de apoiar pessoas autistas com diversidade de gênero. Para fazer isso, eles estão trabalhando em colaboração com a comunidade autista, garantindo que as pessoas autistas guiem as prioridades de pesquisa. “Eu realmente acho que é incrivelmente importante levantar as vozes da própria comunidade, e estou grato por ver que é para onde o campo está indo”, diz Janssen.

Referências bibliográficas:

Warrier V. et ai. Nat. Comum., 3959 (2020) PubMed

Walsh RJ et ai. J. Autismo Dev. Desordem. , 4070-4078 (2018) PubMed

Kuyper L. e C. Wijsen Arch. Sexo . Comportamento. , 377-385 (2014) PubMed

Van der Miesen AIR et al. Arco. Sexo. Comportamento. , 2307-2317 (2018) PubMed

Nabbijohn AN et ai. J. Autismo Dev. Desordem., 1570-1585 (2019) PubMed

Strang JF et ai. Gel. Acad. Criança Adolescência., Psiquiatria , 885-887 (2018) PubMed

George R. e MA Stokes Autism Res., 133-141 (2018) PubMed

Bush HH et ai. J. Autismo Dev. Desordem. . Epub antes da impressão (2020) PubMed

Baron-Cohen S. et ai. Mol. Psiquiatria, 368-376 (2015) PubMed

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas típicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

A NEUROPSICOLOGIA E A PSICOLOGIA

A Neuropsicologia tem como objetivo a investigação do papel de sistemas cerebrais individuais, em formas complexas de atividade cerebral. Seus novos métodos procuram facilitar o

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×