AMIZADES, NAMOROS COM PESSOAS AUTISTAS – TEA – SÍNDROME DE ASPERGER

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Um estudo liderado por pesquisadores da Deakin University investigou as experiências de relacionamento amoroso de 459 pessoas autistas; relataram que autistas têm um nível de interesse semelhante em relacionamentos como pessoas não autistas, mas têm menos oportunidades de encontrar novos parceiros em potencial.

Pode ser porque autistas têm redes sociais menores, com menos chances de buscar o romance.

Os pesquisadores comentaram que, embora não seja incomum sentir-se nervoso nos primeiros dias de um relacionamento, autistas têm maior ansiedade em iniciar e manter relacionamentos do que os não autistas.

A ansiedade é considerada uma das razões pelas quais os relacionamentos podem falhar após um curto período de tempo.

As amizades são uma boa forma de nos prepararmos para o cenário do namoro, pois é através dos amigos que aprendemos sobre confiança, revelando sentimentos e como nos relacionarmos com os outros.

Nessa mesma pesquisa, relataram que as relações sociais e o engajamento podem ajudar nas dificuldades de relacionamento, em particular, a quantidade de tempo e a interação com os amigos são identificados como um fator importante para melhorar os relacionamentos românticos.

Em outro estudo científico, pesquisadores descreveram que a compreensão de autistas sobre sexo e diferentes tipos de relacionamento vem predominantemente da TV e da internet; identificaram uma lacuna no conhecimento sobre como iniciar e manter relacionamentos.

Esse conhecimento é geralmente adquirido de fontes sociais, como pais e colegas; sem essa habilidade, autistas podem não estar preparados para a vida romântica.

Muitos participantes autistas da pesquisa responderam que não entendiam como os relacionamentos funcionam, prejudicando reconhecer e lidar com comportamentos não saudáveis ou inadequados de relações abusivas ou tóxicas.

Adriana Cunha, neuropediatra, CRM 2211/PI

Referência:

Hancock, G., Stokes, M. A., & Mesibov, G. (2019). Differences in Romantic Relationship Experiences for Individuals with an Autism Spectrum Disorder. Sexuality and Disability

Mogavero, M. C., & Hsu, K. H. (2019). Dating and Courtship Behaviors Among

Fonte: @nemparece.tea

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/
https://www.facebook.com/marina.almeida.9250
https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

SINAIS DE ALERTA CYBERBULLYING

É importante compreender como as crianças e jovens são vítimas de cyberbullying para que isso possa ser facilmente reconhecido e medidas possam ser tomadas.  Algumas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×