EDP – EVITAÇÃO DA DEMANDA PATOLÓGICA E AUTISMO

Compartilhe

Segundo o Professor Tony Attwood e Dra. Michelle Garnett o termo EDP (evitação da demanda patológica) foi usado pela primeira vez pela professora Elizabeth Newson na década de 1980. É um perfil comportamental associado à evitação de atender solicitações e à extrema agitação caso as demandas aumentem. Estes casos precisam de suporte de intervenção multidisciplinar tanto para se fazer um diagnóstico como intervenções terapêuticas: psiquiatra,neurologista, psicólogo, terapeuta ocupacional e fonoaudiólogo.

No Instituto Inclusão Brasil, não atendemos estes casos de evitação da demanda patológica – EDP, porque ainda estão em estudos, precisam de avaliação com equipe de profissionais de saúde especializados na área do autismo, acompanhamento multidisciplinar e em alguns casos precisam de internação hospitalar.

A PDA Society, esclarece que o diagnóstico de EDP ( evitação da demanda patológica) ou EED (evitação extrema de demanda) não são considerados como diagnósticos classificados na CID ou DSM, estão em estudos em crianças, adolescentes e adultos.

PDA (Evitação Patológica de Demanda) é amplamente compreendido como um perfil do espectro do autismo, embora ainda estejamos em um estágio inicial de nossa compreensão e a pesquisa sobre PDA esteja em sua infância.

Embora autismo seja um termo amplamente reconhecido, nossa compreensão da amplitude e complexidade do espectro do autismo ainda está evoluindo.

A National Autistic Society explica o autismo como “uma deficiência de desenvolvimento ao longo da vida que afeta como as pessoas se comunicam e interagem com o mundo”. Muitos defensores do autismo adotam o modelo social de deficiência e veem uma série de diferenças neurológicas como parte de uma variação humana natural (neurodiversidade).

Sabemos que o autismo é dimensional – envolve um padrão complexo e sobreposto de pontos fortes, diferenças e desafios que se apresentam de forma diferente de um indivíduo para outro e no mesmo indivíduo ao longo do tempo ou em diferentes ambientes.

Um conjunto de características pode ser chamado de apresentação ou perfil – em alguns casos, isso pode ser bem diferente do que algumas pessoas acham que o autismo ‘parece’.

Isso pode fazer com que as apresentações em algumas pessoas — incluindo mulheres e meninas autistas e indivíduos com TAP — sejam completamente ignoradas, mal compreendidas ou diagnosticadas incorretamente, o que pode, por sua vez, levar a resultados ruins.

Todas as pesquisas apontam para a identificação precoce e o suporte personalizado como o melhor preditor de resultados positivos a longo prazo. Reconhecer esses perfis sinaliza as abordagens ou o suporte que serão mais úteis para cada indivíduo.

O EDP foi reconhecido pela primeira vez em crianças autistas, e pesquisas adicionais identificaram características associadas, como altos níveis de ansiedade, labilidade de humor e impulsividade, sociabilidade superficial, mas falta de identidade social e um maior nível de habilidades interpessoais e manipulação social do que normalmente é associado ao autismo. (Newson et al., 2003; O’Nions et al., 2014).

Atualmente há algum debate sobre a terminologia, especialmente a palavra patológico com termos alternativos como EED, evitação extrema de demanda (Gillberg, 2014), ou FED, fenômenos de evitação de demanda (Woods, 2019) e o termo EDP, evitação da demanda patológica sendo atribuído por indivíduos autistas e para grupos de apoio ao ‘impulso generalizado de autonomia’.

Há também um debate acadêmico e clínico sobre a classificação e se o EDP, evitação da demanda patológica deve ser considerado um subgrupo separado dentro do espectro do autismo ou um mecanismo de enfrentamento aprendido para a combinação de alta ansiedade, TDAH e impulsividade, procrastinação e funcionamento executivo prejudicado e as características sociais e sensoriais de autismo.

USAREMOS O TERMO EDP (EVITAÇÃO DA DEMANDA PATOLÓGICA) NESTE ARTIGO

Branco e outros. (2022), utilizaram dois inquéritos com adultos da população em geral para explorar a importância dos traços autistas e da ansiedade como preditores da evitação da procura.

