Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

Dra. Amitta Shah, Psicóloga Clínica Consultora com mais de 35 anos de experiência no trabalho com crianças e adultos autistas. Ela tem experiência no diagnóstico e manejo da catatonia no autismo e publicou artigos sobre o assunto com a Dra. Lorna Wing.

A catatonia é um distúrbio neuropsicológico complexo que se refere a um conjunto de anormalidades no movimento, volição, fala e comportamento. Historicamente, o termo catatonia tem sido associado à esquizofrenia e psicoses, mas agora é reconhecido que pode ocorrer com uma variedade de condições.

Catatonia em graus variados pode ocorrer em crianças e adultos autistas. Estudos sugerem que entre 12-18% das pessoas autistas podem apresentar níveis variados de catatonia (Wing & Shah, 2000; Billstedt et al. 2005; Ghaziuddin et al, 2012). No entanto, é provável que a prevalência real seja maior, pois provavelmente há muito mais pessoas com autismo e catatonia que não têm diagnóstico e não são conhecidas pelos serviços.

Os médicos geralmente não reconhecem a apresentação gradual que ocorre em pessoas autistas, em vez do estado de estupor catatônico completo, que é fácil de diagnosticar e familiar aos médicos. Assim, o colapso do tipo catatonia raramente é detectado em um estágio inicial e muitas vezes mal diagnosticado e maltratado. No entanto, se for detectado precocemente, é mais fácil de tratar e pode ser revertido. O colapso do tipo catatonia pode progredir para catatonia completa, que é extremamente difícil de tratar e pode levar à imobilidade total, dependência de todos os aspectos da vida diária e pode se tornar uma ameaça à vida.

O colapso semelhante à catatonia causa enorme estresse às famílias e afeta a qualidade de vida do indivíduo em questão de maneiras extremas. Reconhece-se que é difícil diagnosticar e tratar, especialmente porque os sintomas e a gravidade podem variar de dia para dia e também ao longo do tempo. É um dos aspectos mais enigmáticos e desafiadores do autismo, mas a falta de interesse clínico e de pesquisa nessa condição é uma grande preocupação e precisa ser abordada. 

SINTOMAS DE CATATONIA NO AUTISMO

Como a identificação e o diagnóstico precoces são importantes, é crucial que todos os profissionais, médicos, pais e cuidadores relevantes estejam cientes dos indicadores precoces de um colapso semelhante à catatonia em pessoas autistas. Em particular, o colapso do tipo catatonia deve ser considerado como um possível diagnóstico para qualquer indivíduo autista que mostre uma deterioração acentuada e óbvia em:

  • Movimento
  • Vontade
  • Nível de atividade
  • Fala
  • Uma regressão no autocuidado, habilidades práticas e independência em relação aos níveis anteriores.

Indicadores específicos de um início de colapso do tipo catatonia podem incluir qualquer um dos seguintes:

Aumento da lentidão

Congelamento durante as ações 

Aumento de movimentos repetitivos e hesitações

Dificuldade em cruzar limiares e completar movimentos

Redução acentuada na fala ou mutismo completo

Dificuldade em iniciar e inibição de ações

Maior dependência de comandos físicos ou verbais para o funcionamento

Aumento de comportamentos repetitivos e ritualísticos

Ficar preso em posturas

TRATAMENTO DA CATATONIA

Há pouca evidência de pesquisa para orientar o tratamento médico da catatonia em pessoas autistas. Os estudos publicados sobre o tratamento da catatonia em transtornos do espectro do autismo (TEA) são principalmente estudos de caso único usando vários medicamentos psiquiátricos ou terapia eletroconvulsiva (ECT) para casos com estupor catatônico agudo.

Há um artigo recente (De Jong, Bunton e Hare, 2014) que relatou uma revisão sistemática da literatura sobre todas as intervenções usadas para tratar sintomas catatônicos em pessoas autistas. As conclusões são de que a qualidade dos estudos é ruim e não há evidências convincentes de que qualquer medicamento específico ou ECT seja eficaz para a quebra do tipo catatonia. Os estudos também ignoraram de forma preocupante os efeitos colaterais desses tratamentos e raramente relataram o acompanhamento dos efeitos a longo prazo.

Na ausência de pesquisas relevantes baseadas em evidências de boa qualidade, é importante que os profissionais e cuidadores consultem as diretrizes desenvolvidas por médicos experientes. Diretrizes de tratamento baseadas na experiência clínica são fornecidas para catatonia leve, moderada e grave em Dhossche, Shah e Wing (2006). É imperativo que os médicos não ignorem que os medicamentos psiquiátricos podem desencadear ou piorar a catatonia em indivíduos autistas. Além disso, tratamentos drásticos, como ECT e/ou altas doses de Lorazepam, só devem ser tentados como último recurso em casos de catatonia grave com risco de vida.

Recomendamos uma abordagem psicológica baseada em nossa descoberta de que o estresse e a ansiedade e os efeitos colaterais da medicação psiquiátrica são as principais causas de colapso semelhante à catatonia (Wing & Shah, 2000). Esta é uma abordagem individual que investiga o estresse específico da pessoa em questão e aborda isso com base em uma avaliação psicológica abrangente e trabalhando com cuidadores e equipes multidisciplinares locais para implementar um plano psico-ecológico com acompanhamento de equipe multidisciplinar especializada em autismo. Isso é descrito em Shah e Wing (2006).

OS PRINCIPAIS ASPECTOS DA ABORDAGEM PSICO-ECOLÓGICA

  • Identificação precoce de possíveis indicadores
  • Psicoeducação para promover a compreensão da condição, em particular para cuidadores, profissionais e prestadores de serviços
  • Procurando e eliminando quaisquer possíveis causas, como medicamentos psiquiátricos
  • Avaliação do autismo da pessoa e sua vulnerabilidade ao estresse
  • Identificação de fatores de estresse que podem incluir fatores ambientais, de estilo de vida e psicológicos (emocionais).
  • Reduzir e eliminar fatores de estresse que podem incluir mudanças no ambiente, programa diário, aumento de pessoal e suporte, etc.
  • Fornecer instruções verbais e físicas para superar as dificuldades de movimento
  • Manter e aumentar as atividades que a pessoa gosta ou fez anteriormente
  • Fornecer estimulação externa e motivação em níveis apropriados para manter a pessoa engajada, responsiva e ativa
  • Apoiar uma estrutura segura, com previsibilidade e ocupação.

Fonte: https://www.autism.org.uk/advice-and-guidance/professional-practice/catatonia-autism

A Psicóloga Marina Almeida é especialista em Transtorno do Espectro Autista. Realizo psicoterapia online ou presencial para pessoas neurotípicas e neurodiversas.

Realizo avaliação neuropsicológica online e presencial para diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em Adultos e TDAH.

Agende uma consulta no WhatsApp (13) 991773793.

Marina S. R. Almeida – CRP 06/41029

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

Licenciada no E-Psi pelo Conselho Federal de Psicologia para atendimento de Psicoterapia on-line

WhatsApp (13) 991773793

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Rua Jacob Emmerich, 365 – sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

×