MULHERES AUTISTAS E COMUNICAÇÃO COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Compartilhe

Segundo os psicólogos Dra. Michelle Garnett e Prof. Tony Attwood, pessoas autistas geralmente apresentam mais problemas de saúde do que indivíduos não autistas (Weir, Allison & Baron-Cohen, 2022).

As mulheres autistas enfrentam uma série de problemas de saúde que podem ser tanto físicos quanto mentais. 

Alguns dos problemas de saúde comuns enfrentados por mulheres autistas são:

  • Saúde Mental: Mulheres autistas correm maior risco de desenvolver problemas de saúde mental, como depressão, ansiedade, transtorno afetivo bipolar e transtorno obsessivo-compulsivo. Eles também podem experimentar níveis mais elevados de estresse, o que pode impactar negativamente sua saúde mental.
  • Problemas de processamento sensorial: Muitas mulheres autistas apresentam problemas de processamento sensorial, que podem incluir hipersensibilidade à luz, som, toque ou cheiro. Isso pode causar desconforto, dor e estresse.
  • Problemas digestivos: Mulheres autistas são mais propensas a ter problemas digestivos, como síndrome do intestino irritável, prisão de ventre (constipação intestinal) e refluxo ácido. Esses problemas podem estar relacionados a sensibilidades ou intolerâncias alimentares.
  • Problemas de Sono: Mulheres autistas podem ter dificuldades para dormir, incluindo dificuldade em adormecer ou permanecer dormindo. Alguns casos de hipersonia. Isso pode causar fadiga, irritabilidade, dificuldades com atenção, memória, dores no corpo e outros problemas de saúde emocional e física.
  • Problemas Hormonais: Mulheres autistas podem apresentar desequilíbrios hormonais, incluindo ciclos menstruais irregulares, transtorno disfórico pré-menstrual, transtorno pré-menstrual, síndrome dos ovários policísticos (SOP) e problemas de tireoide.
  • Transtornos Alimentares: Mulheres autistas correm maior risco de desenvolver transtornos alimentares como anorexia, bulimia ou transtorno da compulsão alimentar periódica.
  • Dor Crônica: Algumas mulheres autistas apresentam dor crônica, incluindo dores nas articulações, fibromialgia, dores de cabeça e dores musculares.
  • Distúrbios Autoimunes: Distúrbios autoimunes, como doença celíaca e lúpus, são mais comuns em mulheres autistas.
  • Enxaquecas: As mulheres autistas sofrem de enxaquecas com mais frequência do que as mulheres não autistas, o que envolve dores de cabeça debilitantes, muitas vezes na parte frontal ou lateral da cabeça, náuseas e extrema sensibilidade sensorial a sons, luz e cheiros.

É importante que as mulheres autistas recebam cuidados médicos adequados e apoio para resolver estes problemas de saúde. Um profissional de saúde com conhecimento sobre autismo pode ajudar mulheres autistas a lidar com esses problemas e melhorar sua qualidade de vida geral. 

As mulheres autistas com fala fluente são susceptíveis de se representarem perante os prestadores de cuidados de saúde, mas por uma variedade de razões podem ter dificuldade em representar os seus problemas nos seus ambientes de saúde. Descobrimos certamente que muitas mulheres na nossa prática clínica relatam que lutam para obter os serviços de que necessitam e para que as suas necessidades sejam compreendidas e atendidas pelos seus profissionais de saúde.

Por que as mulheres autistas que falam fluentemente têm dificuldade em se comunicar com os profissionais de saúde?

Algumas das dificuldades que as mulheres autistas podem enfrentar ao discutir os seus problemas de saúde com os profissionais de saúde incluem:

  • Uma percepção diferente de dor e desconforto, geralmente um limiar de dor mais alto, mas às vezes mais baixo, levando à subnotificação dos sintomas ou ao enfrentamento de não acreditar devido à quantidade de dor/angústia descrita.
  • Processamento mais lento de informações sociais e emocionais.
  • Dificuldades em expressar emoções verbalmente, incluindo alexitimia (dificuldade em detectar e descrever emoções através da fala).
  • Desafios emocionais que levam ao “desligamento” e ao mutismo situacional.
  • Ansiedade social concomitante.
  • Dificuldades de processamento semântico ou auditivo, especialmente se houver ruído de fundo e conversas.
  • Dificuldades de habilidades não-verbais, incluindo processamento de expressões faciais, fala e gestos.
  • Interpretação incorreta de perguntas, devido a dificuldades de pensamento literal, ansiedade ou teoria da mente (tomada de perspectiva).
  • Experiências sensoriais frequentemente presentes em ambientes de saúde, incluindo ruídos eletrônicos de equipamentos médicos, luzes fortes, certos odores e contato físico.
  • Muitas mulheres autistas vivenciam uma interação desses desafios sociais, emocionais, de comunicação e sensoriais.

Resultados de pesquisas sobre comunicação em saúde para mulheres autistas

O estudo foi liderado por Michelle Lum, que recrutou 58 participantes adultas do sexo feminino, aproximadamente metade das quais eram autistas. Um questionário exploratório foi desenvolvido utilizando feedback qualitativo de mulheres autistas, além de uma revisão da literatura. Os dois grupos foram comparados para determinar se as mulheres autistas enfrentam maiores desafios de saúde do que as mulheres não autistas, tanto nos cuidados de saúde gerais como na maternidade.

Os resultados indicaram que havia desafios definitivos de saúde para mulheres autistas em comparação com mulheres não autistas. As mulheres autistas experimentaram mais ansiedade em relação aos cuidados de saúde, maiores dificuldades de comunicação durante o sofrimento emocional, ansiedade relacionada com a presença de outros pacientes na sala de espera, mais desafios no acesso ao apoio durante a gravidez e mais dificuldade em comunicar a sua dor e necessidades durante o parto. 