Eles descobriram que os traços autistas e a ansiedade eram preditores únicos e igualmente importantes de evitação da demanda. O estudo confirmou que a EDP está ligada ao autismo, com comportamentos de evitação motivados pela ansiedade.

Sabemos que o autismo está associado a altos níveis de ansiedade. No entanto, durante e após a puberdade, os níveis de ansiedade constante e episódica podem ser insuportáveis ​​e não resolvidos com medicação prescrita e terapia cognitivo-comportamental.

Um adolescente ou adulto autista pode então recorrer a comportamentos extremos para controlar níveis extremos de ansiedade, o que inclui alcançar, por qualquer meio eficaz, o controle sobre sua vida diária para evitar sentir ansiedade.

Pedidos simples podem fazer com que uma pessoa autista se sinta ansiosa, descontrolada e assediada. Existe uma fobia ou medo de exigências.

  • Estágio – 1

Um mecanismo de enfrentamento consiste em adiar a resposta até que o nível de ansiedade diminua naturalmente ou a pessoa atinja um maior controle cognitivo de sua ansiedade. Isso pode incluir táticas protelatórias como procrastinação, negociação, desculpas para o não cumprimento e elogios à pessoa que fez o pedido para distraí-la.

  • Estágio – 2

É a resposta de fuga à ansiedade, que envolve ser desagradável, rude e desrespeitoso com a pessoa que faz o pedido. O objetivo é fazer com que a pessoa que faz o pedido vá embora e ‘fuja’ da situação.

  • Estágio – 3

É a “luta”, ou seja, ter uma briga ou discussão verbal e uma explosão ou colapso emocional. O colapso descarregará o acúmulo de energia ansiosa e será um “reset” emocional.

Todas essas reações aos pedidos consolidam comportamentos de evitação por meio de reforço negativo (diminuindo ou eliminando um resultado negativo, neste caso, níveis insuportáveis ​​de ansiedade).

No entanto, há outro aspecto da resposta à ansiedade: o “congelamento”. Às vezes, pode não ser uma questão de escolher conscientemente não atender ao pedido, mas de ser fisicamente incapaz de fazê-lo. Não é ‘não vou’, mas ‘não posso’.

A pessoa sabe o que fazer, pode até ser fazer algo que queira fazer ou que seja do seu interesse e para alguém que ama ou admira, mas está vivenciando a inércia autista e o ‘congelamento’.

Reconhecemos também que a evitação extrema da demanda pode ter características semelhantes a outros mecanismos de enfrentamento desadaptativos da ansiedade, como transtornos alimentares, mutismo situacional e automutilação.

O DESENVOLVIMENTO DO EDP NA IDADE ADULTA

Evitar exigências pode alargar-se, durante a infância, a uma ampla gama de situações quotidianas e a respostas a pedidos simples que outras pessoas podem não perceber como uma exigência, como ‘Pode, por favor, passar-me o jornal?’

A pessoa com EDP – evitação da demanda patológica percebe essas solicitações, que exigem uma resposta simples e momentânea, como opressoras e provocadoras de ansiedade.

A falta de estratégias de adesão e evitação levará a considerável sofrimento e conflito dentro da família. Há um reconhecimento crescente dos aspectos genéticos do EDP –

evitação da demanda patológica, com as características sendo identificadas dentro e entre gerações que irão aumentar o conflito doméstico.

Elizabeth Newson e os seus colegas conseguiram acompanhar 18 adultos com EDP – evitação da demanda patológica, e todos permaneceram esquivos à procura, com oito com aproximadamente o mesmo grau que na infância, três a mais do que na infância e sete a menos.

Assim, há uma série de resultados, mas as características do EDP – evitação da demanda patológica têm potencial para durar a vida toda (Newson et al., 2003). Deve-se notar que os 18 participantes no estudo não puderam beneficiar do grau de compreensão e apoio ao EDP – evitação da demanda patológica que está atualmente disponível.

Nossa experiência clínica é que os traços de EDP – evitação da demanda patológica podem diminuir à medida que a criança passa da adolescência para a idade adulta, com o tempo entre a demanda e o colapso se tornando mais longo e o grau de sofrimento menor e maior regulação cognitiva da ansiedade.

