AUTISMO E PROJETO A FADA DO DENTE – USP

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

O Projeto a Fada do Dente é um importante projeto científico da USP que visa compreender os mecanismos biológicos existentes por trás do autismo. Conhecê-los é essencial para tratar o transtorno, que atinge milhares de crianças brasileiras.

Como Participar:

Podem participar do projeto pais de filhos diagnosticados com autismo, assim como pessoas interessadas em apoiar de outras formas.

Fonte: http://projetoafadadodente.org.br/

Fonte: http://www.progene.ib.usp.br

A grande dificuldade de estudar a biologia do autismo, ou outras doenças que afetam o sistema nervoso, é a falta de acesso às células do SNC. Com a descoberta do método para produção de células-tronco pluripotentes induzidas (induced pluripotent stem cells – iPSC) em 2006/2007, hoje é possível modelar doenças utilizando células de um paciente específico para produzir células do SNC e, assim realizar estudos que ajudam a elucidar os mecanismos da doença, preservando a genética do paciente, o que só seria possível por biópsia do tecido cerebral, ou seja, um procedimento inviável.

Para entender como funciona o Projeto A Fada do Dente, antes é preciso compreender o processo de reprogramação celular para a obtenção das  iPSC. A reprogramação celular trata-se de uma técnica de engenharia genética combinada com biologia celular que faz com que células especializadas e diferenciadas se tornem novamente indiferenciadas, ou seja, elas voltam no tempo em que eram células embrionárias, provenientes do processo de fecundação, se tornando assim células pluripotentes, isso é, células que podem se transformar em qualquer célula do corpo, inclusive em neurônios funcionais.

No Projeto A Fada do Dente utilizam a polpa do dente de leite, “recheio do dente” para obter as células-tronco que são utilizadas para a produção das iPSC. Depois disso, produzimos células do sistema nervoso (neurônios, astrócitos, etc.) e mini-cérebros que são usados para estudar os mecanismos biológicos envolvidos no autismo.

Este tipo de estudo se chama “modelagem de doença”, isto é, produzimos um modelo para estudar determinada patologia e ao mesmo tempo criamos uma plataforma para testar medicamentos in vitro, com objetivo encontrar maneiras de melhorar os sintomas clínicos.

Fonte: http://projetoafadadodente.org.br/

Fonte: http://www.progene.ib.usp.br

Não faço parte do Projeto Fada do Dente, este é um artigo apenas de divulgação.

Agendamento para consultas:  presencial ou psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Psicoterapeuta on-line

CRP 06/41029

 INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504  whatsapp (13) 991773793

Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

COMPREENDENDO MULHERES COM AUTISMO/TEA

Procuramos compreender melhor as experiências de mulheres com autismo na esperança de encontrar maneiras de identificá-las, ajudá-las no início da vida, mas em sua maioria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×