INTERESSES ESPECIAIS E BEM-ESTAR SUBJETIVO EM ADULTOS AUTISTAS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Os interesses especiais fazem parte das características centrais do autismo. No entanto, até o momento, há poucas pesquisas com foco no papel de interesses especiais na vida de adultos autistas.

Este estudo pesquisou adultos autistas em seus tópicos de interesse especial, intensidade e motivação. Também avaliou a relação entre interesses especiais e uma gama de medidas de qualidade de vida, incluindo bem-estar subjetivo e satisfação com a vida em um domínio específico.

Cerca de dois terços da amostra relataram ter um interesse especial, com relativamente mais homens relatando um interesse especial do que mulheres. Tópicos de interesse especial incluíram computadores, autismo, música, natureza e jardinagem.

A maioria dos adultos autistas tem mais de um interesse especial, destacando que esses interesses podem não ser tão restritos quanto descrito anteriormente. Não houve diferenças no bem-estar subjetivo entre adultos autistas com e sem interesses especiais. 

No entanto, para adultos autistas que tinham interesses especiais, a motivação para se engajar em interesses especiais foi associada a um aumento do bem-estar subjetivo. Isso indica que a motivação pode desempenhar um papel importante em nossa compreensão dos interesses especiais no autismo. 

Os interesses especiais tiveram um impacto positivo sobre os adultos autistas e foram associados a um maior bem-estar subjetivo e satisfação em domínios específicos da vida, incluindo contato social e lazer.

No entanto, uma intensidade muito alta de engajamento com interesses especiais estava negativamente relacionada ao bem-estar.

Combinados, esses achados têm implicações importantes para o papel de interesses especiais na vida de adultos autistas.

Condições comórbidas de saúde mental, como ansiedade e depressão, são extremamente comuns em adultos autistas. A vulnerabilidade a experiências negativas de vida, como vitimização e desemprego, pode ser parcialmente responsável pelo desenvolvimento dessas condições. 

Aqui, medimos a frequência de experiências de vida negativas em adultos autistas e exploramos como elas estão associadas aos sintomas atuais de ansiedade e depressão e satisfação com a vida. 

Desenvolvemos o Quociente de Experiências de Vulnerabilidade (VEQ) por meio de consulta às partes interessadas.

O VEQ inclui 60 itens em 10 domínios. Adultos autistas com diagnóstico clínico e controles não autistas completaram o VEQ, medidas de rastreamento para ansiedade e depressão e uma escala de satisfação com a vida em uma pesquisa online. A probabilidade de experimentar cada evento VEQ foi comparada entre os grupos, usando regressão logística binária. A análise de mediação foi usada para testar se a pontuação total do VEQ mediou a relação entre autismo e (1) depressão (2) ansiedade e (3) satisfação com a vida. 

Adultos autistas (N = 426) relataram taxas mais altas da maioria dos eventos no VEQ do que adultos não autistas (N = 268). Eles também relataram mais sintomas de ansiedade e depressão e menor satisfação com a vida. 

As diferenças entre os grupos de ansiedade, depressão e satisfação com a vida foram parcialmente mediadas pelo escore total do VEQ. 

Este estudo destaca várias áreas importantes e pouco estudadas de vulnerabilidade para adultos autistas, incluindo violência doméstica, contato com serviços sociais (como pais) e exploração financeira e privações. 

Serviços aprimorados de suporte, aconselhamento e defesa são necessários para reduzir a vulnerabilidade de adultos autistas a experiências de vida negativas, o que pode, por sua vez, melhorar a saúde mental e a satisfação com a vida nessa população. 

Fonte:

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31274233/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29427546/

Para ajudar os profissionais na área de saúde e educação, a Psicóloga Clínica, Escolar e Neuropsicóloga Marina Almeida, oferece supervisão clínica para profissionais psicólogos, neuropsicólogos e psicopedagogos, para avaliação de rastreio de transtorno do espectro autista em crianças, adolescentes e adultos.

Realizo avaliação neuropsicológica online ou presencial para transtorno do espectro autista em adultos.

Entre em contato pelo WhatsApp (13) 991773793.

Agendamento para consulta presencial ou consulta de psicoterapia on-line:

WhatsApp (13) 991773793

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

CRP 06/41029

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

(13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×