MARINA ALMEIDA PSICOTERAPIA DE CRIANÇAS, ADOLESCENTES E ADULTOS

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter

A psicanálise de crianças e adolescentes, são ambos os desdobramentos da psicanálise de adultos, compartilham com ela uma estrutura teórica comum para a compreensão da vida psicológica, ao mesmo tempo em que usa técnicas e medidas adicionais para lidar com as capacidades e vulnerabilidades especiais das crianças, como jogos, desenhos, brincadeiras, pinturas, brinquedos variados, visto ser o universo infantil e forma de comunicação. Chamamos o atendimento de crianças de Psicoterapia Infantil e ou Ludoterapia (Terapia através dos brinquedos).

No caso de psicanálise de adolescentes, o paciente é ajudado a revelar seus sentimentos e preocupações interiores, não apenas através de palavras, mas também através de desenhos, uso da internet, fotos, etc. O adolescente poderá fazer sua análise no divã ou sentado na poltrona (face a face com o psicanalista).

Nos tratamento de crianças e adolescentes até 19 anos, os pais geralmente virão para uma entrevista inicial, com o objetivo de contarem suas preocupações e história de desenvolvimento (anamnese) de seu (sua) filho (a). No caso de adolescentes, depois disto os pais poderão receber ou não orientação de pais, dependendo do caso.

O objetivo da análise da criança e do adolescente é a elaboração dos sintomas de sofrimento e dos bloqueios psicológicos que interferem no desenvolvimento normal.

Como a psicanálise é um tratamento altamente individualizado, as pessoas que desejam saber se beneficiariam dela devem procurar consulta com um psicanalista experiente.

Irei exemplificar com alguns casos descritos abaixo de situações de paciente em sofrimento psíquico:

A pessoa mais capaz de se submeter à psicanálise é alguém que, por mais incapacitado que seja na época, é basicamente, ou potencialmente, um indivíduo com recursos afetivos. Essa pessoa pode já ter conseguido satisfações importantes, com amigos, no casamento, no trabalho, ou por interesses e hobbies especiais, mas ainda assim está significativamente prejudicada por sintomas de longa data como, por exemplo: depressão ou ansiedade, incapacidades sexuais, compulsões de vários tipos ou sintomas físicos sem qualquer sintoma subjacente demonstrável sem causa orgânica ou diagnosticado por médicos. Contudo a pessoa sente sofrimento, não consegue mudar, tem percepção que algo não está bem, mas não sabe precisar com clareza oque é que a leva a sofrer.

Uma pessoa pode ser atormentada por rituais privados ou compulsões, pensamentos repetitivos, dúvidas sobre sua identidade de gênero, sofrimentos estes que nunca foram revelados para ninguém, e a pessoa sempre disfarçou, teve dúvidas e ou escondeu isso por muitos anos. Outro paciente pode viver uma vida restrita de isolamento e solidão, incapaz de se sentir-se próximo de alguém.

Por exemplo, uma vítima de abuso sexual na infância pode sofrer com a incapacidade de confiar nas pessoas, sente paranoia ou perseguição pelas pessoas. Pode também se identificar com o agressor abusador do passado, desejando no momento atual ter relações sexuais com crianças. Também pode ter problemas sexuais em seu casamento, problemas com maternidade ou problemas com os filhos sempre suspeitando que alguém também poderá molestá-los, etc.

Algumas pessoas chegam à psicanálise por causa de repetidos fracassos no trabalho ou no amor, provocadas não por acaso, mas por padrões autodestrutivos de comportamentos. Outros pacientes precisam de análise porque o modo como é seu caráter, os limita substancialmente suas escolhas e seus prazeres, sentindo-se sempre usados ou manipulados pelas pessoas.

E outros ainda buscam a psicanálise para resolver problemas psicológicos que foram resolvidos apenas temporariamente ou parcialmente por outras abordagens terapêuticas, mas que ainda os comportamentos continuam se repetindo, como por exemplo, padrões autodestrutivos, de auto sabotagem, compulsivos e ou impulsivos.

Cito abaixo alguns diagnósticos que poderão se beneficiar da psicanálise dependendo de cada caso a ser avaliado:

  • Tratamento de dificuldades emocionais
  • Quadros psicossomáticos, como alergias, dores, insônia, gastrites, dificuldades alimentares, problemas intestinais, etc.
  • Situações de crise familiar, com suas consequências na aprendizagem e adaptação ao meio ambiente
  • Distúrbios emocionais, humor bipolar, depressão e ansiedade.
  • Transtornos de Personalidade Borderline
  • Disforia de gênero
  • Adição em internet, celulares, redes sociais
  • Problemas sexuais
  • Questões relativas à identidade de gênero (transexual, transgênero, homossexual, bissexual)

Qualquer que seja o problema de cada paciente será considerado pela psicanálise sempre como uma pessoa única, singular e diferente.

Um paciente só poderá ser adequadamente entendido apenas dentro do contexto das forças psíquicas e da sua situação de vida.

Daí a necessidade de uma avaliação minuciosa, de uma entrevista preliminar com o psicanalista, para determinar se a pessoa irá beneficiar-se da psicanálise.

Entre em contato comigo e agende uma entrevista:

Marina S. R. Almeida

Consultora Ed. Inclusiva, Psicóloga Clínica e Escolar

Neuropsicóloga, Psicopedagoga e Pedagoga Especialista

CRP 41029-6

INSTITUTO INCLUSÃO BRASIL

Whatsapp (13) 991773793 ou (13) 34663504

Rua Jacob Emmerich, 365 sala 13 – Centro – São Vicente-SP

CEP 11310-071

marinaalmeida@institutoinclusaobrasil.com.br

www.institutoinclusaobrasil.com.br

https://www.facebook.com/InstitutoInclusaoBrasil/

https://www.facebook.com/marina.almeida.9250

https://www.facebook.com/groups/institutoinclusaobrasil/

Atenção: Este site não oferece tratamento ou aconselhamento imediato para pessoas em crise suicida.

Em caso de crise, ligue para 188 (CVV) ou acesse o site www.cvv.org.br.

Em caso de emergência, procure atendimento em um hospital mais próximo.

 

Conheça os E-Books

Coleção Escola Inclusiva

Coleção Escola Inclusiva

A Coleção Escola Inclusiva aborda vários temas da educação, elucidando as dúvidas mais frequentes dos professores, profissionais e pais relativas à Educação Inclusiva.

Outros posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

×