Com o tempo, pode haver uma compreensão crescente dos efeitos do EDP – evitação da demanda patológica nos relacionamentos e no emprego e a aquisição de uma série de estratégias para gerir a ansiedade extrema e as tentativas de modificar as reações. Pode haver melhorias na autorregulação, comunicação e capacidade de autodefesa e na criação de um estilo de vida com exigências mínimas.

No entanto, pode haver preocupações quando o álcool e o uso indevido de drogas ilegais e legais são usados ​​para reduzir a ansiedade extrema, e conhecemos clientes com EDP – evitação da demanda patológica que também desenvolveram dependência de drogas para controlar a sua ansiedade.

VIDA DOMÉSTICA

Pode haver dificuldade em lidar com exigências autoimpostas e sociais, tais como higiene pessoal e manutenção de amizades e relacionamentos e uma tendência para quebrar as regras, o que pode levar a conflitos com a lei.

Tentar controlar a ansiedade extrema e suprimir a evitação da demanda pode ser exaustivo, afetando os níveis de energia e potencialmente contribuindo para a depressão. Pode haver grande dependência dos pais ou de um parceiro para apoio emocional e apoio prático para o funcionamento executivo prejudicado.

O adulto EDP – evitação da demanda patológica também precisará de tempo de inatividade regular e solidão para restaurar a energia, com benefícios de ter acesso a um espaço livre em casa para onde se refugiar.

VIDA DE TRABALHO

As características do EDP – evitação da demanda patológica podem afetar a vida profissional, com os empregadores considerando a pessoa arrogante ou indisciplinada.

  • Pode haver um desrespeito pela autoridade e pela hierarquia de trabalho, e muitas vezes é difícil para a pessoa trabalhar de forma convencional com a sua tendência de ser “do meu jeito ou de jeito nenhum”.
  • Pode haver mais sucesso trabalhando por conta própria ou administrando seu próprio negócio, portanto, há menos problemas em não se sentir no controle.
  • Pode haver problemas de procrastinação, dificuldade em concluir projetos e cumprir prazos e em responder adequadamente às solicitações de um gerente de linha, como ser educado com os clientes.

O adulto EDP – evitação da demanda patológica muitas vezes se sente preso a um emprego e precisa de novidades. Notamos um histórico de muitas mudanças nos empregadores e nas carreiras.

ESTRATÉGIAS PARA EDP – EVITAÇÃO DA DEMANDA PATOLÓGICA

Muitas estratégias para lidar com a EDP – evitação da demanda patológica em crianças também se aplicam aos adultos. Isto inclui dar à pessoa opções e escolhas, em vez de diretivas.

Também recomendamos o uso de linguagem declarativa em vez de imperativa (Murphy, 2020), por exemplo, em vez de ‘Você precisa limpar sua bagunça no banheiro’ (imperativo) para ‘O banheiro precisa estar limpo e arrumado’ (declarativo). Nossa experiência mostra que comentários declarativos têm maior probabilidade de obter uma resposta positiva.

Pode-se considerar pensamentos distrativos ao iniciar e concluir uma tarefa, como usar dramatizações, por exemplo, imaginar ser filmado fazendo a tarefa para um documentário, ou usar jogos mentais, ou ouvir um podcast para completar a atividade no piloto automático. Essas estratégias podem atuar como um bloqueador de pensamento eficaz para a ansiedade.

Fontes:

Site da Sociedade de Evitação de Demanda Patológica – Society PDA:

https://attwoodandgarnettevents.com

Folheto sobre informações sobre Evitação da Demanda Patológica:

https://www.pdasociety.org.uk/wp-content/uploads/2021/04/What-is-PDA-booklet-website-v2.1.pdf

Newson E, Le Maréchal K e David C. (2003). Síndrome de evitação da demanda patológica: uma distinção necessária nos transtornos invasivos do desenvolvimento Arquivos de Doenças na Infância.

Madeiras R. (2019). Boas Práticas para Autismo.

A Psicóloga e Neuropsicóloga Marina da Silveira Rodrigues Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista em homens e mulheres.

Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp +55 (13) 991773793.

Marina da Silveira Rodrigues Almeida – CRP 06/41029

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

A INCLUSÃO DO ALUNO DISLÉXICO NA ESCOLA

Autor: Professor Mario Angelo Braggio, orientador educacional, psicopedagogo e psicomotricista. É na escola que a dislexia, de fato, aparece. Há disléxicos que revelam suas dificuldades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×