Talvez não seja surpreendente que apenas 75% das mulheres autistas revelaram que eram autistas ao seu profissional de saúde devido a preocupações com o estigma. Isto é preocupante porque a divulgação voluntária pode permitir acomodações específicas para reduzir os desafios que as mulheres enfrentam e sinalizar as condições fisiológicas que estão associadas ao autismo, conforme descrito acima.

Todas as mulheres no estudo encontraram profissionais de saúde com conhecimento limitado ou impreciso sobre o autismo e acharam isso extremamente frustrante. Sessenta por cento das mulheres disseram que considerariam que as informações sobre cuidados de saúde relacionadas especificamente com as suas necessidades como mulheres autistas seriam frequentemente ou sempre úteis, em comparação com 25% que disseram que isso seria por vezes útil e 6% que disseram “nunca/raramente”. 

O estudo original foi publicado em 2014, e reconhecemos que houve algum progresso na compreensão do autismo pelos serviços de saúde nos últimos dez anos, mas não ao ponto de não haver mais problemas.

Acomodações que podem reduzir os desafios de comunicação em saúde que as mulheres autistas enfrentam

Uma das principais adaptações para ajudar mulheres autistas em ambientes de saúde é aumentar a conscientização do profissional de saúde sobre o autismo, permitindo-lhes então acomodar as necessidades individuais dos pacientes e reduzir a ansiedade em relação aos cuidados de saúde. 

Embora esta acomodação esteja fora do controle de muitas mulheres autistas, continua a ser uma forte necessidade na comunidade de saúde e, com os números mais recentes mostrando a alta prevalência do autismo, sendo uma em cada 36 crianças (Maenner et al, 2023), a conscientização sobre o autismo em nossa comunidade está necessariamente crescendo.

As mulheres autistas podem procurar um médico de família na sua área que compreenda o autismo e possa educar o seu médico de família sobre as suas próprias necessidades específicas, à medida que as compreendem, e podem solicitar que o seu médico de família as ajude a descobrir mais necessidades ao longo do tempo. Descobrimos que oferecer às pessoas as informações que elas precisam saber em um determinado momento pode ser útil, seja como uma Social Story™ falada ou escrita (https://carolgraysocialstories.com/). 

Por exemplo, se for difícil descrever emoções, pode ser útil dizer: “Sou o tipo de pessoa que tem dificuldade em expressar os seus sentimentos em palavras, mas tenho uma Roda de Sentimentos que podemos usar e que pode ajudar-me”. 

A roda dos sentimentos podem ser baixados e levados para consultas. Ou se o tempo de processamento for um problema, a pessoa pode dizer: “Sou o tipo de pessoa que precisa de tempo para processar a comunicação oral. Por favor, permita-me mais tempo para processar o que você está dizendo antes de responder.” 

Um clínico geral pode escrever uma carta aberta “A quem possa interessar” aos funcionários do hospital para descrever os aspectos médicos do autismo que eles precisam saber. O paciente autista tem várias cópias para serem entregues a diversos funcionários do hospital.

Os profissionais de saúde podem acomodar o autismo no local de trabalho perguntando se há algum problema social, emocional ou sensorial do qual eles precisam estar cientes. Algumas delas podem incluir a atenção à sobrecarga sensorial, por exemplo, salas de espera superlotadas, cheiros fortes de perfume e produtos de limpeza, permitindo mais tempo de processamento nas entrevistas e melhorando a comunicação através da utilização de recursos, por exemplo, escalas visuais de dor. Eles podem apoiar seus pacientes autistas no uso de estratégias que possam ajudá-los a lidar com desafios sensoriais e emocionais, por exemplo, o uso de fones de ouvido ou tampões de ouvido com cancelamento de ruído na sala de espera e o fornecimento de informações escritas na entrevista, em vez de confiar no discurso verbal.

Referências:

Lum, M., Garnett, M., & O’Connor, E. (2014). Comunicação em saúde: Um estudo piloto comparando percepções de mulheres com e sem transtorno do espectro do autismo de alto funcionamento, Research in Autism Spectrum Disorders, Volume 8, Edição 12, Páginas 1713-1721, ISSN 1750-9467, https://doi.org/10.1016 /j. rasd.2014.09.009.

Maenner MJ, Warren Z, Williams AR, et al. (2023). Prevalência e características do transtorno do espectro do autismo entre crianças de 8 anos — Rede de monitoramento de autismo e deficiências de desenvolvimento, 11 locais, Estados Unidos, 2020. MMWR Surveill Summ 2023;72(No. SS-2):1–14. DOI: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.ss7202a1.

Weir E, Allison C, Baron-Cohen S. (2022). Adultos autistas têm cuidados de saúde de pior qualidade e pior saúde com base em dados de autorrelato. Mol Autismo. 2022 26 de maio;13(1):23. doi: 10.1186/s13229-022-00501-w. PMID: 35619147; IDPM: PMC9135388.

*NB: Tenha em atenção que sempre que o gênero é referido neste artigo, estamos a referir-nos ao gênero atribuído no nascimento.

A Psicóloga Marina da Silveira Rodrigues Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista e TDAH em homens e mulheres. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina da Silveira Rodrigues Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Instagram:

@institutoinclusaobrasil

@psicologamarinaalmeida

@autismoemadultos_br

Conheça os E-Books

Coleção Neurodiversidade

Coleção Escola Inclusiva

Os E-books da Coleção Neurodiversidade, abordam vários temas da Educação, elucidando as dúvidas mais frequentes de pessoas neurodiversas, professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×