Compartilhe

As causas do Burnout Autista podem ser devidas de:

  • Falta de conscientização e acomodações do autismo na escola, no trabalho, na família, nas agências governamentais e na sociedade
  • Sentimentos de ser julgado negativamente e rejeitado
  • Ser percebido como defeituoso
  • Falta de progresso acadêmico ou no trabalho
  • Mais demandas na escola, no trabalho ou em casa do que habilidades de enfrentamento
  • Falta de conexão e relacionamento com os outros
  • Diminuição da energia mental e aumento do estresse e da autopercepção
  • Camuflagem de autismo e/ou problemas de saúde mental (depressão e ansiedade)

O Burnout Autista pode durar meses ou anos e pode começar na adolescência, quando as relações sociais são mais exigidas. Um burnout pode ser desencadeado por mudanças na vida, como mudar de escola, deixar o ensino médio e ir para faculdade, começar um novo emprego ou promoção, crises no casamento, fim de uma amizade ou de relacionamento amoroso.

Atualmente as pesquisas consideram que a experiência da síndrome de Burnout pode preceder e precipitar um diagnóstico de autismo em jovens e adultos, e a confirmação do diagnóstico pode levar ao reconhecimento que se trata de uma pessoa autista em extrema sobrecarga emocional e sofrimento emocional.

A camuflagem, que foi reconhecida pela primeira vez como uma adaptação ao autismo por meninas e mulheres, agora está sendo reconhecida também ocorrendo com em alguns homens e como uma das muitas razões pelas quais um homem autista pode experimentar um Burnout Autista.

Um burnout é mais provável para adultos autistas que camuflam e suprimem seu autismo. Eles não comunicam suas verdadeiras necessidades de apoio, geralmente estão sem os devidos apoios terapêuticos ou acompanhamento psicoterapêutico. Apresentam níveis altos de exaustão com o trabalho, estudos e bravamente tentam lidar com a vida social e familiar.

No entanto, o custo da aceitação de perceber o esgotamento energético emocional que contribui para a síndrome de Burnout. A camuflagem habitual da pessoa autista se torna uma barreira para apoiar, aliviar e buscar ajudar profissional adequada.

Quando falamos de capacidade social, devemos reconhecer que a quantidade de engajamento social e capacidade de interação de cada pessoa varia. Alguns autistas podem se envolver em interações sociais prolongadas com mais pessoas em várias situações. Em contraste, a capacidade de outros limita seu engajamento social a duas pessoas por curta duração em um ambiente familiar, e por isso não é observado o burnout autista tão rápido.

Para muitos autistas, não é apenas sua capacidade que pode influenciar o engajamento social, mas as pessoas com quem estão socializando – uma pessoa autista talvez possa passar horas com alguém, mas apenas minutos com os outros. Há muitas razões para isso, por exemplo, aumentar a duração social é devido à sensação de segurança com uma pessoa confiável onde eles podem ser o seu verdadeiro eu autêntico, sem julgamento, compreendidos e conseguem maior facilidade na comunicação.

Independentemente da capacidade, as interações sociais podem ser tremendamente exaustivas e drenar energia cognitiva, emocional e física. Reconhecer essa conexão e dar tempo de recuperação após interações sociais é essencial.

Buscar ajudar com profissionais de saúde especialistas em autismo, é o recomendável.

Fontes:

Rose K. An autistic exhaustion. In: The Autistic Lawyer: Autistic People Have Voice. Vol. 2018. https://theautisticadvocate.com/2018/05/an-autistic-burnout/

Boren R. Autistic Burnout: The Cost of Face and Pass. In: Ryan Boren: Neurodivergent not according to Vol. 2018. 2017;  https://boren.blog/2017/01/26/autistic-burnout-the-cost-of-coping-and-passing/

Galam E, Vauloup Soupault C, Bunge L, Buffel du Vaure C, Boujut E, Jaury P. ‘Internal Life’: A longitudinal study of exhaustion, empathy and coping strategies used by French GPs in training. BJGP Open . 2017.

Jane Mantzalas, Amanda L. Richdale, Achini Adikari, Jennifer Lowe and Cheryl Dissanayake.What is Autistic Burnout? A Thematic Analysis of Posts on Two Online Platforms. Autism in Adulthood, March 2022.52-65. http://doi.org/10.1089/aut.2021.0021; Published in Volume: 4 Issue 1: March 9, 2022.

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

FATOS E MITOS SOBRE TDAH EM ADULTOS

O Transtorno de Déficit Atenção e Hiperatividade – TDAH é um transtorno neuropsiquiátrico com forte influência genética. A inteligência é uma questão à parte. Muitas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×